Cinema (Filmes / Séries), Resenhas

Cinema| The I-land – o grande desastre da Netflix |Opinião

88d1023bf919ac1b64faae32ceef4d73-754x394.jpg

Fonte Imagem: Nit

Ano: 2019

Premisa

“The I-Land” conta a saga de dez pessoas que acordam numa ilha deserta e perigosa, sem memória de quem são ou de como lá chegaram. Cedo, elas percebem que terão de enfrentar alguns desafios físicos e psicológicos para sobreviverem.

Opinião

Logo nos primeiro minutos da série, é impossível não fazer uma analogia directa com a célebre “Lost”, pese embora nós da tripulação nem sequer tenhamos assistido a esta. Apenas conhecemos o seu conceito. A construção gráfica e a escolha da sonoplastia lembra, de igual forma “3%”, outra produção da Netflix, com o senão de “The I-Land” estar muito abaixo desta . O conceito puxa também um bocado por “black mirror” (mas desprovida do talento desta).

Sem mais delongas, “The I-Land” é pouco original e simplesmente desastrosa. Ela gira entre o enfadonho e o ilógico. Algumas sequências são tão absurdas que acabam arrancando algumas gargalhadas, embora não haja graça nenhuma. Quando um personagem que acorda sem memórias, numa ilha deserta, decide ignorar estas circunstâncias assustadoras e prefere ficar relaxado a apanhar banhos de sol na praia, revelam-se claros indícios de haver um sério problema na caracterização dos personagens. E o que dizer do personagem que vai para o mar, mesmo tendo visto um colega ser morto por um tubarão nesse mesmo mar?

Não é assim de surpreender, que os personagens ao longo da trama não evoluam, não parem de revelar sistematicamente as suas inconsistências, e até mesmo desinteresse em estarem aptos a dinâmica que a narrativa exige. Perante escolhas que podem determinar a vida ou a morte, os personagens fazem decisões simplesmente arbitrárias, sem qualquer raciocínio. As relações e a dinâmica entre os personagens é extremamente artificial, sem nada de orgânico.

É como se aos criadores da série, faltasse total atenção aos detalhes da narrativa, deixando passar estas terríveis falhas.

Ao longo da trama acompanhamos com alguma profundidade a história da protagonista Chase (Natalie Martinez), KC (Kate Bosworth) e Cooper (Ronald Peete), mas os restantes sete, não parecem suficientemente importantes para serem desenvolvidos. Há única coisa que sabemos acerca de todos eles, é que carregam alguma culpa, razão pela qual, encontram-se na ilha. Talvez resida aqui, algum mérito da série, a discussão filosófica que pretende trazer, sobre o que é moralmente condenável, e se o comportamento criminal do homem é inerente à sua natureza, ou às circunstâncias e o ambiente em que se encontra. Debate pertinente, mas cuja relevância acaba por perder-se pela pobre execução, e a narrativa tão mal escrita.

Apesar de ser uma série limitada, com apenas (felizmente) 7 episódios, não se recomenda.

Confira o trailer:

A nossa classificação: 1.5 de 5 estrelas

 

 

Cinema (Filmes / Séries), Resenhas

Cinema | Resgate – um covite à reflexão social |Opinião

 

resgate posterTítulo: Resgate

Direcção: Mickey Fonseca, Pipas Forjaz

Elenco: Gil Esmael, Arlete Bombe, Rachide Abdul, Laquino Fonseca e Tomás Bié

Género: acção; drama

Ano: 2019

Sinopse

 

“Resgate centra-se na história de Bruno, que quer mudar de vida depois de ter passado quatro anos na prisão e conhecer finalmente a filha bebé que partilha com Mia. Tenta encontrar, primeiro sem sucesso, um trabalho como mecânico, a profissão em que se especializou. A tia, irmã da sua recém-falecida mãe, arranja-lhe um emprego numa garagem. Mas este novo plano de vida cai por terra quando, sem aviso, o banco ameaça despejá-lo da casa da mãe se não pagar o empréstimo, por ele desconhecido, que ela contraiu antes de morrer. E é aí que vai ter de voltar ao mundo do crime” In O Público

Opinião

Resgate é um filme independente moçambicano, produzido pela Mahla Filmes. Estreou no dia 18 de Julho em Moçambique e foi este mês (Agosto) exibido nos cinemas de Portugal. Pese embora a estreia tenha sido há pouco, a produção do mesmo iniciou já há alguns anos. Ainda lembramo-nos perfeitamente da campanha de crowdfunding lançada há 3 anos, para apoiar o filme. A mesma despertou a atenção e o interesse dos moçambicanos, perante a ânsia que há por mais produções cinematográficas no país. Por esta e outras razões, nós da tripulação do diário de uma qawwi ficamos muito contentes quando o filme finalmente estreou.

Diferentemente de algumas propostas recentemente apresentadas, Resgate não pretende brincar ou testar a paciência do público alvo. Numa mistura de acção e drama, a película é efectivamente bem conseguida, tanto nos aspectos visuais, como no apelo que faz à reflexão social. Há uma extensa carga dramática durante todo o longa, onde problemas acentuadamente conhecidos na socieade moçambicana, como o desemprego, o aceso à habitação, e a discriminação são explorados.

O filme é de certa forma polémico perturbante. Aborda o mundo do crime e da violência, usando como pano de fundo a triste realidade dos raptos que em determinada altura assolaram o país. A arte gráfica da capa é de louvar. Os diálogos e a narrativa são bons, embora em alguns momentos subestimem o telespectador, criando e desvelando informação que no fim, acaba por tornar-se inútil na construção da trama. Há um trabalho requintado nas cenas de luta, no som, e na trilha sonora. Alguns aspectos técnicos poderiam ser refinados, como os efeitos de “fade out”, os quais poderiam perfeitamente ser dispensados. A interpretação dos actores é soberba. O actor que dá corpo ao protagonista Bruno, usa a linguagem corporal de forma eficiente, capaz de transmitir, muitas vezes calado e só pelo olhar, o espectro de emoções conflituosas que carrega o seu personagem.

maxresdefault-2-1068x601

Gil Esmael em Resgate (Bruno) – imagem: Blog Mbenga

Em conclusão, trata-se de um filme nacional moçambicano bem escrito e dirigido, o qual deveria incentivar o investimento no cinema, servindo como exemplo para outros projectos. Confira o trailer:

A nossa pontuação: 4 em 5 estrelas

Outras maravilhas humanas

Concursos Literários – Língua Portuguesa

5f341d9c57984ec951a7942f5890e79b.jpg

Caros escritores e amantes da escrita,

Sobre as maravilhas humanas, hoje escolhemos falar de alguns concursos literários (língua portuguesa) com inscrições ainda abertas. Concursos deste género são boas plataformas para alavancar a carreira de um escritor, sem falar do enorme prestígio que dos mesmos advém, não é verdade? Além do mais, através de um concurso literário é sempre mais fácil:

  • Finalizar uma obra (nada mais motivador do que o prazo de um concurso para terminarmos aquele projecto, certo?)
  • Melhorar pela crítica construtiva (alguns júris de concursos dão feedback e é sempre bom usar esta crítica para melhorar o nosso trabalho)
  • Tornar-se um melhor escritor (através da prática constante da escrita)

Dito isto, vamos olhar para alguns concursos literários abertos à inscrição?

  1. Prémio Literário UCCLA (5ª edição)

Promotor: Editora A Bela e o Monstro, Movimento 2014, Câmara Municipal de Lisboa.

Modalidade: Prosa de ficção (romance, novela, conto e crónica)

Elegibilidade: pessoas singulares, de qualquer nacionalidade, fluentes na língua portuguesa.

Prémio: o autor vencedor será convidado a participar no Encontro de Escritores de Língua Portuguesa (EELP), promovido pela UCCLA, com oferta de todas as despesas relacionadas com a deslocação e alojamento durante o mencionado Encontro.

Prazo de submissão: até o dia 31 de Janeiro de 2020, por correio electrónico, para o endereço premioliterario@uccla.pt

Prazo de divulgação de resultados (ou entrega de prémio): 5 de Maio de 2020

Consulte o regulamento em:

https://www.uccla.pt/sites/default/files/regulamento_premio_literario_2019_2020.pdf

2. Prémio Eugénio Lisboa 2019 (3ª Edição)

Promotor: Imprensa Nacional – Casa da Moeda

Modalidade: Prosa

Elegibilidade: todos cidadãos moçambicanos (a residir em Moçambique ou no estrangeiro) ou estrangeiros residentes em Moçambique há pelo menos 10 anos.

Prémio: edição da obra e 5.000 Euros

Prazo de submissão: Entre 1 de Agosto e 27 de Setembro de 2019

Prazo de divulgação de resultados (ou entrega de prémio): 30 de Novembro de 2019

Consulte o regulamento em: https://www.incm.pt/portal/arquivo/el/regulamento.pdf

3. Prémio Literário Fundação Fernando Leite Couto – 2019

Promotor: Fundação Fernando Leite Couto

Modalidade: Poesia

Elegibilidade: autores moçambicanos sem obra publicada ou com apenas uma obra publicada no espaço de dois anos até à data de abertura desta edição do Prémio Literário Fernando Leite Couto

Prémio: edição da obra e 150.000 MT

Prazo de submissão : Entre 20 de Maio a 31 de Agosto de 2019

Prazo de divulgação de resultados (ou entrega de prémio): Dezembro de 2019

Consulte o regulamento em:

http://fflc.org.mz/index.php/por/Destaques/2019/Maio/Premio-Literario-Fernando-Leite-Couto

4. Prémio 10 de Novembro – 2019

Promotor: Conselho Municipal da cidade de Maputo e AEMO

Modalidade: Prosa

Elegibilidade: escritores moçambicanos residentes na cidade de Maputo

Prémio: 100.000 MT

Prazo de submissão : Até 20 de Outubro de 2019

Prazo de divulgação de resultados (ou entrega de prémio): 10 de Novembro de 2019

5. 5ª Edição do Concurso de Tradução Literária (Alusivo ao Dia Internacional da Tradução)

Promotor: Editora Trinta Zero Nove

Modalidade: Traduções de obras literárias (romance, conto, poesia)

Prémio: edição da tradução na coletânea “No Oco do Mundo”; certificado e valores monetários

Prazo de submissão : Entre 29 de Julho a 30 de Agosto de 2019

Prazo de divulgação de resultados (entrega de prémio): 30 de Setembro de2019

Consulte o regulamento em: https://www.facebook.com/editoratrintazeronove/?epa=SEARCH_BOX

6. Edição Do Njinguiritane – Prémio Literário De Contos Infantis (1a Edição)

Promotor: AEMO, Fundação Fé e Cooperação (FEC, INGD) e União Europeia

Modalidade: contos infantis inéditos em língua portuguesa

Elegibilidade: autores com idade entre 10 e 17 anos, em singulares ou grupo de até três

Prémio: livros didácticos e de ficção para os vencedores, no valor monetário equivalente a 21.000,00 MTN (Vinte e um mil meticais),

Prazo de submissão: Entre 6 de Agosto e 26 de Setembro de 2019

 

Leia com atenção os regulamentos e muito boa sorte!

Cinema (Filmes / Séries), Resenhas

Cinema | 3 por cento – temporada 3 – Opinião

Opinião

gloria-cynthia-senek-e-micheli-bianca-comparato-em-cena-da-terceira-temporada-de-3-1552576608120_v2_900x506

Imagem via Netflix

Quem acompanhou as temporadas anteriores de 3% por cento, irá facilmente compreender os motivos de muitos considerarem esta série como a versão brasileira de hunger games. De facto, num universo tão distópico quanto o da referida produção americana, 3º por cento apresentou-se forte e estabeleceu um alto padrão de qualidade, capaz de satisfazer tanto o público alvo, como o menos comum

A 3ª temporada mantém os temas do início. Apesar da ligeira desaceleração e da ausência de algumas personagens chaves, há desenvolvimento de novas narrativas, com uma dinâmica fresca, colmatando estas ausências. Nesta nova fase, Michelle (Bianca Comparato), criou a concha, um sistema alternativo ao do Mar Alto e ao do Continente. O sistema tinha tudo para dar certo, até começar a descarrilar, por causa da natureza humana.

A discussão sobre valores morais, a miséria e a divisão de mundos continua premente. Porém, nesta temporada, onde os personagens são assaz voláteis, somos capazes de ver, de forma interessante, até que ponto a fome é capaz de transformar as personalidades, aflorando o nosso lado mais negro. Se isto é um ponto positivo, deve admitir-se também que houve algum exagero, pois alguns personagens acabam passando a impressão de ter excessiva ambiguidade. Rafael (Rodolfo Valente) e Marco (Rafael Lozano) cresceram bastante nesta fase. Já Joana (Vaneza Oliveira), continua consistente ao que já nos habituou.

Apesar do acréscimo no orçamento para este ano, julgamos que a nível estético os cenários poderiam estar melhor. Já a música seguiu original.

Esta temporada, por certo, mostra um amadurecimento da produção e abre espaço para a continuação da exploração destes temas que tendem a mostrar-se cada vez mais relevantes no mundo actual.

Confira o trailer:

A nossa classificação: 4 de 5 estrelas

Cinema (Filmes / Séries), Resenhas

Cinema |La casa de papel – temporada 3 -Opinião

Opinião

money-heist-season-3-Raquel-Murillo-1972899

Imagem via Netflix

Finalmente foi lançada (a 19 de Julho) na Netflix, a nova temporada de La casa de Papel (Money Heist) tão aguardada pelos fãs. Esta sequela não entra de forma tão arrebatadora como as predecessoras, mas depressa amadurece nos episódios seguintes, arrancando o fôlego do telespectador.

A nova temporada centra-se na saga desta corajosa e adorada gangue, que tenta  resgatar Rio, cativo pela Polícia. Para tal, embarcam num novo plano de assalto, liderado pelo Professor (Álvaro Morte).

 A nova temporada também abre as portas para novas personagens, que incrementam a dinâmica do grupo. É feito um incrível trabalho com os flashbacks. Aliás, esta técnica, que permite que a história não siga necessariamente uma sequência, foi sempre bem conseguida nesta produção. A boa notícia é que, por esta via, Berlim (Pedro Alonso) está mais vivo do que nunca.

A trama não difere muito da que foi apresentada antes, com a ferrenha batalha entre a polícia e os ladrões no foco, coadjuavada pelo drama que nasce dos relacionamentos entre os personagens.

O assalto e as motivações, fazem desta a mais cínica e audaciosa das séries. Causa impressão a forma como são retratadas as autoridades, para que o roteiro funcione e haja empatia com relação aos anti-heróis (caso para pensar que a nova inspectora, Alicia Sierra (Najwa Nimri), fria e destemida, ainda vai dar o que falar).

Destaque vai para Nairobi (Agatha Jimenez), que ganhou mais força nesta nova fase e continua com uma sólida interpretação. Denver (Jaime Lorente), o mais emotivo de todos, também segue a brilhar. Temas como empoderamento e o género seguem evidentes nesta nova temporada.

Se você gostou das temporadas anteriores, vai apreciar esta continuação, pese embora possa ficar com uma certa sensação de angústia, visto que, muito ao seu estilo, na história desta gangue, tudo pode dar errado. Nada que um bom desfecho não resolva, aquando da 4ª temporada, ainda sem data prevista para o lançamento.

Confira o trailer:

A nossa pontuação: 4 de 5 estrelas.

Telenovelas

Novelão: vampiros, anjos, demónios e outros personagens fantásticos nas telenovelas

o-setimo-guardiao-leon-1-630x420

Sétimo Guardião – Léon (Reprodução/TV

Personagens fantásticos e seres sobrenaturais ambientam o mundo da literatura fantástica. Autores como J.R.R. Tolkien, George Martin e J.K Rowling são algumas referências de excelência na matéria, tanto que muitas das suas obras ganharam adaptações cinematográficas.

No mundo das telenovelas, tal também é notável, através do realismo mágico, que caracteriza, por exemplo, várias novelas de Aguinaldo da Silva. O sétimo guardião, novela deste autor, que acaba de terminar na TV Globo, parece ter envolvido todo um cenário mágico / fantástico, com seres sobrenaturais, como Leon, o gato que assume forma humana (ou vice-versa). Pelas repercussões nas redes sociais, o sétimo guardião talvez não tenha tido das melhor recepções pelo público. Entretanto, há tramas do passado da TV Globo que trouxeram personagens sobrenaturais memoráveis, entre anjos, vampiros, demónios, fantasmas e videntes à mistura.

Na resenha desta semana, reunimos dez personagens que valem a pena ser relembrados quando se trata de misticismo. Vamos conferir?

10. Sete Pecados (2007) – Custódia, o anjo atrapalhado

Beatriz-Custodia-Sete-Pecados

Foto: Leo Lemos, divulgação Globo

Soberba, inveja, ira, preguiça, avareza, gula e luxúria são os sete pecados capitais que definiam a trama de Walcyr Carrasco. Nesta novela, Custódia (Cláudia Jimenez) era o anjo da guarda de Beatriz (Priscila Fantin). Custódia tem uma harpa que tenta tocar nas horas vagas, mas é muito desafinada. Por ordem de Gabriel (Erik Marmo), tem a missão de salvar Beatriz, mas o anjo atrapalhado acaba somente por criar mais confusões.

9. Um anjo caiu do céu (2001) – Rafa, o anjo meninão

rafa.png

João Medeiros (Tarcísio Meira) e Rafael (Caio Blat) em Um Anjo Caiu do Céu (divulgação)

Um Anjo Caiu do Céu, novela de António Calmon, é uma comédia sentimental que conta a história de um famoso fotógrafo (Tarcísio Meira), que durante muito tempo dedicou-se exclusivamente às causas humanitárias. Durante uma exposição em Praga, ele sofre um atentado que deixa-o à beira da morte. A sua vida é salva pelo anjo Rafael (Caio Blat). Nas suas aparições iniciais, Rafael funciona basicamente no humor e, não fosse o ambiente sobrenatural, pareceria simplesmente um jovem muito simpático e normal. (in memórias da Globo).

8. A Indomada (1997) – Emanuel, o anjo sensível

0,,20449591-GDH,00

Nesta telenovela, os autores Aguinaldo da Silva e Ricardo Linhares misturaram o realismo fantástico, a cultura nordestina e os hábitos ingleses para fazer um retrato bem-humorado do Brasil (in memórias Globo). Na história, Emanuel (Selton Mello), filho de Teobaldo (José Mayer) é um rapaz diferente, cândido e inocente. Tem crises repentinas e premonições. A sua natureza é explicada na recta final da novela, quando ele transforma-se em anjo.

7. Fera Ferida (1993) – Camila, o anjo que dorme

fera ferida.jpg

Foto : http://4.bp.blogspot.com/-R

A vingança e a cobiça eram temas de Fera Ferida, trama de Aguinaldo da Silva e Ricardo Linhares. Na história, Camila é um anjo que dorme durante meses e, de repente, acorda a levitar, depois de sentir o cheiro da sua comida favorita.

6. Olho no Olho (1993) – Fred, o paranormal demoníaco

060917-olhonoolho-nicopuig-600x400

Foto: Tv história

Olho no olho, escrita por António Calmon, abordou a paranolmalidade, a corrupção, e a luta entre o bem e o mal. É dito que a trama “pesada”, na altura, afugentou um pouco os telespectadores. Não era para menos, já que Fred, jovem paranormal bastante perverso, era filho do demónio. Este é o tipo de novela que poderia ser vista com outros olhos numa reprise (já agora, porque é que ainda não houve uma reprise?)

5. O fim do mundo (1997) – Joãozinho Dagmar, o profeta do apocalipse

o-fim-do-mundo-paulo-betti

Foto: Globo Extra

A novela criada por Dias Gomes era bastante curta, mas trazia uma interessante provocação: o que faríamos se nos restasse somente um dia antes do fim do mundo? Joãozinho Dagmar, o protagonista, é um vidente e paranormal, que faz várias previsões acertadas. Ele demonstra os seus poderes exalando perfumes, entortando metais à distância, transformando água em cachaça e eliminando alguns problemas da vida das pessoas. É ele quem acaba por trazer as más notícias sobre os dias do fim.

4. Vamp (1991) – Natasha, a vampira estrela do rock

vamp-696x406

Vlad (Ney Latorraca) e Natasha (Claudia Ohana) em Vamp (Divulgação/TV Globo)

De António Calmon, vamp, um grande hit da época, trazia uma comédia sobre vampiros, ambientada por muito suspense e rock. A famosa estrela de rock Natasha (Cláudia Ohana) conquistou sucesso graças a um pacto sombrio feito com o vampiro Vladimir Polanski (Ney Latorraca) que a transformou em vampira. No decorrer da trama, Natasha tenta desfazer o pacto.

3. O beijo do vampiro (2002) – Zeca, o pequeno e amoroso vampiro

kayky-brito

Foto: Gianne Carvalho / Globo

De António Calmon, trata-se de uma novela que veio novamente explorar o mundo dos vampiros. A trama retracta a história de Zeca, um rapaz amoroso e amado pela família, que, entretanto, é filho de um vampiro com mais de 800 anos. Os problemas de Zeca começam quando ele descobre a sua real natureza.

2. Cara e Coroa – Geninho, o fantasma do quadro

Mais uma novela de António Calmon, Cara & Coroa retratou a história de duas mulheres fisicamente idênticas mas com personalidades distintas. Na história, Luis Fernando Camarão dava vida a Geninho, o menino do retrato num quadro, que regressa do passado e dos mortos para conversar e apoiar a pequena Belinha (Luiza Curvo).

1. A viagem (1994) – Alexandre, o fantasma vingativo

aviagem1

De Ivani Ribeiro e com um tema mais intenso e mais dramático do que as novelas anteriormente mencionadas, a viagem abordava a vida após a morte, de acordo com a doutrina espírita kardecista. Retratados desta forma, alguns espíritos davam muito que pensar. Tal era o caso de Alexandre, um espirito mau e vingativo que atormentava praticamente a todos da novela. Bastava a sua aparição de negro, e o seu olhar azul afiado, para gelar até os próprios telespectadores.

Concorda com a nossa lista? Qual outro personagem você colocaria aqui?

Desabafo de uma qawwi

#30|Seria a malária de uma cruz, o amor febril sob um céu azul?

A malária é uma doença infecciosa, transmitida por mosquitos e causada por protozoários transmitidos pela fêmea infectada por plasmódio. O período de incubação da malária varia de acordo com a espécie de plasmódio e qualquer humano pode contrai-la. Os sintomas mais comuns da malária são a febre, calafrios, fadiga, vómitos, náuseas e dores de cabeça. Em casos graves pode causar convulsões, coma ou morte. Entre as principais medidas de prevenção individual da malária estão o uso de mosquiteiros, roupas que protejam pernas e braços, telas em portas e janelas e uso de repelentes. É muito importante, assim que diagnosticado, tratar a doença.

Oxalá eu tivesse sabido toda esta informação há algumas semanas, antes da minha última viagem. Achava que o meu corpo não pudesse sofrer nada além de uma “dorzinha de cabeça”. Mas podia.

Passei a tarde inteira sem apetite. A moleza a roer os ossos é a sensação mais estranha que já tive em toda a minha vida. É oficial: pela primeira vez, estou doente.

– Tens que ir ao hospital – adverte Érica que está a passar uma temporada comigo – meu Deus – assustada, retira a mão da minha testa, como se tivesse levado um esticão – vou ligar para o pai.

– Filha, nem pensar.

A minha cabeça turva-se de pensamentos tumultuosos. Embora esteja perplexa com os acontecimentos no meu corpo, não quero incomodar Will. Mas o estômago desafia-me. E todas as minhas caras ilusões, de ser autossuficiente e aguentar-me só, como uma valsa despojada de orquestra, começam a dissipar-se debaixo dos calafrios que congelam-me a pele. Érica parece estar certa. Talvez seja melhor ir ao hospital. Penso em chamar um táxi, mas quem tomaria conta da menina? Em quem confiar? Incapaz de fazer mais equações, agarro-me ao que resta de lucidez e faço a tão temida chamada.

Estou?

– Will, podes vir à minha casa, por favor?

Capto uma espécie de impaciência na sua voz.

– Agora? – e depressa acrescenta – Passa-se algo com a Érica…?

– Nao, Will, sou eu. Acho que não estou muito bem.

Dou por mim no meio da neve de Russia. Mas depois lembro-me que já não sou do tipo que se teletransporta. Russia é o meu próprio corpo.

– Talvez precise de ir ao hospital. – digo com urgência.

Sinto uma respiração pesada e hesitante do outro lado da linha.

– Certo. Estarei aí em dez minutos. Quinze no máximo. Até já.

A verdade é que não me lembro de como ele chegou. Tenho a vaga ideia de ver Érica abrir uma porta, ter estado numa clínica, e finalmente, debruçada sobre um lavatório todo vomitado.

Abro os olhos no leito da cama. Toalhas húmidas e carteiras de medicamentos quedam-se pela cabeceira. Um sobretudo escuro espreita pelo braço da poltrona e uma voz familiar atravessa a porta fechada.

Lamento imenso. Posso ter outra chance? Sim, eu sei. Acabei perdendo o voo, mas deveu-se a uma emergência. A minha esposa está doente, tive que cancelar a viagem. Sim, sim… claro, engenheiro, é bastante razoável. Agradeço eu pela compreensão. Grato e até breve.

Alguns minutos depois, a porta afasta-se num chiar, revelando a figura de Will. Envergonho-me por sentir-me tão parvamente aliviada.

Ele senta-se à borda da cama, e ao ver o meu hermético trejeito, faz-me um carinho no rosto.

– Malária de uma cruz não é brincadeira, meu anjo. Mas já, já estás melhor.

– Ias viajar Will?

Ele sorri apologeticamente, continuando a carícia.

– Não te preocupes com isso, já remarquei, está tudo tratado.

– Oh Wilson…

Claro que preocupava-me. E desejo escapar desta minha ineficiência. Ressinto-me da ausência de tenacidade da carne humana, consome-me um estrepitoso embaraço.

– Lamento que tenha prejudicado os teus planos Will, não imaginei.

– Não lamentes – ele faz com que a sua mão deslize pelo meu cabelo, com o vagar e a harmonia da água de chuva, que corre simétrica entre os dedos – Tu e a Érica são muito importantes para mim. Vocês são o meu bem mais precioso. Sabes disso.

Querendo retardar a dor súbita, de imaginar-me a estar sem ele, olho-o nos olhos.

– Quanto tempo demora para isto curar, Will?

Ele inclina a cabeça e junta as mãos. O gesto dá-me a entender que tem uma questão mais premente aguardando a luz.

– Pelo que eu saiba, Linan, tu tens o dom da cura – de seguida abana a cabeça, incrédulo – nunca foste de ficar doente. Ou de teres um trabalho como o meu… quer dizer, mundano. De repente pareces tão…

– Humana?

Will aspira a assumpção com os olhos contritos de perplexidade.

– Foi uma escolha minha – asseguro. E agora que o digo alto, percebo que é verdade. Não foi responsabilidade dele, nem de Érica. A concretização do destino exigiu que atravessasse a singularidade das minhas escolhas e aceitasse as consequências. Exclusivamente minhas. É verdade que a transformação tinha sido dolorosa. Foi como abrir feridas por dentro, renunciar à própria sombra, correr para poder alcançar-me, mordida de revolta, de angústia. De tanto correr, vendaram-se os meus olhos. Julguei que ser humana era saber depender apenas de mim própria. E era. Porém, equivoquei-me ao pensar que tal implicava ignorar o amor que ainda sentia por Will. Reprimido na sua infinitude. Um soluço apertado. O tipo de amor que não se afoga nem num buraco negro.

– Lamento, Will.

Sob o lençol, seguro a sua mão. Ele aperta-a com força. O seu coração parece um balão a inflamar. Olho para baixo, para os nossos dedos entrelaçados. Os seus tremem. Acarico-os com o polegar, até que se acalmem.

– Devia ter ficado feliz por teres tentado seguir em frente quando parti, Will.

– Nunca segui, Linan.

– Não, não te atrevas. Não te condenes. Seguir e recriar laços é o que humanos fazem. Amo-te muito. Mesmo que estejamos separados. Não importa onde, nem como. Quero que sigas feliz. Sempre. E…

– E quem disse que eu me separei de ti? – a luz que eu achava ter desaparecido dos olhos de Will resplandece no momento em que a sua boca assalta a minha, num beijo quase violento de avidez, com um tipo de febre que suplanta o calor do meu corpo. Eram toneladas de desejo acumulado que ferviam no sangue. – Não me separei de ti – reafirma sem fôlego – e nunca o farei – continua selando o derradeiro facto nos meus lábios.

– Mas… – gaguejo afastando-me por um segundo – e os papéis…?

– Dei-te o espaço que pediste. O divórcio que querias. E odiei nós dois por isso. Mas depois acabei por compreender o que sempre tentaste dizer-me. O amor é livre. Não é um papel que vai ditar as suas condições. Devia ter respeitado isso. É um direito natural ser amado, não é?

Os meus pulmões ardem quando solto o ar para fazer um pedido, que não mais podia hesitar:

– Engenheiro Wilson, beije-me de novo.

Tomo a liberdade de moldar-me ao seu corpo, como o mel que adere às paredes de um forno quente.

– Pára, mulher – ele segura-me os pulsos tentando travar-me – estás doente.

Puxo-o de novo, tonta com os meus próprios movimentos. Onde estaria a cura senão no amor? Rendido, ele entrega-se, incapaz de abrandar, percorrendo o meu corpo com uma sede tão insaciável quanto a minha.

– Valha-me Deus, Linan! – aflito, recobra a razão que o força a impor uma pausa – há que termos juízo. Precisas de descansar.

Aceito a mistura de prazer, dor e fadiga como um sinal de que se calhar ele tem razão. Então, encosto a cabeça no seu colo e deixo-me ficar quieta, apreciando o céu azul e o luar que penetra pelas janelas. Pelas leis escritas, nenhum dos dois estava obrigado a ficar. Podiamos sair da vida um do outro a qualquer altura. Mas ambos queríamos ficar. E se calhar íriamos continuar a querer. Pelo menos naquela noite. Talvez também na manhã seguinte. Se possível, na semana posterior. E quem sabe, a vida inteira.