Cantinho da Qawwi

Um verso de (one verse by) Álvaro Taruma

Há ainda sobre a luz

Palavras que não dizem

Feixes obscuros

Centelhas adormecidas

Mas luz,

Ao contrário,

O osso de que se veste o corpo

E sobe de entre os dedos

Ao encontro do papel claro

Onde a noite gravita

A noite grave

A noite grávida de silêncios e sombras

E mais nada

Luz em reflexo in-vertido

There is still over the light

Unspoken words

Unclear beams

Sleeping flickers

But light,

On the contrary,

The bone of which dresses the body

And rises from between the fingers

To meet the bright paper

Where the night gravitates

The grave night

The night gravid with silences and shadows

And nothing else

Reflection in light in-

Verted.

Poema de Álvaro Taruma – in Para uma Cartografia da Noite

                                                                Livro publicado pela Literatas, 2016

Lançamentos!, Outras maravilhas humanas

Chamada para a Antologia “CRÓNICAS DE YASUKE: O Primeiro Samurai Negro”

17 de Junho de 2021

Está aberto, desde 24 de maio de 2021 e segue até o dia 19 de julho de 2021, o edital para a Antologia “Crónicas De Yasuke: O Primeiro Samurai Negro”. A colectânea é uma iniciativa cultural da Editora KULERA e visa analisar e selecionar textos que farão parte de um livro de contos e crónicas inspirados em Yasuke, o primeiro e único samurai negro de origem moçambicana, a ser lançado em formato físico e digital (e-book) no início do primeiro semestre de 2022.

De acordo com Emílio Cossa, organizador da obra, a ser concretizado, o projecto irá “Dar a conhecer ao público a sua existência e categorizá-lo como um dos primeiros heróis moçambicanos. Irá, igualmente, promover a cultura do gênero literário Ficção Histórica, ou seja, história criada no passado, que incorpora características verdadeiras do período, incluindo personagens ou eventos ficcionais, um género literário com muito potencial mas um muito pouco explorado no corpus literário moçambicano”.

Yasuke era um guerreiro que alcançou o posto de samurai sob o domínio de Oda Nobunaga – um poderoso senhor feudal japonês do século 16 que ficou conhecido como o primeiro dos três unificadores do Japão. De acordo com a Histoire Ecclesiastique Des Isles Et Royaumes Du Japon, escrito por François Solier da Sociedade de Jesus em 1627, Yasuke era um muçulmano nascido em Moçambique.

A nível global, Yasuke já foi pretexto para livros, filmes, videojogos, revistas de banda desenhada e outras manifestações artísticas. Destas, amais recente e provavelmente a mais mediatizada, é a série de animação “Yasuke”, lancada pela Netflix em Maio de 2021. Nesta, o lendário guerreiro é retratado como um barqueiro responsável por proteger uma menina com poderes especiais.

Moçambique, ainda que de forma tímida, não ficou alheio a estas acções. Com efeito, Yasuke serviu como inspiração criativa no lançamento da 5ª Geração da Mitsubishi L200, sendo referenciado como “Samurai Africano”, tendo sido lançado em novembro de 2016 um modelo exclusivo com o nome L200 YASUKE em sua homenagem. Nas artes plásticas, Matine João, jovem conceituado artista moçambicano, pintou em aguarela sobre papel gravuras sobre a vida de Yasuke, tendo estas sido doadas ao acervo do Museu de História Natural de Maputo com o apoio do Grupo João Ferreira dos Santos num série de acções que promovem o resgate do Samurai Africano. Na música, em 6 de setembro de 2020, o rapper Jay Arghh, membro do colectivo New Joint, lançou o álbum musical intitulado “Yasuke EP”, composto por oito (8) faixas do género Hip Hop/RnB, visivelmente inspirado em Yasuke, cuja ilustração aprece na capa do trabalho discográfico.

No que à literatura diz respeito, segundo a imprensa moçambicana, Yasuke serviu de inspiração para um livro que estava a ser desenvolvido pelo escritor moçambicano Calane da Silva, falecido em 29 de janeiro de 2021, sem que a referida obra tenha sido lançada.

O regulamentopara a Antologia “CRÓNICAS DE YASUKE: O Primeiro Samurai Negro” encontra-se disponível na Internet e pode ser consultado nas redes sociais e do site da Editora Kulera, em www.editorakulera.com.

Outras maravilhas humanas

Maravilhas humanas | Birth of a New Age, canção de Jeangu Macrooy

Fonte Imagem: Wiwibloggs

Na categoria de maravilhas humanas, trazemos hoje nesta pequena resenha, a cancão “birth of a new age” do cantor Jeangu Macrooy, tema que concorreu recentemente no concurso de música Eurovisão 2021, representando a Holanda. O cantor surinamese Jeangu Macrooy, residente na Holanda, cantou esta música em inglês e na sua língua materna. Veja abaixo, uma parte da letra:

Your rhythm is rebellion / o teu ritmo é rebelião

They spat on your crown and they poisoned your ground / Eles cuspiram na tua coroa e envenenaram o teu solo

They burned your heroes at the stake / Eles queimaram os teus heróis na fogueira

But your voice will echo all their names / Mas a tua voz ecoará todos os seus nomes

They buried your gods, they imprisoned your thoughts / Eles enterraram os teus deuses, eles aprisionaram os teus pensamentos

They tried to drain you of your faith / Eles tentaram drenar a tua fé

But you are the rage that melts the chains / Mas tu és a raiva que derrete as correntes

This ain’t the end, no / Este não é o fim, não

It’s the birth of a new age / É o nascimento de uma nova era

Yu no man broko, broko mi (mi na afu sensi)

Ora, a frase “Yu no man broko mi, mi na afu sensi“ é baseada num antigo dizer surinamese que significa “sou apenas meio cêntimo, mas ninguém pode quebrar-me”. O meio cêntimo era na altura a moeda mais pequena. E este dizer significa: “podes pensar que sou pequeno e inferior, mas não posso ser destruído”.

Este belíssimo tema parece trazer diversos significados. Por um lado é dito que reflecte questões políticas e sociais, em resposta ao movimento “Black Lives Matter”, mas a nosso ver, reflecte também sobre o que aconteceu a muitos povos negros e africanos, e em última análise, de forma geral, inspira o empoderamento do ser humano.

Confira a canção no link abaixo:

Human wonderworks | Birth of a New Age, song by Jeangu Macrooy

In the category of human wonderworks, today we bring in this short review, the song “birth of a new age” by the musician Jeangu Macrooy, a theme that recently competed in the Eurovision music contest, representing the Netherlands. The Surinamese singer Jeangu Macrooy, who lives in the Netherlands, sings this song in English and in his mother language. Below, is an excerpt of the lyrics:

Your rhythm is rebellion

They spat on your crown and they poisoned your ground

They burned your heroes at the stake 

But your voice will echo all their names

They buried your gods, they imprisoned your thoughts

They tried to drain you of your faith

But you are the rage that melts the chains

This ain’t the end, no

It’s the birth of a new age

Yu no man broko, broko mi (mi na afu sensi)

Well, the phrase “Yu no man broko mi, mi na afu sensi” is based on an old Surinamese saying which means “I am only half a cent, but no one can break me”. The half cent was the smallest coin at the time. And this saying means: “you may think that I am small and inferior, but I cannot be destroyed”.

This beautiful song seems to bring several meanings. On one hand, it has been said that same addresses political and social issues, in response to the “Black Lives Matter” movement, but in our view, it also reflects on what happened to many black and African peoples, and, ultimately, in general, it inspires human’s empowerment.

Check out the song on the below link:

Cantinho da Qawwi

Um verso de (one verse by) Nick do Rosário

Fronteira do Silêncio

No teu rosto

teus dedos tristes

fronteira do silêncio

The Silence’s Edge

By your face

your sad fingers

The silence’s edge

Poema de Nick do Rosário – in Gaveta de Cinzas: Solilóquios

                                                                Livro publicado pela Gala Gala Edições, 2021

Livros, Outras maravilhas humanas, Resenhas

Editoras moçambicanas que aceitam analisar livros de novos autores

Literatura

7 de Junho de 2021

Tem um original pronto e não sabe a quem o mostrar, para que o mesmo seja publicado? Esta é uma dúvida que, na verdade, em algum momento, passa por todo escritor, principalmente na fase inicial da carreira. Se você já terminou o seu manuscrito, fez – ou pediu alguém que fizesse – uma revisão (é sempre aconselhável ter o livro revisto antes de submeter à uma editora), e sente confiança para dar o passo seguinte, mas não sabe como fazê-lo, continue a ler esta nota.

Apesar da crise económica, dos desafios relativamente à venda e à distribuição do livro em Moçambique, o mercado editorial segue em evolução. Em abono da verdade, é um mercado que tem crescido globalmente, tamanha é a importância do livro.

Pelo mundo afora, existem as editoras grandes, também chamadas “editoras tradicionais”, que normalmente publicam best sellers internacionais e autores nacionais consagrados. Este tipo de editora financia o custo da produção inteira do livro e até efectua um adiantamento de direitos autorais aos escritores. Algumas destas editoras, estão abertas à recepção de originais não solicitados, mas raramente publicam autores desconhecidos. Para quem está a começar, é uma realidade um pouco desencorajadora, mas esta dinâmica é compreensível, pela própria actividade e risco da editora, que sobrevive da venda de livros.

Entretanto, existem também as editoras médias e pequenas, que quando não arcam com as despesas de toda a produção, publicam os livros em parceria – com recurso ao patrocínio de instituições, ou em parceria com o próprio autor. Nos tempos de hoje, vale ainda lembrar que, com o advento das novas tecnologias, a publicação do livro em formato digital e áudio, facilita a distribuição do livro, tanto para as editoras como para os autores que optam pela auto-publicação (uma matéria para avaliarmos em outra oportunidade).

Note ainda, que tem sido tendência das editoras, tanto as nacionais como internacionais, fazerem chamadas para publicação, quer para a submissão de originais à própria editora, de tempos em tempos, submissão a concursos literários, quer através de contribuição de textos em antologias ou revistas. As chances de autores novos e estabelecidos, poderem mostrar o seu trabalho, é bastante maior nestas circunstâncias, portanto, fique atento!

Em Moçambique, a maioria das editoras já tem os seus catálogos definidos e a sua própria linha editorial. Mas isso não significa que as portas estejam fechadas!

Confira abaixo as editoras que estão disponíveis a analisar manuscritos não solicitados e a ler o que você escreveu. Lembre-se, todavia, que a análise do seu manuscrito é normalmente feita sem compromisso por parte da editora. O prazo de resposta, os termos e condições, caso o manuscrito seja aceite para publicação, entre outros factores, vai variar de caso para caso, e de acordo com os critérios de cada editora, os quais nós desconhecemos.

  1. Fundação Fernando Leite Couto

Esta editora aceita receber originais não solicitados, a qualquer momento. Os originais devem ser enviados para o email ler@fflc.org.mz.

  • Cavalo do Mar

A Cavalo do Mar também aceita receber originais para análise, os quais devem ser enviados a atenção do editor. Neste momento (Junho de 2021), entretanto, a Cavalo do Mar não está a analisar originais. Fique atento para oportunidades que possam surgir brevemente.

  • TPC Editora

A Editora TPC está aberta a avaliar originais, a todo o momento. Os autores podem submeter os seus originais para o email fernando.ssamson@gmail.com. Note ainda, que a TPC Editora, para além de aceitar originais de ficção, os quais ocupam 40% do catálogo editorial, incentiva a produção de ensaios académicos, que ocupam 60% do seu catálogo.

  • Editora Trinta Zero Nove

A Editora Trinta Zero Nove é uma pequena editora independente vocacionada para a publicação de literatura traduzida. Neste momento não aceita originais nem manuscritos não solicitados. Entretanto, esteja atento às páginas da editora nas redes sociais e o website onde anunciarão oportunamente oportunidades de publicação (https://www.editoratrintazeronove.org/faq).

  • Gala Gala Edições

Esta editora está aberta a avaliar originais. Os autores podem submeter os seus manuscritos para galagalalivros@gmail.com. Note que, em caso de aceitação, a editora normalmente publica os livros em parceria com o autor.

  • Editora Kulera

A Editora Kulera, neste momento, publica apenas em parceria com o autor, ou seja o autor terá de custear a produção do livro. Entretanto, a editora mostra-se disponível a dar uma opinião, sem compromisso, para que o autor saiba se está no caminho certo. Nesses casos, e por causa da demanda, a editora solicitará algum tempo, antes de efectuar a análise e dar o seu parecer. Para o efeito, o texto deve ser submetido no email editorakulera@gmail.com.

Boa sorte!

Source Image: <a href="http://<a href="https://www.freepik.com/photos/people">People photo created by wayhomestudio – http://www.freepik.comFreepik

Resenhas

Cinema| Fala sério, Mãe | Opinião

Título: Fala Sério, Mãe

Direcção: Pedro Vasconcelos

Género: drama; comédia; família

Ano: 2017

Opinião

Fala sério mãe é uma comédia brasileira, de 2017, baseada no livro de mesmo nome da escritora brasileira Thalita Rebouçadas. Ingrid Guimarães e Larissa Manoela elencam os papéis principais, como a família protagonista do filme.

A trama traz a história de uma mãe coruja, que relata a sua experiência, durante o período em que aguarda o nascimento da filha. A mãe nos fala dos diversos cursos que fez sobre a maternidade, do lindo elo que esperava formar com a filha logo que esta nascesse, entre outras expectativas que parecem um arco-íris. A seguir ao nascimento, porém, logo a começar pelas dores do parto e da amamentação, começando a perder as suas horas de sono, esta mãe percebe que a maternidade afinal não é tao colorida como esperava.

01FalaSerioMae

É um filme simples, que retrata a realidade de forma bastante descontraída, engraçada e comovente. Ingrid Guimarães é veterana em comédias e sabe brilhar (pelo menos quando atribuída o material apropriado). É o que acontece nesta comédia, onde a sua interpretação flui com bastante naturalidade.

Larissa Manoela, que interpreta a primogénita, narra a segunda parte do filme, dando a sua visão de filha mais velha daquela mãe coruja. Larissa está com uma actuação igualmente impecável. Neste ambiente e clima de família, o longa acaba por explorar despretensiosamente temas muito importantes no que toca às relações de parentesco. A trilha sonora parece ter sido escolhida a dedo, encaixando como uma luva em cada momento da película.

É um filme que tem como audiência os mais jovens e a família no geral, sobretudo as mães de primeira viagem.

images

Filme de Domingo, com pipoquinha e chocolate quente.

Confira o trailer:

A nossa pontuação:

3.9 de 5 estrelas

Livros, Resenhas

Literatura| The Blessed Girl, de Ângela Makholwa, | Opinião

Autor: Ângela Makholwa

Editora: Pan Macmillan

Idioma: Inglês

Sinopse

Jovem, bonita e ambiciosa, Bontle Tau tem Joanesburgo na palma da mão. Os seus admiradores generosos disputam para pagar o seu Mercedes, o seu apartamento e as suas viagens, postadas no Instagram. É dever da Bontle parecer fabulosa – afinal, as pessoas não sacrificaram as suas vidas na luta pela liberdade, para as mulheres negras usarem as mesmas camisetes baratas que vestiam durante o apartheid.

Bontle percorreu um longo caminho, e não foi fácil. Seu psiquiatra continua a querer falar sobre um passado que ela colocou firmemente para trás. E aquilo que ela não pensa, não pode machucá-la, pode?

Opinião:

No minuto em que ouvimos a autora do livro, Ângela Makholwa, ler uma passagem do mesmo, tratamos logo de anotar o título. Por várias razões que não cabem aqui dizer, mas uma delas bastante óbvia: a trama propunha-se bastante apelativa e actual. E é.

A história narrada pela protagonista (ao que tudo indica, em formato de documentário) é uma espécie de sátira. Nas primeiras páginas, chegamos a ficar indignados com esta “Bontle”, mas reconhecemos, de imediato, que a realidade da jovem é bastante corrente, não só em Joanesburgo, como em Moçambique e em várias partes do mundo. Desde às “sugar babies”, às “marrandzas”. Seja em que contexto for, os leitores irão reconhecer esta mulher, que tudo faz, em troca da “boa vida”. E a autora, muito talentosa, concebeu uma história, que dependendo do ponto de vista do leitor, traz algumas lições de moral, ou simplesmente, reflectem o percurso da vida, de acordo com as escolhas que fazemos.

Ora bem, se já sabemos quem são as sugar babies e temos um certo “preconceito” com relação a elas, Ângela Makholwa nos leva, através desta ficção, a olhar com mais profundidade para as circunstâncias e o meio de onde surgem estas mulheres, que na verdade são como qualquer outra: traçam os seus objectivos e trabalham para isso (do seu jeito, mas trabalham), tem os seus valores, amam a família e tem um passado que pode influenciar quem elas são. Esta pelo menos é a Bontle.

Rica de coloquialismos, a escrita de Ângela é bastante simples e acessível, ao menos tempo de um humor, intensidade e sensibilidade imensos. Poucos autores são capazes disso.

Não foi possível encontrar o livro em formato físico, pelo que, acabamos por consumir a história em formato de áudio. Igualmente prazeroso. Também nos apaixonamos pela capa. Marota, cheia de cores e atraente.

Uma leitura definitivamente recomendável.

A nossa pontuação: 5 de 5 estrelas.

original_400_600

Sobre a autora:

Nascida em Joanesburgo, Makholwa formou-se em jornalismo pela Universidade de Rhodes. Ela foi a primeira escritora negra a escrever ficção criminal na África do Sul (Red Ink). Makholwa seguiu-o dois anos depois com um romance do género chick-lit (the 30th Candle -2009). Seu terceiro romance, Black Widow Society foi publicado em 2013, e o seu último romance, the Blessed Girl, foi lançado em 1 de outubro de 2017.

Livros, Resenhas

Literatura| Na terra dos sonhos, de Agnaldo Bata | Opinião

Autor: Agnaldo Bata

Editora: Alcance Editores

Idioma: Português

Sinopse

Na terra dos sonhos conta a história de Ângela, uma mulher que nasceu numa pequena localidade do distrito de Manjakaze. Ainda nova, Ângela apercebeu-se dos desafios que a sua condição social (Mulher e Órfã) lhe impunham e quando todos pensavam que “sonhar” era o maior insulto que ela podia proferir, contra a moral social que a cercava, Ângela mostra ser forte e com o apoio dos amigos que os espíritos lhe enviam (Gabriel, Sitoe e Edson) dá o máximo de si para vencer cada desafio, sempre movida pela justiça, determinação e a eterna vontade de ver os seus sonhos realizados, o incontornável anseio de chegar à terra dos sonhos.

Opinião:

Justamente quando achávamos que tópicos destes (histórias a volta do êxodo rural, por exemplo) já estavam esgotados, eis que surge um romance com potencial para acrescentar algo mais à discussão. Sobretudo se estivermos a falar de uma história que tem como palco e contexto, o cenário Moçambicano. Mais do que nunca, é importante reflectir sobre os desafios actuais, ter esperança, e sonhar com um futuro melhor. Foi esta a mensagem que nós, como leitores, captamos do livro de Bata.

Através da história de Ângela, e com uma pena visivelmente sensível, o autor mostra-nos a realidade que infelizmente ainda é vivida por grande parte das mulheres moçambicanas, sem acesso à educação, pela sua condição e estatuto de mulher. Ângela, é assim, a grande heroína que nos abraça e nos inspira nesta jornada.

A narrativa socorre-se de uma técnica interessante, um diálogo constante e cruzado, entre os vários narradores que apresentam os seus pontos de vista, desde o médico que cuidou da gravidez da mãe da Ângela, tendo deixado relatos escritos para a rapariga, Ângela, a protagonista e Gabriel, que acaba tornando-se muito próximo de Ângela.

Apreciamos também o facto de o autor ter trazido à discussão questões sociais, como os direitos dos trabalhadores domésticos, o assédio sexual, a desigualdade e o acesso à justiça, e mais ainda, de alguns protagonistas, no final, terem se mostrado extremamente humanos, nas suas virtudes e falhas. Mais fácil, assim, de nos relacionarmos. Ah, e por falar em final, para nós este é o ponto forte do livro. Apesar da certa previsibilidade relativamente ao destino dos protagonistas, o autor trouxe um desfecho inusitado, futurístico, que revela aquilo que é (e se não é, devia ser) o sonho de qualquer moçambicano.

Já a diagramação, é um senão. As folhas largas e a letra pequena tornam a leitura um pouco desconfortável. Nada, porém, que perturbe a experiência e o mergulho na escrita de Agnaldo Bata.

Kudos, por mais oportunidades para todas as “Ângelas”.

A nossa pontuação: 4 de 5 estrelas.

Livros, Resenhas

Literatura| Madalena – o tradicional casamento sem amor| Opinião

Autor: Hosten Yassine Ali

Edição: 2013

Editora: Edições Esgotadas

Idioma: Português

Compre aqui: Edições Esgotadas

Este livro é uma joia na literatura moçambicana e tu uma pérola de autor: dizer mais é querer dizer o que escreveste, com dignidade, frontalidade, com moçambicanidade

Eduardo White in Madalena, o tradicional casamento sem amor

Opinião:

Que tal começarmos pelo título: Madalena, o tradicional casamento sem amor.

Ora, ora, nós do diário de uma qawwi, leitores teimosos que às vezes levam as coisas ao pé da letra, começamos a percorrer as páginas, à espera de… hum. Talvez uma história que abordasse um casamento forçado, numa sociedade tradicional? Ou então, um casamento de alguma forma “tradicional”?

Bom, a trajectória não é assim tão óbvia. Ao chegarmos à história de Lena (Madalena) e Filipe, deparamo-nos com a primeira de muitas surpresas (se calhar reviravoltas) que nos aguardavam nesta trama. Porquanto o relacionamento entre Madalena e Filipe (assumidos então como casal protagonista) não é desprovido de amor. Pelo contrário, os dois se amam bastante. O problema é outro: Filipe é obrigado a lobolar (ou seja, casar com) Madalena, depois de a mesma estar morta.

Narrando um pouco a trama (mil perdões, caros leitores, pelo pequeno spoiler): Madalena, muito nova, engravida de Filipe, e o seu rigoroso pai a expulsa de casa. Sem tecto, ela vai viver com o namorado Filipe, os dois tentam ser felizes, mas essa tentativa é interrompida quando Madalena morre durante o parto. O pai, que deixara de falar com a filha, retorna o contacto com o genro, e avisa-o que, para que reine a paz entre as famílias, Madalena não poderá ser enterrada, sem que antes Filipe respeite a tradição e oficialize a relação. Desta forma, melindrado pela própria tradição, e pelo sentimento forte que sente por Madalena, Filipe concorda em lobolar a rapariga, mesmo estando esta morta. Eis uma passagem do dilema narrado pelo protagonista:

Não sei realmente o que estou a pensar: na verdade, busco uma solução para que satisfaça ou não a família de Lena e lhes dê o casamento de uma filha morta. Custa-me acreditar que me vou casar com um cadáver, alguém que não fala, que não comerá o bolo de casamento, não beberá espumante, não fará discurso de noiva e, pior que tudo, não me aceitará como as mulheres aceitam os maridos

Avante, o livro não retrata apenas algumas tradições que vincam em algumas famílias moçambicanas. Pelas vozes de outras personagens que vão sendo inseridas na narrativa, ficamos a conhecer histórias e realidades, que fazem parte do cotidiano moçambicano, mas por vezes despercebidas ou até mesmo desconhecidas. É a história do próprio Filipe, forçado a casar em tais circunstâncias. Ou por exemplo, a história daquela titia que revelou grandes segredos da sua intimidade durante a cerimónia que antecede o casamento da sobrinha. É a história de um filho que após tornar-se “doutor”, vira as costas à mãe deixando-a na miséria, e tantas outras peripécias que tornam esta leitura uma experiência única.

O livro torna-se confuso em alguns momentos, em que o narrador, na 1ª pessoa, afasta-se de si, e passa a olhar-se como uma entidade não participante. Nada, entretanto, que atrapalhe o nosso mergulho na distinta escrita de Hosten Ali.

Encontramos também neste livro, uma das diagramações mais bonitas e aconchegantes que já vimos, com a silhueta de uma mulher africana (parecida à capa do livro), dividindo cada capítulo.

Posto isto, convidamos o leitor e embarcar nesta leitura e a descobrir o que trata, de facto, este “casamento tradicional.”

Sobre o autor: Hosten Yassine Ali é moçambicano, natural de Maputo. Abraçou a carreira de official da Marinha no ano de 2008, através da formação na Escola Naval Portuguesa. Publicou o romance Madalena e o livro de crónicas Kurhula, crónicas da cidade de Maputo, sob a chancela das Edições Esgotadas. É fundador dos projectos de acção social “Pequenos Gestos Moçambique” e “Universidade e Rua Moçambicana”. É mestre em ciências Militares Navais e especializado em Administração Naval.

A nossa pontuação: 4.5 em 5 estrelas.

Livros, Resenhas

Literatura| London Cape Town Joburg, de Zukiswa Wanner| Opinião

Autora: Zukiswa Wanner

Edição: 2018

Editora: Paivapo

Idioma: Inglês

Sinopse

Em 1994, o mundo está prestes a mudar. A primeira eleição verdadeiramente democrática na história da África do Sul está prestes a unir a nação de Nelson Mandela nas urnas. E em todo o mundo, aqueles que não puderam voltar para casa, aqueles que não quiseram voltar para casa, esperam e assistem. Martin O’Malley não é um dos que espera e assiste. Ele está muito ocupado, a tentar descobrir se Germaine Spencer está grávida e, de repente, o mundo realmente muda para Martin. Com o seu mestrado da London School of Economics, África do Sul no pós-apartheid parece um lugar onde ele, o seu filho e a sua esposa poderão conquistar tudo. Mas poderão?

Opinião:

Zuko Spencer O’Malley está morto. Morto via suicídio. Na tenra idade dos 13.

O meu filho está morto.

Narra Germaine Spencer, mãe de Zuko. Desculpem se parece spoiler. Não é. É apenas como é introduzida a narrativa deste livro, ou seja, a tragédia que marcará o casal protagonista, Germaine Spencer e Martin O’Malley. Ao longo das páginas, regressamos então, cerca de quinze anos, antes da tragédia, para conhecer a história do casal e os eventos que culminaram na tragédia.

Não é tarefa fácil prender a atenção do leitor dentro do que pode considerar-se uma espécie de flashback, mas neste caso, estamos nas mãos incrivelmente capazes e talentosas da autora Zukiswa Wanner, que nos envolve numa trama arrebatadora. É o tipo de livro que vai arrancar gritos de espanto e de risada, a cada virar da página. A história de Germaine Spencer (uma mulher inglesa, inteligente, feminista e artista) e de Martin O’Malley (um homem sul africano, bem-sucedido, carismático e amoroso) é bastante verosímil. Quem nunca apaixonou-se vai querer fazê-lo, e quem já o fez, vai lembrar-se exactamente de como é, ao ler este livro.

Germaine e Martin tem o tipo de relação que certamente todos casais gostariam de ter, mas sendo um casal inter-racial, acabam por enfrentar os dramas e o choque de culturas, com os quais estamos certamente familiarizados. Nesta ambientação, a volta desta belíssima e inevitavelmente imperfeita relação, a autora vai abordando várias facetas das diferentes culturas e tradições, desnudando ao mesmo tempo, com olhos clínicos, a situação da África do Sul, e alguns problemas sistêmicos, num cenário após o apartheid.

Todas as personagens, desde as principais às secundárias (como Priya, Anil, Soraya, Suf, Giani, Liam, Martin Mtshali e as senhoras do Nomakanjani Club) são incríveis e memoráveis. A trama é tão bem amarrada, que damos por nós, a apegarmo-nos pelo adorável Zuko, ainda que saibamos de antemão, que uma tragédia o espera. Uma experiência e tanto!

A diagramação e paginação do livro são boas, assim como a arte da capa. Todavia, sentimos que o título só faz sentido depois que concluímos a leitura, o que pode, de certa forma, desviar a atenção do potencial leitor.

No geral, foi uma das melhores leituras dos últimos tempos e recomendamos vivamente.

Sobre a autora: Zukiswa Wanner é jornalista e romancista sul-africana, nascida na Zâmbia e agora baseada no Quênia. Desde 2006, depois que publicou o seu primeiro livro, os seus romances tem sido seleccionados para vários prêmios, incluindo o South African Literary Awards (SALA) e o Commonwealth Writers ‘Prize. Em 2015, ganhou o Prêmio Literário K Sello Duiker Memorial pelo livro London Cape Town Joburg. Em 2014, Wanner foi nomeada para a lista Africa39, a qual identificou 39 escritores da África Subsaariana com menos de 40 anos de idade, com potencial para redefinir as tendências da literatura africana. Em 2020, ela recebeu a Medalha Goethe, ao lado de Ian McEwan e Elvira Espejo Ayca, tornando-se na primeira mulher africana a ganhar o prêmio. Zukiswa é também curadora do festival literário online Afrolitsansfrontiers.

A nossa pontuação: 5 em 5 estrelas.