Desabafo de uma qawwi

#28| Pode o Estado obrigar-me a evacuar em caso de emergência?

2019-03-18t161549z_1849168171_rc1e47231400_rtrmadp_3_zimbabwe-cyclone-mozambique-1024x585.jpg

Imagem: causa operaria

Uma das minhas maiores dificuldades continua a ser o sono. Tornou-se necessidade biológica. Sabe muito bem que dependo dele. E mesmo assim, tem a mania de adiar-se. De deixar-me no abandono. Quando isso acontece, normalmente pego no livro da cabeceira, ou então ligo a TV, a qual esta noite acabei por optar.

As notícias reportam mais um desastre natural. Céus quebrados de cinza, cidades turvadas de vento, águas galopando com fúria pelas alturas e submundos, puxando tudo o que é vida para o breu da morte. Dói o meu coração. Como se atravessado pelas lâminas das arraias que lutam por alento.

O país onde estou, também já sofreu este tipo de desastres. O rescaldo dos mesmos deixou-me com alguns questionamentos, os quais esta noite voltam à tona: a ajuda que o chamado Governo deve prestar aos cidadãos. A eficácia das evacuações, quando de carácter obrigatório.

No meu planeta, isto nunca poderia ser questionado. Aquando da terrível queda da cortina de vidro, por exemplo, bastou os trombones dispararem com a comunicação do Conselho da Unidade, para os qawwis obedecerem a recomendação de ficarem em casa. Somos um só, e a voz do nosso rei, nunca contrariou a nossa própria vontade. Pelo menos até aquele tempo.

No planeta terra, entretanto, as coisas funcionam de forma diferente. Para conviver em sociedade, os homens abdicam um pouco da sua liberdade. É tudo institucionalizado e é preciso que os direitos e deveres estejam claramente definidos e proclamados. Aliás, é essencial, porque grande também pode ser a tirania. É neste sentido, que o direito ao domicílio e residência é um direito “fundamental”.

Em casos como este, de emergência ou de perigo de vida causado por calamidades naturais, julgo que deve olhar-se por um lado para o direito dos cidadãos a permanecerem no seu domicílio, e por outro lado, a responsabilidade do Estado de proteger estes mesmos cidadãos.

Em alguns países, existem leis que permitem explicitamente evacuações forçadas em caso de emergência. Acontece, entretanto, que a implementação desses esforços tende a ser complicada. Às vezes, as pessoas não respondem às medidas de evacuação. Pelas mais diversas razões. Algumas não recebem a informação. Outras, tem receio de abandonar as suas casas e os seus bens. Algumas talvez já tenham enfrentado situações semelhantes e julgam que conseguirão sobreviver a mais uma. O problema é que estas pessoas podem, mais tarde, precisar efectivamente de socorro, situação que poderia ter sido evitada.

Que direito deve prevalecer? Mesmo estando em perigo, posso optar por permanecer em casa? ou o Estado pode usar da força para tirar-me de lá? Olhando para Moçambique, por exemplo, quando afectado pelo ciclone Kenneth, o Governo e as agências de ajuda disseram que 30 mil pessoas foram levadas para locais seguros e que um total de quase 700 mil estariam em risco. Foram criados 20 centros de evacuação em Pemba, mas foram necessários aviões, pois muitas das áreas afectadas não eram acessíveis por terra. In Jornal o pais.

Reportou-se, ainda assim,  que algumas pessoas recusaram-se a abandonar as suas casas.

Alguns estudiosos humanos argumentam que usar da força para tirar alguém do seu domicílio, sem um processo legal, constituiria a violação de um direito fundamental. O documento chamado “constituição da República” em vigor em Moçambique, diz que o domicílio do cidadão é inviolável, salvo nos casos previstos na lei. A entrada no domicílio dos cidadãos contra a sua vontade, só pode ser ordenada pela autoridade judicial competente, nos casos e segundo as formas especialmente previstas na lei.

Ora, neste mesmo documento a que me refiro acima, fala-se dos estados de sítio e de emergência. Estes podem ser declarados, no todo ou em parte do território, nos casos de agressão efectiva ou eminente, de grave ameaça ou de perturbação da ordem constitucional, ou de calamidade pública. Nestas situações, pode ser suspenso ou limitado o exercício de algumas garantias e direitos constitucionais. O Governo pode, por exemplo, tomar algumas medidas restritivas como a obrigação e permanência do cidadão em local determinado.

Desta forma, parece aceitável que em caso de declaração de estado de emergência, o Governo tenha a prerrogativa de forçar a evacuação. Mas como tal depende de um processo fundamentado, o mais importante antes de qualquer medida forçada, é a antecipação e conjugação de esforços, a disseminação de informação e sensibilização dos cidadãos. Afinal de contas, estamos a falar do bem mais precioso que é a vida. É necessário todo o cuidado. E todas as medidas e prioridades devem ser para assegurar a preservação desta mesma vida.

… respiro. Desligo a TV. A noite quente arranca da lua um intenso gemido. Todos nós estamos sujeitos às forças da natureza. A qualquer momento, podemos enfrentar uma situação de contratempo. Ao pensar nisso, pego numa caneta, pois acaba de surgir-me uma outra questão. Será que agora, como humana, estou equipada para enfrentar uma situação de emergência? Será que, por exemplo, tenho tudo em casa para, em caso de necessidade, aguentar-me uma semana sem ir às ruas?

Resenhas

Literatura | O homem que comeu o hospital, de Edmilson Mavie

IMG_8978.JPG

Autor: Edmilson Mavie

Editora: Fundação Fernando Leite Couto

Onde comprar: Fundação Fernando Leite Couto

Opinião

Confesso que demorei um pouco para ler este livro. Há obras que em certos momentos não se coadunam com o nosso estado espírito (ou vice-versa), e foi o que aconteceu com esta, a primeira vez que abri e explorei os primeiros dois contos.

Recentemente retornei à leitura. Desta feita, ela ocorreu num piscar de olhos. O escritor, tão naturalmente explorador do universo moçambicano onde se inspira para criar as suas histórias, transparece um contacto íntimo com a realidade à sua volta. Talvez, quem sabe, pela sua profissão. Ou por simplesmente ser um bom contador de histórias.

O vazio causado pela morte, a sede pelo poder, a ausência de uma mão mais provedora do sistema, as relações interpessoais, e por fim, o lado mais místico, e às vezes sinistro do próprio ser humano, são os elementos que compõem e ligam os cerca de 14 contos presentes nesta colectânea.

Contos como “o prognóstico”, “vencidos pela natureza” e “a fatalidade”, contam infortúnios comuns e visíveis na nossa sociedade, mas também desvelam-se como metáforas sobre questões mais complexas. O que seria um sistema médico incapaz de produzir um diagnóstico, ou então um mal-entendido onde um polícia acaba matando uma criança, senão uma conjuntura deficiente, onde todos nós acabamos por ser responsáveis pela tragédia?

Eis uma passagem do conto “a fatalidade”:

“o menino em mínimo movimento, rosto pálido e cianótico, estendeu o braço e abriu a mão com as moedas cintilando. E arrastando a voz em derradeiro momento lançou o mormente olhar à mãe e disse: – desculpa, mamã… é a polícia que só tem balas de matar”.

Relativamente a escrita de Edmilson, achamo-la elegante, acessível e poética. O autor conduz a sua narrativa de forma inteligente, pois consegue trazer um desfecho de certa forma inesperado a cada um dos seus contos. Vale ressaltar, entretanto, que logo no início percebe-se o tom das histórias a que se propõem contar. Outro aspecto interessante do livro, é a abertura de cada conto, que inicia com uma citação ou provérbio, para ambientar o texto.

A partir da segunda metade do livro, a escrita de Edimilson torna-se mais densa. Mais comovente, se nos permitirem. O conto que afigura-se mais colorido é o que dá título a obra. Aliás, o título nos parece ser exactamente o que sugere: uma provocação. Uma alusão aos nossos devaneios internos. E quem não os tem?

A capa e o título são sem dúvida impressionantes. Impossível não despertar a curiosidade para o que guarda o restante. A diagramação do livro é boa. A revisão, contudo, poderia ter sido um pouco mais atenta. Nada, entretanto, que retire o mérito da obra.

É uma leitura definitivamente recomendável.

A nossa pontuação: 4 em 5 estrelas

(Por VF da tripulação)

Desabafo de uma qawwi

#27| Escolha um trabalho que você ame e não terá que trabalhar um único dia da sua vida

86

Imagem: The International Educator

Nos últimos meses, encarar a vida como humana parece-me uma tarefa mais aceitável. Às vezes ando pelas ruas, absorta nos meus pensamentos, ardendo na tal melancolia, esse manto que se agarra a quem caminha só. Outras vezes, caminho mais atenta. À procura de sinais escondidos da missão que falhei. Quem sabe haja algo no semáforo fechado, na mulher de mão estendida, ou no andaime suspenso.

Há momentos em que busco tão-somente um rosto amigo. Nessas alturas, sou capaz de ver Will. No rosto do vendedor de jornais da esquina, por exemplo. Ou no simpático vizinho que dispensa alguns segundos das suas manhãs para cantar-me os bons dias. À medida que o tempo passa, eu aprecio esta memória viva dentro de mim. Aceito-a.

Todavia, há outros aspectos da vida humana que são praticamente insuportáveis. Não poder teletransportar-me é angustiante. Não tolero andar de carro, por isso a bicicleta acaba sendo um meio termo. Custa-me habituar-me as estranhezas do corpo humano. Quantas vezes acordo a meio da noite, com impetuoso calor? Que dizer então quando acomete-me uma terrível dor de cabeça? Ah, a dor de cabeça. Essa espanstosa novidade.

Em momentos de ansiedade, deixo-me sentar ao luar, entre as árvores do quintal. É assim que resolvo os meus conflitos. A olhar para estrelas, sem pressa. Permitindo-me lembrar que além delas, há muito mais. Um dia, quem sabe, eu volte ao meu planeta. É essa esperança que me consola.

A dor de cabeça começa a ceder. O stress por causa do deadline desaparece. A situação, subitamente, parece-me ridícula. Eu, Linan, stressada por causa de trabalho? Solta-se de mim uma morna gargalhada.

Algo que causou-me admiração logo que cá cheguei, foi o tempo reduzido dos humanos. 70 entre 80 anos. Essa é a média geral de vida. E mesmo assim, esta espécie passa a maior parte do tempo a trabalhar. Eu até compreendo. O sistema não permite que seja diferente. E ter um trabalho, chega a ser uma grande dávida. O que eu não compreendo, entretanto, é como tantos humanos deixam que o trabalho os frustre, sugue a vitalidade. Onde está benefício nisto? Como é que milhares de pessoas conseguem estar ao serviço de empresas e de empregadores que não valorizavam o seu esforço, nem o seu tempo? Como é que conseguem trabalhar em algo que abominam? É aterrador. E sabem porquê? Porque hoje, como humana, não tenho outra opção senão trabalhar. No princípio, achei que não fosse capaz. Mas aos poucos, a solução desvelou-se. Lenta e infalível.

Eu falo muitas línguas. Mais de quinze. Assimilei-as como quem bebe água, quando ainda era qawwi. O que eu não sabia, é que isso podia converter-se em dinheiro. Foi uma boa surpresa descobrir que ensinar outros humanos, é um trabalho comum neste planeta!

Comecei por trabalhar com crianças. Estar com elas era quase como regressar a Stefanotis. E não demorou muito para depressa começarem a surgir vários pedidos distintos. Queriam que ensinasse adultos. Que trabalhasse com umas tais “instituições”. Passei a oscilar entre “intérprete”, tradutora” e “educadora”. É engraçado como no planeta terra podemos ser várias coisas ao mesmo tempo. Isso fascina-me. O novo trabalho obriga-me a viajar com frequência. Quer dizer, andar pelo mundo e conhecer pessoas, experimentando a terra com olhos de humana, não é de todo uma obrigação. Quando muito, um acto de diversão.

“Escolha um trabalho que você ame e não terá que trabalhar um único dia da sua vida”. Disse Confúcio, um pensador e filósofo. Colei esta frase na parede do meu escritório em casa. É a prova da sabedoria humana.

O mais importante não é o dinheiro que estou a ganhar. As utilidades para ele não são tantas. A forma como o trabalho está a transformar-me sim, é fabulosa. Diminui os vácuos dentro mim, transformando-os em luminosos jardins. Em suma, o trabalho faz-me sentir, pela primeira vez, curiosidade, e até uma pontinha de alegria em ser humana.

– Oh mãe, tenho mesmo de ir? – pergunta uma voz firme e meiga. Érica surge na varanda. Coloca a pomposa mochila às costas, lança-me um olhar desgostoso – raramente estou contigo… um fim de semana é muito pouco!

Levanto-me da grama e ajeito a gola do casaco da minha filha.

– Por mim ficavas aqui o ano todo meu amor, só que o teu pai vai chatear-se se eu não for deixar-te. E se no próximo feriado formos passear? Podíamos ir acampar na praia, como fizemos na páscoa, o que achas?

Érica agita-se com os olhos saltitantes de excitação.

– O pai também vai?

– Só nós duas, meu amor.

Indignada, e como forma de protesto, ela saca os headphones cor de rosa do bolso e os mete nos ouvidos.

– Tu e o papá são uns chatos…

Acompanho a minha filha até a casa do pai. De táxi, a rota demora cerca de 15 minutos.

No portão da vivenda, Will está com uma mulher. Ela despede-se dele de forma bastante afectuosa, antes de enfiar-se num vistoso mercedes.

O meu coração bate mais depressa. Faz tanto tempo que não vejo aquele homem. Deixou a barba crescer. Parece mais velho. Tal como eu, ele também tem um trabalho. Sempre teve, pese embora eu só agora compreenda esse fenómeno na sua plenitude.

– Entra, Linan.

Mal reconheço a sua voz. Há alguns meses eu disse que queria o divórcio. Longe de imaginar que com isso, abriria as portas para a chegada de um estranho. Como quando uma árvore caí. A raiz, quem sabe, reaaproveite-se. Mas ela, jamais será a mesma.

– Senhorita Érica, depressa a lavar as mãos para vir jantar, faça o favor…

– Sim paizinho, mas não te esqueças que não tenho mais seis anos, faça o favor você também! – reclama Érica correndo pelas escadas, as botas de couro ressoando pelo soalho.

– Anda cá uma reclamona… – comenta Will, debruçando-se sobre a mesa onde estão espalhadas várias folhas gigantescas, réguas e esquadrões. Will procura algo. Se calhar o lápis encaixado na sua orelha.

– Will…

– Sim? – ele ergue a cabeça. Nos seus olhos já não há o brilho que a qawwi em mim conheceu um dia. Neles, somente uma interrogação – ah… a papelada. O advogado prometeu que até para semana finalizamos tudo, não te preocupes, estamos quase.

– Não era isso – respondo constrangida. – O lápis… – faço um gesto indicando a orelha.

Will encontra o lápis. A gargalhada que deixa escapar, floresce como uma primavera, e deixa-me mais à vontade para concluir:

– És um pai exemplar Will. Estás a fazer um bom trabalho com a Érica, ela é uma menina incrível. É isso que queria dizer.

Ele parece confuso.

– Estamos os dois, certo?

Respiro, anuo e levanto a mão.

– Bom Will, até outro dia.

Ele parece um pouco apreensivo quando pergunta-me se quero ficar para jantar.

– Se não tiveres outro compromisso, já que – ele parece cada vez mais incerto – sei perfeitamente que tens estado ocupada mas… – acaba por travar – bom, o que estou a tentar dizer é que és bem-vinda a ficar. A jantar connosco.

Observo-o de novo. Sinto-me tão insegura. Que vontade de ficar. Mas sei que não posso. Tampouco sou capaz de entender se ele de facto o quer. Os seus olhos castanhos costumavam ser a janela da sua alma. Todavia, eles carregam agora a densidade da matéria. São os olhos da diplomacia.

– Gostaria de ficar, Will, mas acho que não posso, tenho um prazo para fechar esta noite.

– Imaginei. Mas fico feliz por saber que estás a gostar do teu trabalho. Da tua nova vida.

O meu peito quebra-se em duas partes. Metade fica naquela sala, batendo acelerado. A outra metade segue comigo, controlado. Sim, o gostar de viver às vezes não é mais senão do que saber ser-se humano por si próprio. Saber que o amor pode distanciar, mas que a vida seguirá.

Livros, Resenhas

Literatura| Razões para viver, de Matt Haig – um livro sobre depressão, para toda a gente ler

12494765_1005432722827570_1539552732687369552_nAutor: Matt Haig

Editora: Porto Editora

Opinião:

Editora: Porto Editora

Opinião:

Razões para viver é um livro autobiográfico do autor Matt Haig, que servindo-se da construção narrativa, relata de forma bastante aberta, a experiência que viveu durante o período em que sofreu de depressão, e como ultrapassou as barreiras impostas pela doença. Haig explica como, aos 24 anos, surgiram os primeiros indícios de neurose, e a dificuldade que teve, na altura, de compreender o que se passava com ele, já que nem sequer havia a internet para apontar alguma luz.

Ao contar a sua experiência, Matt pretende mostrar não apenas como sente-se a pessoa com depressão, mas também como reagem os outros a sua volta. Hoje em dia existe informação abundante sobre a depressão e os seus impactos, mas ainda assim, persiste a crença de que a doença é fictícia, criada para justificar actos estranhos. Através deste livro, com uma linguagem clara e desmedida, o autor desmistifica essa crença, reflecte sobre o que há melhor em estar-se vivo, usando uma certa dose de humor para apontar as coisas que não se devem dizer a alguém com depressão.

Eis uma passagem:

Coisas que se dizem aos depressivos e que não se dizem noutras situações de perigo de morte:

“vá lá, eu sei que tens tuberculose, mas podia ser pior. Pelo menos ninguém morreu”

“como é que achas que ficaste com cancro no estômago?”

“Ah, meningite. Ora, o poder da mente vence tudo”

“Pois, pois, a tua perna está a arder, mas falar disso a toda hora não vai propriamente ajuda, pois não?

A diagramação do livro é maravilhosa e as cerca de 250 páginas lêem-se de um só trago. Todos nós passamos por momentos mais ou menos difíceis (pese embora a depressão clínica possa desencadear-se do nada). Talvez por essa razão este livro seja tão facilmente relacionável.

Sobre o autor: Matt Haig é autor de cinco romances, incluindo vários bestsellers. Venceu o “book of the series” do TV Book Club (Channel 4) e foi incluído na lista para o Spacesavers National Book Award. The Humans foi seleccionado para o 2014 World Book Night.

A nossa pontuação: 5 em 5 estrelas.

(Por PF, da tripulação)

 

Desabafo de uma qawwi, Resenhas

#26|Quero o divórcio (essa faca de dois gumes)

Fonte imagem: istock

Apareceu à minha porta sem avisar. Trazia um ramalhete de flores. Mas a visão não me agradou. Evocou-me antes, a memória do beijo. E de repente desejei que tanto ele como Fatinha tivessem os seus corações violentamente quebrados. Queria que Will estivesse tão miserável quanto parecia. Que se arrependesse por ter destruído a nossa união. Confesso que odiava-me sentir-me daquele jeito. Mas sentia. Era o que eu era, a minha nova entidade. E essa nova entidade, raivosa como um bicho ferido, fez-me fechar-lhe a porta na cara. Na verdade, só tinha aceite dar-lhe o meu endereço porque queria continuar perto de Érica.

– Não vou embora sem falar contigo, Linan! – os golpes na porta permaneciam altos.

Respirei fundo. Tentei abafar os meus gemidos, a angústia agressiva, os ciúmes insuportáveis. Se por um lado não me lembrava de ter experimentado tais sentimentos enquanto qawwi, na condição de humana parecia que neles naufragava.

– Sê breve – pedi num fio de voz, deixando-o entrar. Ao inalar o aroma das flores, espirrei.

– Meu Deus – admirou-se Will ao notar a reacção – São as tuas favoritas!

Para mim também era novidade. A humana em mim era alérgica a antúrios. Peguei no ramalhete e atirei no balde de lixo, sem um pingo de remorsso. Will apenas seguiu-me silencioso.

– Eu amo-te, Linan.

Operou-se uma confusão instantânea na minha mente. Voltei-me bruscamente.

– Não foi um beijo aquilo que vi entre ti e a Fatinha?

O rosto dele voltou-se para baixo.

– Sim, mas…

– Fizeste amor com ela?

O gargalo de Will inchou enquanto claramente engolia uma resposta azeda.

– Não é como estás a pensar, Linan.

-Ah não? Como podes alegar amar-me e ao mesmo tempo fazer amor com ela? Elucida-me, por favor – empurrei a mão dele. O toque não ia aclarar as ideias. Precisava de algo mais forte que isso.

– Em primeiro lugar, tu não estavas aqui!

Fiquei perplexa. Morrendo de overdose daquela ideia estapafúrdia.

– Ah! Então quando nos ausentamos, ausenta-se também o amor?

Will ficou lívido. Parecia tão incrédulo e surpreso quanto eu.

– Nunca deixei de amar-te. Tu é que me abandonaste! Trouxeste a nossa filha de volta, e de seguida sumiste. Eu vi! Deste as mãos a Vallen, de livre vontade, e evaporaste. Sem um único adeus. Dois anos. E eu sem saber se estavas morta, ou se de repente tinhas saído deste planeta. O teu telemóvel, entretanto, chamava. A secretária electrónica às vezes era de França. Outras, de Cabo Verde. Tailândia. Bora Bora. E a última vez, de Sydney. E tu nunca. Nunca deste um sinal, nunca respondeste às minhas mensagens!

– Porra Will, foi por vocês! Para proteger-te, para proteger a Érica! Eu não podia entrar em contacto pois estava a fingir ter deixado tudo para trás. Era a única forma que tinha para poder voltar para vocês.

– Para mim não foi fingimento. Despedaçaste-me por inteiro, Linan. Fatinha só chegou tão perto, porque também estava arrasada e tentava convencer-me de que ia tudo ficar bem. Ela ajudou-me a cuidar de Érica, mas não era…

– Era a minha melhor amiga. E tu a puseste no meu lugar. Foi isso.

Will calou-se. Sacudiu os ombros.

– Lamento imensamente que estejas a ver assim. Eu não estou com ela. Nunca faria isso. Queria apenas que entendesses que nos últimos meses… a minha cabeça estava em todos os lugares. Não fazes ideia!

– Tu também não! – Naquele instante os nossos corpos estavam muito próximos, mas os corações, distantes como o sol e o mar. Por isso gritavamos para que nos ouvissemos – não fazes ideia do quanto perdi para poder voltar para ti!

– Desculpa – os olhos de Will escureceram – Ao contrário de ti, sou humano. O meu corpo está sujeito a essa condição, e às vezes comete atrocidades. Mas o meu coração é e sempre foi teu.

Desejei ardentemente que nem eu, nem ele, fossemos humanos. Que soubéssemos ser unidos de corpo, alma e coração. A dissociação havia nos estilhaçado. E no reflexo dos escombros, brilhavam as nossas falhas. O coração, sem o corpo, é uma cegueira. E o corpo sem coração, é uma mutilação. Não havia metáfora possível para suavizar a realidade.

– Por favor – Will engolia as lágrimas – por favor – repetia consecutivamente – perdoa-me e deixa-me explicar.

– Escuta Will, não condeno-te por teres colocado a minha melhor amiga no meu lugar, ou por teres sido um idiota ao duvidar que eu iria cumprir a minha promessa. Tão pouco por teres esquecido que eu amava-te infinitamente. E sim, aceito as tuas desculpas.

Ele tremia quando perguntou muito baixo:

– Aceitas, mas não vais voltar para mim, é isso?

Reflecti durante alguns segundos. Ele estava correcto.

– Exacto, não vou voltar. Voltar para ti agora significaria desrespeitar os meus sentimentos. Ir contra mim mesma. Estou cansada disso e sinceramente, preciso ser mais benevolente comigo mesma.

– Algo em ti, mudou, meu amor.

– É o que acontece, Will. O universo muda constantemente.

Não tinha vontade de confessar que agora era humana. Que sacrificara os meus poderes, a minha essência, por ele. Uma força amarga e poderosa dentro de mim impedia-me disso.

– E pretendes abandonar-nos de novo? Vais teletransportar-te e sumir pelo mundo? E a nossa filha?

Suspirei. Até há pouco não me imaginava a fazer aquilo sem ele. A ser humana. Mas agora compreendia. Era uma jornada exclusivamente minha. Enfrentar os medos, a solidão, é o que faz de nós, nós. Precisava de um tempo sozinha, para entender-me comigo própria.

– Ouve-me com atenção, Will. jamais abandonarei a Érica, não tens de preocupar com isso. Mas o que quero agora é estar só.

– Percebo – Ele tentou aproximar-me, mas ao ver-me retesar, retrocedeu – ainda tenho fé no nosso casamento. Vou dar-te espaço, até que estejas pronta para perdoar-me.

– Acerca disso – rodei o anel no dedo – eu quero aquela coisa.

Ele franziu as sombras.

– Não sei se compreendo.

– Quero aquela coisa Will – retirei o anel, ao mesmo tempo que tentava desesperadamente recordar-me do termo certo – o divórcio. Eu quero o divórcio.

Desabafo de uma qawwi

#25|Infinitamente humana

lonely-sad-girl-images-750x500.jpg

Imagem: Chobir Doka. Fonte

O comboio estava em movimento há mais de três horas. E eu verificava cada minuto. Logo eu, que o tempo nunca precisei controlar. O que passei a ser, senão um ser reduzido àquela tragédia? Estava severamente limitada pelo tempo. Pelo espaço. Pelo meu próprio corpo. Corpo este vulnerável, cheio de cortes e de feridas que demoravam cicatrizar. Havia tanto em mim, naquela nova condição de humana, que ainda não compreendia.

A assistente de bordo trouxe o almoço, acompanhado de um cálice de vinho. A cabine era confortável. Estava ambientada ao som de Beethoven e exalava a morango. Tossi e apertei os punhos. Tudo aquilo incomodava-me. Os aromas, a música, a raiva misturavam-se nas minhas veias, realçando o que corria dentro de mim. Só que a corrida era em queda livre. O meu peito tornara-se um poço sem fim. Batia três vezes mais rápido.

– Com licença – murmurou um homem alto que passava pelo corredor, fumando um charuto. Já ia à distancia, mas mesmo assim, as minhas narinas continuaram a captar o tabaco. Quase vomitei. O motor do comboio soava tão alto, que parecia estar dentro do meu estômago. O simples som do cálice assentando na mesinha dobrável, assemelhava-se ao estrondo de uma bomba.

Transpirei. 20 graus neste corpo em transformação, parecia a temperatura de uma sauna. Tudo. Absolutamente tudo estava amplificado dentro de mim. Os sons, os cheiros, a energia, os meus medos. Quis fugir deste destino, mas agora estava acorrentada. Até o dia em que finalmente morresse. Talvez sem deixar um legado ou uma herança. Que conceito melancólico era esse, da herança. Viver e construir para um momento em que não existiremos. Que lógica havia nisso? Aliás, a minha vida inteira parecia ter perdido o sentido. Olhar para o almoço pousado à minha frente, deixava-me deprimida. Comer já não era uma opção. Era um ultimato.

Em suma, eu havia trocado a possibilidade de voltar para as galáxias, por um assento de comboio. Uma vida plena, por um estômago constantemente faminto. Seria capaz de conviver com isso?

Uma mão pousou no ombro. Virei-me para o lado esquerdo e dei de caras com uma mão estendida para mim, segurando um copo de água. Os músculos do rosto do jovem estavam contritos. Ele continuou calado, oferecendo-me o copo.

– Desculpe – consegui murmurar depois de engolir um gole de água. – tive um momento, mas já passou – tentei justificar-me, limpando as ousadas lágrimas que haviam vencido. É isto que acontece com os humanos quando confrontados com as suas limitações. Esta triste manifestação que arrebata como um inevitável ciclone. É isto… que é ser humano.

– Seja o que for, moça – balbuciou o jovem com cautela – vais ficar bem. No fim, vais ficar bem.

Observei-o. Os olhos cheios de luz, que rondavam-me preocupados a tentar dizer “estou aqui para qualquer coisa”, e o sorriso desajeitado, lembraram-me Will. A lembrança foi como um leve alvorecer. Uma esperança que brotava do vácuo e começava a alçar o meu peito à vida.

Will, Érica. A minha família. Sinónimo de amor. O derradeiro privilégio de se ser humano.

– Também acredito que vai ficar tudo bem, obrigada.

E agarrei-me ao pensamento. À minha família. Aos meus amigos. Eles esperavam por mim, tanto quanto eu por eles. Eles é que tornariam a minha jornada como humana mais leve. É assim que os humanos aguentam a sua condição. Com amizade e com amor.

Will e Érica não suspeitavam que era hoje, dois anos depois, que voltaríamos a estar juntos. Quando eu chegasse em casa, a luz a escuridão, os beijos e as lágrimas seriam um só. Morreríamos de amor, para tornar a viver. Este pensamento manteve-me acordada durante a viagem inteira. E foi ele o motor para o meu corpo fraco, correr sem cansar-se. Não dava para esperar.

Quando cheguei ao pé da varanda, senti-me estupidamente viva. O meu rosto, os meus lábios, devagarinho abriram-se num longo esgar. Acho que estava a sorrir. Era a primeira vez que o fazia desde que havia perdido os meus poderes.

Pelas cortinas, vi-os na sala. E o peito vibrou com estertor.

Will colocava um bule na mesa, onde Érica concentrava-se a volta de cadernos. Como a minha filha tinha crescido!

Mas o meu sorriso, depressa marmorizou-se, nos lábios subitamente frios. Uma mulher apareceu na sala e meteu os braços a volta de Will. Parecia ser a minha amiga Fatinha. Will voltou-se de costas, e ela, tão depressa, beijou-o nos lábios.

Nesse instante, Will levantou os olhos e viu-me pela janela. O copo que segurava tombou e estilhaçou-se.

O meu primeiro instinto foi desaparecer, como tantas vezes fiz quando era qawwi. Mas permaneci ali. Não conseguia teletransportar-me, tão pouco impedir aquela dor, aquela perplexidade, de dominarem o meu corpo. Era tudo o que restava-me. A amarga admiração, e o corpo forasteiro, coberto de pânico, atarracado ao pé daquela janela, de olhos muito abertos, sem poder mexer-se. Deparava-me com a minha nova realidade. Infinitamente humana.

Opiniões, Telenovelas

Novelão: 5 tramas inspiradas em clássicos da literatura

No que se refere a teledramaturgia brasileira, já foi referido que as telenovelas ocupam um lugar de destaque no quotidiano das pessoas, não só no Brasil, como em várias partes do mundo. O que é pouco destacado, entretanto, é o facto de algumas destas histórias ricas de temáticas sociais, paixão e aventuras, buscarem inspiração na literatura. Na resenha de hoje, vamos conferir 5 telenovelas da TV Globo que foram inspiradas ou baseadas em livros.

Vamos a isso?

5. A Padroeira (2002)

padroeira-deborah-secco-1016-1400x800

DEDESECCO/INSTAGRAM

Escrita por Walcyr Carrasco, esta novela é uma adaptação do romance As Minas de Prata, de José de Alencar. A Padroeira conta a história do amor impossível entre Valentim Coimbra e Cecília de Sá, na vila de Santo António de Guarantinguetá, no ano de 1717. Outras referências utilizadas foram Romeu e Julieta de William Shakespeare e A Dama de Monsoreau, de Alexandre Dumas.

4. O outro lado do paraíso (2017)

o-outro-lado-do-paraiso-logo2

Escrita por Walcyr Carrasco e actualmente em exibição na STV (Moçambique), tem a trama principal livremente inspirada na obra O Conde de Monte Cristo, de Alexandre Dumas.

3. Sinha Moça (2006)

rodolfo-e-sinha-moça

Foto: Divulgação/João Miguel Júnior/TV Globo

Escravidão, política e liberdade eram os temas centrais nesta novela de Benedito Ruy Barbosa, que foi baseada no livro do mesmo nome, de Maria Dezonne Pacheco Fernandes.

2. Tieta (1989)

betty-faria-e-joana-fomm-na-novela-_tieta_-da-rede-globo.jpg

Esta novela foi uma livre adaptação do livro Tieta do Agreste, de Jorge Amado. A actriz Betty Faria contou que os direitos da obra foram comprados com o intuito de realizar-se uma produção independente (in memórias da Globo). Segundo a actriz, foi ela quem negociou a compra dos direitos directamente com Jorge Amado.

  1. Porto dos Milagres

porto1-550x298

De Aguinaldo da Silva e Ricardo Linhares, Porto dos Milagres é uma adaptação dos livros Mar mortoA descoberta da América pelos turcos, ambos de Jorge Amado. A trama foi marcada por romances a meio de conflitos de classes, e destacou a religiosidade do povo da Bahia, no Brasil.

 

Na sua opinião, qual novela teve melhor adaptação?