Resenhas

Lançamentos e Novidades (Novembro e Dezembro) – Literatura Moçambicana

Os meses que encerram o ano de 2019 estão a ser repletos de lançamentos para a literatura moçambicana. Vamos conferir algumas destas maravilhosas novidades?

  1. Os Funerais de Mubengane, de Aldino Muianga – lançado no dia de 22 de Novembro de 2019

capa aldino

Imagem: olamocambique

É a segunda obra do autor publicada pela editora Cavalo do Mar, na colecção pelagem negra.

2. Mulheres Resilientes, de Karina Jamal – lançado no dia 29 Novembro de 2019

É a terceira obra da autora, lançada pela Real Design Editora. Pode ser adquirida via Instagram da autora @Karinajamal_koko

3. O universo num Grau de Areia, de Mia Couto – Lançado no dia 5 Dezembro

Imagem: FFLC

Em Moçambique o livro foi lançado pela Fundação Fernando Leite Couto no dia 5 de Dezembro. Trata-se de uma reflexão sobre os grandes problemas do mundo de hoje. A colectânea reúne discursos e artigos proferidos pelo autor e publicados nos mais diversos lugares.

Onde comprar: FFLC; Leyaonline; Wook

4. O comboio que andava de chinelos, de Pedro Pereira Lopes – lançado no dia 7 de Dezembro de 2019

21A_OCOMBIOQUEANDAVADECHINELOS.jpg

Imagem: SLIJ

Em reapresentação, o livro infato juvenil foi lançado na Miverva/Continental, no passado 7 de Dezembro e está disponível nas livrarias. “Os poemas para a infância do Pedro são carregados da necessária e fundamental magia que todo o poema deve conter, para um destino de encantatórias imaginações de quem lê, escuta e torna suas as emoções que a plasticidade musical e seus ritmos, as metáforas e as imagens lhe sugerem” (SLIJ). Óptimo presente para a pequena neste natal.

5. Campo de Areia, de Léo Cote – a ser lançado no dia 10 de Dezembro de 2019

O novo livro do poeta Léo Cote será lançado pela Fundação Fernando Leite Couto às 18:00 do dia 10 de Dezembro de 2019. Aproveite para oferecer neste natal, poesia aos amantes do género!

CAMPO-DE-AREIA-LEO-COTE_imagelarge.png

Imagem: FFLC

Onde comprar: FFLC

6. O terrorista elegante e outros contos, de Mia Couto e José Eduardo Agualusa – a ser lançado no dia 11 de Dezembro de 2019

O-TERRORISTA-ELEGANTE-e-outros-contos_imagelarge

Imagem: FFLC

O livro nasce da amizade da dupla e reúne três contos baseados em peças de teatro escritas em conjunto. Em Moçambique, será lançado ao público no dia 11 de Dezembro, às 18:00, pela Fundação Fernando Leite Couto.

Onde comprar: FFLC

7. A Amarrada Chuva de Kamutxukheti, de Teodoro A. Watty – a ser lançado no dia 12 de Dezembro de 2019

Livro de literatura infantil a ser lançado no dia 12 de Dezembro, na Minerva / Continental. Óptima sugestão de leitura para a pequenada!

Desabafo de uma qawwi

#32|O equilíbrio quebradiço da vida

Sinto um gosto horrível na boca. Perdura no meu paladar desde ontem, o dia em que que soube estar a gerar-se dentro de mim uma vida nova. O sabor amargo ampliou esta manhã. Saía eu da casa de uma aluna, quando vi um menino. Devia ter treze, catorze anos, no máximo. Atirado nas escadas escuras do prédio, isolado, tentava esconder as lágrimas. Os seus olhinhos estreitos mexiam-se acanhados ao ritmo do medo. À medida que os seus ombros agitavam-se sobre o seu corpo em soluços, penetrava este azedume na minha boca. Qualquer um podia ouvir os gritos horripilantes da flat do rés do chão. Os pais do menino agrediam-se verbalmente. E qual força maior para agredir um coração, senão aquela? O menino não tinha uma casa. Tinha um inferno. Como podem, dois seres humanos, trazer uma criança ao mundo para a torturarem daquela forma?

Aquilo tudo forçou-me a voltar a questionar o significado de ser mãe, de ser pai. Talvez pela minha origem distante, pela minha inegável condição de aliegena, eu jamais compreenda, e por consequência, nunca me sentirei preparada para acolher esta semente que brotou em mim. Não neste mundo em particular. E quando nascer, o que vai ser ele? ou ela? Um humano? Um qawwi? Uma criatura híbrida e perdida? A ideia causa-me uma incontrolável pontada no peito. Seja qual for a sua natureza, esta criança já é um pedaço de mim, pedaço que deverei entregar às garras deste planeta tão maltrado, tão dominado de sombras e tão necessitado de ajuda. É justo para a criança? Ou para o próprio planeta? Provavelmente não exista uma resposta clara e julgo que seja pouco óbvio para os próprios humanos. É errado duvidar? Afinal de contas, ser pai acarreta decisões que não se devem impor. Significa abdicar de quaisquer modos egoístas e dedicar toda a energia ao filho, pelo resto dos dias. Significa ficar falido, se preciso for, pela educação dos ditos cujos. Em última análise, significa dar a vida, se for isso que custa. Sou absolutamente livre de o querer… ou não.

Pese embora tenha feito a decisão, o conflito dentro de mim não cessa.

A médica disse-me que devo ter cuidado. Chamou o meu estado de “gravidez de risco”. Pelo que entendi, pode estar em perigo a vida do bebé, ou a minha. Quando é que eu poderia imaginar um fenómeno assim? O corpo degradando-se e sofrendo de tal forma, que enfrenta o risco do apagão? Ode às mulheres humanas, por saberem viver neste equiílibrio quebradiço da vida.

O risco de eu vir a desaparecer deste corpo e desta terra após o nascimento do meu filho, não me assusta. Sei melhor do que ninguém, que a morte é uma das formas de eu voltar ao meu planeta. E o fim do ser humano, é regressar às origens. Aliás, este é um dos pontos cruciais da minha missão.

Porém, de olhos bem vendados, de mente humana que ainda não se abriu para conhecer a sua verdadeira origem, Will não é capaz de compreender quando digo que vai tudo correr bem. Que a morte não é definitiva. Para Will, a ideia do futuro incerto encheu o nosso redor de sombras, de problemas. A dúvida adoeceu-lhe a alma. E quando o espírito adoece assim, vai-se a sanidade da mente. Wil começou a perder o juízo. Pelo menos foi isso que à princípio, pareceu.

Cinema (Filmes / Séries), Resenhas

Cinema | Living with yourself – Série |– Opinião

Living-with-Yourself

Foto: noticiasetecnologia

Premisa

Living with Yourself conta a história de um homem, que após um estranho tratamento num “SPA”, que garante uma vida melhor, acaba por acordar e descobrir que foi substituído por um clone.

Opinião

No que se refere ao quesito humor, ninguém melhor que Paul Rudd e suas imperdíveis expressões, para arrancar algumas gargalhadas. Nesta produção da Netflix, Paul Rudd encarna um papel duplo, com grande habilidade e mestria. Mas, ao contrário do que se possa pensar, não se trata apenas de uma comédia. Living with yourself consegue retratar de forma comovente, um drama bastante provável na vida de qualquer um de nós.

Já alguém desejou experimentar uma mudança drástica, seguir um caminho diferente, ser outra pessoa? Bem, Miles é um homem insatisfeito e farto da rotina que leva. Nesse contexto, é atraído para um “SPA” que promete transformá-lo numa melhor versão de si mesmo, dando-lhe a promessa de uma vida mais feliz. O que Miles desconhece, entretanto, é que o SPA cria clones, matando os originais. Para o bem da série, Miles original sobrevive.

A princípio, o clone acaba sendo útil para Miles original, pois fica com a rotina mais chata (como por exemplo ir ao serviço) enquanto Miles original deixa-se estar em casa, entretido nas coisas que já não tinha tempo para fazer (como por exemplo, escrever o seu romance). Parece promissor, mas as consequências de haver uma única vida, para duas pessoas, são bastante previsíveis e depressa começam a pesar no Miles original (mais uma vez, ilações sobre consequências inesperadas da tecnologia, como em “Black Mirror” são aqui salientadas).

living_with_yourself_still_3_embed

Imagem: Hollywoodreporter

Esta série tem o mesmo conceito apresentado na película brasileira “um homem só”, estrelando Vladimir Brichta, todavia, diferente do tom mais escuro do filme, Living with yourself consegue abordar a crise existencial e de um casamento a afundar, sem entretanto tornar-se pesada. A actuação, tanto de Paul Rudd (por sinal brilhante), como de Aisling Bea, é bastante plausível, e o final da primeira temporada deixa as portas abertas para um interessante seguimento. São oito episódios assistiveis numa sentada, com uma narrativa dinâmica que mantém o constante interesse pela perspectiva múltipla dos personagens, e os saltos cronológicos entre o passado e o futuro.

Uma série que vale a pena conferir.

A nossa classificação: 3.5 de 5 estrelas

Desabafo de uma qawwi

#31|Milagre a dois

No planeta dos seres humanos há várias teorias sobre os pesadelos. Esta espécie de delírio que penetra o nosso subconsciente durante o sono, arrancando-nos graves suspiros de medo. Há quem diga que os pesadelos evoluíram para tornar os humanos mais alerta sobre possíveis ameaças. Outros, que este tipo de alucinação não passa de uma reacção a algum estímulo exterior. É um fenómeno, que, enfim, extravasa todas estas tentativas de entendimento. Mas o que descobri, recentemente, parece incontestável: de alguma forma, os pesadelos preparam-nos para o futuro.

Naquela noite, Will levantou-se com o coração descompassado, o peito molhado e os dentes apertados de tanto pânico. As estrelas pareciam derreter nos seus olhos aflitos. Amparei-o, tentando acamá-lo.

– Will? Tiveste um pesadelo?

– Acho que sim, não lembro… abraça-me, Linan – pediu depressa, buscando conforto no meu corpo, querendo-me com o desejo de um alcoólatra que procura o seu alento numa garrafa.

Sim, tivera um pesadelo. Mas qual era o alerta que o seu instinto tentava activar?

Beijei-o até o alvorecer. Normalmente o beijo conseguia sarar onde mais doía. E disso era feita a nossa rotina diária, após aquele tempo todo separados. Quando um estivesse em apuros e não pudesse chegar lá, o outro carregava. Nem que fosse nas costas mancas e nuas. Compreensão, e sobretudo, cumplicidade. Era o que precisávamos. E éramos felizes, mesmo quando surgissem pedras. Só que um dia tropeçamos. Afinal, o que era certeza, também sabia ser angústia, construindo por fim o início da queda.

– Deve ser uma comida que não caiu bem, ou estás doente outra vez – constatou Will preocupado, ao ver-me vomitar já pela segunda vez naquela semana. Não quis ao ir médico. O meu gigante apetite andava ampliado, por isso julguei que fosse apenas uma indigestão. Mas as náuseas repetiram-se. Quando veio o torpor, a sensação do estômago queimado e por fim o sangue escuro vertendo de dentro de mim, aceitei ir ao hospital.

Alguns exames terráqueos depois, tive o diagnóstico. Nunca, em hipótese alguma, havíamos previsto a notícia:

– A senhorita está grávida. E vai precisar de alguns cuidados… – avançou a doutora, sem pudores.

É assim meus amigos, sabem que muitas vezes perdi-me, durante esta aprendizagem, de ser humana. Nunca como naquele instante. Deixei de ouvir a médica. Apertei a mão de Will, como se o gesto fosse tapar o abismo que se abria entre nós, deixando espreitar segredos e temores que se empilhavam à superfície, ameaçando rebentar as amarras que uniam a nossa confiança.

– Tem a certeza, doutora? – a voz de Will estava por um fio.

– Sem sombra de dúvidas. Já conta com dois meses.

A elucidação da médica arrepiou-me. Não havia preparo para aquilo. Eu não queria ser mãe, nem pensar. Não num mundo que tenho por certo estar à beira do fim.

Por outro lado, percebi que a alma de Will havia ficado engasgada. Como se, de repente, um cavalo se atrelasse às suas costas. Não sabia se era um milagre ou uma maldição. Se se permitia vibrar ou se procurava perdão para o assassino dentro de si, sequioso de cortar-me em duas. De dividir-me em qawwi e em humana. Pois quem sabe assim, encontrasse alguma explicação plausível para o que acabava de ouvir.

– Linan – voltou a falar quando já estávamos em casa. Custava-lhe. Como se um frio severo, desses que seca o sangue, congelasse os seus lábios – Sabes que… eu não posso ter filhos, é impossível. Será que – outra sustenida pausa – será que – e mais outra – é por seres qawwi, é pelo teu corpo, os teus poderes… é isso?

A resposta que borbulhava na minha boca preocupava-me até aos fios do cabelo.

– O meu corpo tornou-se humano. Sou uma pessoal normal como tu, Will, não tenho poderes nenhuns. Nem sei o que pensar.

O pulsar da notícia, a ausência de uma resposta, ganhou força nos contornos do rosto de Will. A pergunta continuou gritando, em silêncio. Poderia ser o derradeiro milagre? Ou a dúvida ia começar a penetrar por caminhos que julgávamos outrora veemente fechados?

Livros, Resenhas

Literatura| O regresso do descontente, de Teresa Taímo|Opinião

6f0b1703-abdc-4e9a-aacd-14251cf5dfff

Sinopse

“O regresso do descontente é uma obra de caris multicultural, que tem como pano de fundo a área militar, e retrata a vida de dois jovens de regiões, culturas e posições sociais diversas de Moçambique. Eles veem-se na contingência de partilhar hábitos, costumes e crenças de ambos, influenciando-se entre si e conciliando o seu modo de vida no ambiente em que se inserem. Nesta convivência, encontra-se, por um lado, Pedro Costa, filho de Ministro, jovem mimado e abastado, que nasceu e cresceu na cidade capital e nunca teve contacto directo com a cultura dos seus ancestrais. Por outro, Murimane Mavile, descendente de camponeses, de origem bastante humilde, cujo o passado se resumiu ao trabalho em prol dos seus ascendentes. Conhecedor da tradição do seu povo como ninguém, acumulou experiências que o tornam ancião em corpo jovem. Os dois jovens destacam-se como protagonistas desta estória que cruza classes sociais e revela claramente as consequências que podem adir da estabilidade financeira ou da sua carência nesta faixa etária. As tradições conjugadas, os tabus e mitos da vida militar que o tempo não conseguiu apagar, fazem entre as linhas sagradas deste romance que em muito nos irá identificar”

Opinião

Trata-se do livro de estreia de Teresa Taímo e saí pela chancela da Editora TPC. A narrativa que nos é aqui proposta, é conduzida de forma bastante segura e prende de imediato a atenção do leitor. A autora cria um universo onde explora de forma bastante vívida o ambiente da vida militar, os laços que se podem formar neste contexto. Em forma quase que de ironia, o livro nos remete à reflexão sobre como as nossas escolhas e respectivas consequências podem marcar irreversivelmente as nossas vidas. O realismo e a fantasia também cruzam-se nesta novela, da qual ilustramos a seguinte passagem:

Ao som dos tambores da comunidade e aos gritos dos soldados do quartel que comemoravam a chegada dos mancebos. Iniciava o ritual, segundo o qual, em fila indiana, os mancebos caminhavam sobre a ponte, enquanto os crocodilos circulavam atentos e ávidos para retirarem da ponte todos impuros. Nos dias da realização deste ritual, o dia virava noite, ventos fortes acompanhados por chuvas e relâmpagos inquietos à mistura com a batida de tambores, e canções dos curandeiros, faziam o terror dos mancebos, que enquanto caminhavam sobre a ponte colocada no rio, os crocodilos tiravam quantos quisessem a título de inaptidão.

Tanto quanto dramática, quanto bem humorada, o livro traz diálogos e personagens memoráveis. A determinada altura, a história de amizade de Pedro Costa e Mavile, foco principal, parece passar para um segundo plano. Isto acontece porque a cena inteira é roubada pelo diabólico “fantasma”, a verdadeira estrela, que une os pontos e os dois universos explorados na novela.

A escolha da capa é adequada, pese embora pudesse ter sido um pouco mais trabalhada a nível gráfico. A diagramação é igualmente satisfatória.

A Autora de “o regresso do descontente” é extremamente talentosa, e veio enriquecer as vozes da literatura moçambicana. Recomendamos a leitura.

Sobre a Autora:

Teresa José Taímo nasceu no Distrito de Chibuto, na Província de Gaza aos 21 de Fevereiro de 1992. Durante a sua infância foi presidente do Parlamento infantil a nível da Província de Gaza e membro da comissão permanente no parlamento nacional. Pertenceu à vários grupos e movimentos artísticos culturais e sociais e é licenciada em Gestão e Estudos Culturais. Teresa é actualmente membro da FADM, sócia fundadora da “Iniciativa Teresa Taímo e amigos”, activista social e pesquisadora cultural. Esta é oficialmente a sua primeira viagem literária.

A nossa pontuação: 4 de 5 estrelas

Desabafo de uma qawwi

#2# O Hotel

 

ornate_hotel_lobby_picture_3_167660.jpg

Estou sentada à beira da passagem. Observo. Tento compreender. Outrossim, não tenho para onde ir. Esta cidade é repleta de luzes artificiais. Painéis desnecessários. Reclames e sinais hediondos. Obsoletos por todos os cantos. Sistematizada e paralelamente desorganizada. Existem, por exemplo, casas ordenadas por categorias. Umas onde apenas se come. Outras, dedicadas exclusivamente à poluição sonora.

O edifício diante de mim, entretanto, enche-me de fascinação. Chama-se “Hotel”.

Segundo pude entender, a casa hotel oferece guarida a quem não tem onde dormir. Criaturas azaradas como eu, que se aventuraram pelo universo sem o mínimo de preparo.

Estou neste banco há pelo menos dois dias. Já começo a sentir frio. Nós qawwis geralmente não temos necessidade de dormir. Mas a viagem de Stefanotis até ao planeta terra, consumiu tanta energia, que neste momento não me vejo a fazer outra coisa se não repousar um bocado, num lugar quente e coberto. Isso ajudaria a preparar-me melhor para a minha missão.

Posto isto, o hotel é de facto uma invenção genial. Não faria muito sentido no meu planeta, onde dormimos somente por diversão, em lugares bem diferentes dos que aqui se configuram.

Tento entrar no hotel, mas acabo enxotada. Dizem que não recebem mendigos (ainda estou a tentar perceber o que isso significa). Que sem dinheiro, não posso ter lá guarida.

Dinheiro…

Volto para o banco. O meu estômago dói horrores. A ponto de deixar-me impossibilitada de utilizar os meus poderes de travessia. Naquela manhã havia comido algumas rosas e cravos, mas estou novamente com fome. Mais a mais, as comidas espalhadas pelas ruas, não só tem um aspecto intragável, como não estão disponíveis. Não são oferta da natureza. Se no meu planeta basta-me “accionar” para poder comer o que bem quiser, nesta terra tenho de “pagar”.

Está visto. Este planeta gira em torno do famoso dinheiro. Se ao menos eu soubesse como ele é, ou onde ir buscá-lo…

– Senhor! – levanto-me às pressas para abordar o homem que atravessa a rua.

Ele olha-me com desconfiança.

– Senhor… – murmuro com alguma cautela – procuro a fonte do dinheiro. Pode dizer-me qual é a mais próxima?

A desconfiança dele dá lugar a um sorriso incompreensível.

– E quem é que não procura, meu amor? Mas para começar, você podia sair das ruas e ir trabalhar, não é verdade? É linda e jovem demais para perder-se nestas coisas.

– Quais coisas?

O homem não me ouve. Embrenha-se na rua e prossegue a caminhada.

– Estás com graves problemas moça – murmura uma humana que acaba de aproximar-se. Conheço-a. Tem estado sentada numa tenda de metal e papelão, exibindo pelo chão objectos que eu nunca vi na vida. Desenrola a ponta do tecido na cintura que lhe cobre até os pés, e do tecido retira um pedaço de papel.

– Consegui vender umas bijus hoje. Toma. Compra pão e vai para casa. Não fiques na rua.

Recebo o papel, viro-o de cima para baixo. Repito o movimento.

– O que é isto?

– Dinheiro que sobra para apanhares chapa.

– Dinheiro é isto?? – Imaginei todas as possibilidades, menos aquela – Quanto deste papel é necessário para eu poder dormir ali? – aponto para o vasto edifício.

– Naquele hotel? Moça… com esses trapos? – ela abana a cabeça como se combalida – bem bem, terias de multiplicar essa nota por pelo menos mais cem.

– Multiplicar? – permaneço na dúvida – É só isso?

Massinguita, juro! Dinheiro não cai do céu, mãe, vai para casa!

Estas jovens pa! Tão bonitas e tão drogadas” – pensa a humana voltando à sua tenda. Como qawwi, tenho a habilidade de ler o pensamento dos humanos. Entretanto, o conselho da senhora parece fácil de executar. “Multiplicar”.

Aperto o dinheiro na mão, procuro um lugar isolado, e em pouco tempo reproduzo uns tantos papéis. Volto a observar o hotel. Decido que é melhor estar vestida como os humanos que estão a aventurar-se a lá entrar. Apresso-me a uma casa de vestuário. Há várias naquela rua.

– Quantos papéis você quer para deixar-me levar esta roupa? – pergunto atirando no balcão várias notas, apontando para a primeira peça que vi na vitrine. A humana do outro lado do balcão lança-me um olhar fixo e demorado.

– O conjunto custa sete mil.

Depois de me estrear no mundo da “compra”, troco de roupa e tento novamente entrar no hotel. Para o meu espanto, não sou escorraçada. Parece magia. Os humanos recebem-me com simpatia.

É assim, nestas circunstâncias, que descubro o significado do termo “pessoa”. Vem de persona. Ou seja, máscara. O humano veste várias personas e se molda às circunstâncias. O humano dissimula a sua real natureza. E o faz muito bem. Enquanto eu estava vestida de origami rasgado, sem dinheiro, recebia maus tratos e era indigna de entrar no hotel. Depois de ter colocado uma máscara, uma nova roupa, e ter mostrado uma realidade que não é minha, fui aceite. Louvor à ilusão. Para mim, é um grande absurdo!

No quarto do hotel, consigo finalmente repousar e organizar as ideias.

Dissimular. Disfarçar. Arranjar uma persona. É com isso que sonho durante o descanso.

Ao acordar, já tenha traçado um plano perfeito. Precisava tornar-me um deles. Misturar-me no meio dos humanos. Caso o contrário, colocaria em risco a minha missão. Todavia, arranjar um disfarce humano, ainda que temporário, tinha os seus prós e contras. A vantagem seria passar despercebida, protegendo a minha identidade. O problema, entretanto, é que não teria controle sobre esse processo. A troca de corpos é altamente contingente. Leva-nos a lugares desconhecidos. Sem mencionar o facto de que, enquanto eu estivesse num corpo alheio, o corpo original ficaria momentaneamente suspenso, noutra dimensão.

– Que seja – digo comigo mesma.

Respiro fundo. Pela minha missão, tudo vale a pena.

Fecho os olhos.

Estrelas cobrem-me como um manto de penas. Elas transportam-me para um corpo humano. Amanhã, estarei noutro destino, a experimentar a vida de um humano, algures no planeta terra. Que a sorte me acompanhasse.

Lançamentos!, Livros

Lançamentos e Novidades # Editora Trinta Zero Nove

Olá amigos planetários,

Foram lançadas ontem, 30 de Setembro (dia internacional da tradução), pela Editora Trinta Zero Nove, três obras traduzidas de diversas línguas para português: Eu não tenho medo, romance de Niccoló Ammaniti (Itália); No oco do mundo, colecção de contos traduzidos no Concurso de Tradução Literária 2015 – 2018; e A perseverança, poesia de Raymond Antrobus (Reino Unido).

A Editora Trinta Zero Nove é a primeira Editora vocacionada para publicação de tradução literária em Moçambique e foi vencedora do 2º Prémio da Incubadora CREATEC (Indústria Criativa e Negócios Digitais) em 2019.

Apelando a leitura global e inclusiva, as obras são acompanhadas por audio books em CD. Mas os livros não são apenas abrangentes. Eles presentam-se num acabamento refinado e elegante, a um preço acessível.

A cerimónia aconteceu na sede do BCI, em Maputo, com diversos momentos culturais (incluindo uma peça teatral do grupo Inversos), tendo inclusive sido feita a entrega dos prémios aos vencedores da 5ª edição do concurso de tradução literária.

Confira aqui no site da editora as obras lançadas:

156286451961562864207

Acesse e compre aqui