Resenhas

Oitentanoventa: entrevista com Marcelo Panguana

As conversas da iniciativa OitentaNoventa estão de volta!

Nesta sessão (12 de Maio de 2022), Álvaro Taruma, poeta, senta-se, para, numa conversa informal conversar com Marcelo Panguana, escritor, jornalista, cronista, crítico literário, autor de livros como “Como um louco ao fim da tarde” (2010) ou “Conversas do fim do mundo” (2012). Nesta conversa, Panguana fala sobre o seu medo em escrever poesia, sobre o que o move a acreditar na literatura e o que ainda há por publicar.

Marcelo Panguana nasceu, em Maputo, em 1951. É escritor, jornalista, cronista e crítico literário. Publicou dentre várias obras “As Vozes que Falam de Verdade” (1987), “A Balada dos Deuses” (1991), “O Chão das Coisas” (2004), “Como um louco ao fim da tarde” (2010) e “Conversas do fim do mundo” (2012). Foi agraciado com o Prémio FUNDAC Rui de Noronha com a obra “Como um louco ao fim da tarde”.

Sobre o entrevistador:

Álvaro Fausto Taruma, poeta, nasceu em Maputo. Publicou “Animais do Ocaso (Editora Exclamação, 2021), “Matéria Para Um Grito” (Cavalo do Mar, 2018) e “Para uma Cartografia da Noite” (Literatas, 2014). Com “Matéria Para Um Grito” foi galardoado com o prémio BCI de Literatura 2019. Para António Cabrita, Taruma, que é formado em Sociologia e Antropologia pela Universidade Pedagógica em Maputo, é um dos nomes cimeiros da actual poesia moçambicana.

ACOMPANHE a conversa AQUI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s