Livros, Outras maravilhas humanas, Resenhas

Editoras moçambicanas que aceitam analisar livros de novos autores

Literatura

7 de Junho de 2021

Tem um original pronto e não sabe a quem o mostrar, para que o mesmo seja publicado? Esta é uma dúvida que, na verdade, em algum momento, passa por todo escritor, principalmente na fase inicial da carreira. Se você já terminou o seu manuscrito, fez – ou pediu alguém que fizesse – uma revisão (é sempre aconselhável ter o livro revisto antes de submeter à uma editora), e sente confiança para dar o passo seguinte, mas não sabe como fazê-lo, continue a ler esta nota.

Apesar da crise económica, dos desafios relativamente à venda e à distribuição do livro em Moçambique, o mercado editorial segue em evolução. Em abono da verdade, é um mercado que tem crescido globalmente, tamanha é a importância do livro.

Pelo mundo afora, existem as editoras grandes, também chamadas “editoras tradicionais”, que normalmente publicam best sellers internacionais e autores nacionais consagrados. Este tipo de editora financia o custo da produção inteira do livro e até efectua um adiantamento de direitos autorais aos escritores. Algumas destas editoras, estão abertas à recepção de originais não solicitados, mas raramente publicam autores desconhecidos. Para quem está a começar, é uma realidade um pouco desencorajadora, mas esta dinâmica é compreensível, pela própria actividade e risco da editora, que sobrevive da venda de livros.

Entretanto, existem também as editoras médias e pequenas, que quando não arcam com as despesas de toda a produção, publicam os livros em parceria – com recurso ao patrocínio de instituições, ou em parceria com o próprio autor. Nos tempos de hoje, vale ainda lembrar que, com o advento das novas tecnologias, a publicação do livro em formato digital e áudio, facilita a distribuição do livro, tanto para as editoras como para os autores que optam pela auto-publicação (uma matéria para avaliarmos em outra oportunidade).

Note ainda, que tem sido tendência das editoras, tanto as nacionais como internacionais, fazerem chamadas para publicação, quer para a submissão de originais à própria editora, de tempos em tempos, submissão a concursos literários, quer através de contribuição de textos em antologias ou revistas. As chances de autores novos e estabelecidos, poderem mostrar o seu trabalho, é bastante maior nestas circunstâncias, portanto, fique atento!

Em Moçambique, a maioria das editoras já tem os seus catálogos definidos e a sua própria linha editorial. Mas isso não significa que as portas estejam fechadas!

Confira abaixo as editoras que estão disponíveis a analisar manuscritos não solicitados e a ler o que você escreveu. Lembre-se, todavia, que a análise do seu manuscrito é normalmente feita sem compromisso por parte da editora. O prazo de resposta, os termos e condições, caso o manuscrito seja aceite para publicação, entre outros factores, vai variar de caso para caso, e de acordo com os critérios de cada editora, os quais nós desconhecemos.

  1. Fundação Fernando Leite Couto

Esta editora aceita receber originais não solicitados, a qualquer momento. Os originais devem ser enviados para o email ler@fflc.org.mz.

  • Cavalo do Mar

A Cavalo do Mar também aceita receber originais para análise, os quais devem ser enviados a atenção do editor. Neste momento (Junho de 2021), entretanto, a Cavalo do Mar não está a analisar originais. Fique atento para oportunidades que possam surgir brevemente.

  • TPC Editora

A Editora TPC está aberta a avaliar originais, a todo o momento. Os autores podem submeter os seus originais para o email fernando.ssamson@gmail.com. Note ainda, que a TPC Editora, para além de aceitar originais de ficção, os quais ocupam 40% do catálogo editorial, incentiva a produção de ensaios académicos, que ocupam 60% do seu catálogo.

  • Editora Trinta Zero Nove

A Editora Trinta Zero Nove é uma pequena editora independente vocacionada para a publicação de literatura traduzida. Neste momento não aceita originais nem manuscritos não solicitados. Entretanto, esteja atento às páginas da editora nas redes sociais e o website onde anunciarão oportunamente oportunidades de publicação (https://www.editoratrintazeronove.org/faq).

  • Gala Gala Edições

Esta editora está aberta a avaliar originais. Os autores podem submeter os seus manuscritos para galagalalivros@gmail.com. Note que, em caso de aceitação, a editora normalmente publica os livros em parceria com o autor.

  • Editora Kulera

A Editora Kulera, neste momento, publica apenas em parceria com o autor, ou seja o autor terá de custear a produção do livro. Entretanto, a editora mostra-se disponível a dar uma opinião, sem compromisso, para que o autor saiba se está no caminho certo. Nesses casos, e por causa da demanda, a editora solicitará algum tempo, antes de efectuar a análise e dar o seu parecer. Para o efeito, o texto deve ser submetido no email editorakulera@gmail.com.

Boa sorte!

Source Image: <a href="http://<a href="https://www.freepik.com/photos/people">People photo created by wayhomestudio – http://www.freepik.comFreepik

Livros, Resenhas

Literatura| O regresso do descontente, de Teresa Taímo|Opinião

6f0b1703-abdc-4e9a-aacd-14251cf5dfff

Sinopse

“O regresso do descontente é uma obra de caris multicultural, que tem como pano de fundo a área militar, e retrata a vida de dois jovens de regiões, culturas e posições sociais diversas de Moçambique. Eles veem-se na contingência de partilhar hábitos, costumes e crenças de ambos, influenciando-se entre si e conciliando o seu modo de vida no ambiente em que se inserem. Nesta convivência, encontra-se, por um lado, Pedro Costa, filho de Ministro, jovem mimado e abastado, que nasceu e cresceu na cidade capital e nunca teve contacto directo com a cultura dos seus ancestrais. Por outro, Murimane Mavile, descendente de camponeses, de origem bastante humilde, cujo o passado se resumiu ao trabalho em prol dos seus ascendentes. Conhecedor da tradição do seu povo como ninguém, acumulou experiências que o tornam ancião em corpo jovem. Os dois jovens destacam-se como protagonistas desta estória que cruza classes sociais e revela claramente as consequências que podem adir da estabilidade financeira ou da sua carência nesta faixa etária. As tradições conjugadas, os tabus e mitos da vida militar que o tempo não conseguiu apagar, fazem entre as linhas sagradas deste romance que em muito nos irá identificar”

Opinião

Trata-se do livro de estreia de Teresa Taímo e saí pela chancela da Editora TPC. A narrativa que nos é aqui proposta, é conduzida de forma bastante segura e prende de imediato a atenção do leitor. A autora cria um universo onde explora de forma bastante vívida o ambiente da vida militar, os laços que se podem formar neste contexto. Em forma quase que de ironia, o livro nos remete à reflexão sobre como as nossas escolhas e respectivas consequências podem marcar irreversivelmente as nossas vidas. O realismo e a fantasia também cruzam-se nesta novela, da qual ilustramos a seguinte passagem:

Ao som dos tambores da comunidade e aos gritos dos soldados do quartel que comemoravam a chegada dos mancebos. Iniciava o ritual, segundo o qual, em fila indiana, os mancebos caminhavam sobre a ponte, enquanto os crocodilos circulavam atentos e ávidos para retirarem da ponte todos impuros. Nos dias da realização deste ritual, o dia virava noite, ventos fortes acompanhados por chuvas e relâmpagos inquietos à mistura com a batida de tambores, e canções dos curandeiros, faziam o terror dos mancebos, que enquanto caminhavam sobre a ponte colocada no rio, os crocodilos tiravam quantos quisessem a título de inaptidão.

Tanto quanto dramática, quanto bem humorada, o livro traz diálogos e personagens memoráveis. A determinada altura, a história de amizade de Pedro Costa e Mavile, foco principal, parece passar para um segundo plano. Isto acontece porque a cena inteira é roubada pelo diabólico “fantasma”, a verdadeira estrela, que une os pontos e os dois universos explorados na novela.

A escolha da capa é adequada, pese embora pudesse ter sido um pouco mais trabalhada a nível gráfico. A diagramação é igualmente satisfatória.

A Autora de “o regresso do descontente” é extremamente talentosa, e veio enriquecer as vozes da literatura moçambicana. Recomendamos a leitura.

Sobre a Autora:

Teresa José Taímo nasceu no Distrito de Chibuto, na Província de Gaza aos 21 de Fevereiro de 1992. Durante a sua infância foi presidente do Parlamento infantil a nível da Província de Gaza e membro da comissão permanente no parlamento nacional. Pertenceu à vários grupos e movimentos artísticos culturais e sociais e é licenciada em Gestão e Estudos Culturais. Teresa é actualmente membro da FADM, sócia fundadora da “Iniciativa Teresa Taímo e amigos”, activista social e pesquisadora cultural. Esta é oficialmente a sua primeira viagem literária.

A nossa pontuação: 4 de 5 estrelas