Lançamentos!, Resenhas

Lançamentos e Novidades # Sonolência e alguns rabiscos, de Énia Lipanga

Olá amigos, feliz ano novo, boas energias para 2020!

Aliás, por falar em 2020, ele já entrou para arrasar e estamos aqui hoje para partilhar algumas das estrondosas novidades!

Foi lançado no dia 4 de Janeiro o livro de estreia da activista e escritora Énia Lipanga. Com cerca de 10 poemas, o mesmo não é apenas um livro. É uma verdadeira obra de arte. Editado pela Editora Kuvaninga, a capa é feita em papelão e cada exemplar apresenta uma arte diferente. Ou seja, foi feito um livro único, para cada leitor. Voluntários e amigos da autora participaram na construção desta obra. O mais surpreendente, entretanto, é que este é o primeiro livro em Moçambique produzido em texto e em braille. Afinal, Énia é pelo amor e a inclusão.

Refira-se também que a tiragem inicial esgotou no dia do lançamento

Confira um dos poemas:

Revolta

Dorme meu mundo

Uma repetida agitação

Nada se cala

Pois há gritos enterrados em mim

Soneco nos becos do meu subconsciente

Mas tenho uma revolta presente

Que me desperta

Sacode minha lentidão

Em mim, sonolência nenhuma reside

Desabafo de uma qawwi

#29 | Metade do coração

Quando fazemos a transicção, todo o nosso redor se ilumina. É o que dizem os qawwis mais experientes. Vejo com clareza. Aquilo que não vi antes, atropelando os meus próprios instintos. Até o primeiro sinal escapara-me. Na tarde quente em que encontrara Will adormecido no sofá. Lembro perfeitamente do papel amarfanhado na sua mão, da calada inquietação que desconjunturou os meus ossos ao ler o que ele escrevera:

Linan, quando a dor vier, teremos que arranjar outra forma. Não podemos guiar…”

– Estavas a escrever-me uma carta, Will? Um poema…?

O inchaço nos olhos, as dobras no alto da testa disseram-me o quão distante estava de compreender a minha linguagem.

– Poema? – atirou um olhar perdido para o papel – não sei, não lembro.

– Parece que tentavas dizer-me algo…

– Droga, Linan, se disse que não me lembro é porque não lembro, devo ter adormecido, só isso! – no meio do silêncio amargo e pulverulento de hostilidade, surgiu no ar a frase que já havia se tornado habitual nos últimos dias:

– Desculpa. Ando tenso, desculpa.

Sim, ele andava irritado, agitado, desdizendo da sorte, praticando o verbo da desconfiança e da destemperança. Ser humana não arrancou de mim as vontades de qawwi. Não gosto de ficar “em repouso”. A minha alma precisa do vibrar do universo, para sentir-me viva. E Will detesta isso, pois vai contra as orientações do médico. Foi assim que os atritos começaram. Em colisão com estas aflições deflagradas no centro do coração, Will vivia obstinado em controlar-me e a confiscar o destino. Esta atitude levou-o a um profundo estado de “ansiedade”, que culminou com o verbalizar da dúvida sobre a paternidade da criança que vinha. Não fiz caso. Will era o que era. Apenas um humano, uma simples manifestação fenomenológica de existência, cheia de falhas.

Ao surgimento do segundo sinal da “surtez” de Will, devia ter desconfiado. Aconteceu no meu aniversário. Ele insistira que recebêssemos alguns amigos, embora eu tivesse preferido um dia mais sossegado. Acabávamos de fazer um brinde quando Érica puxou-me depressa pelo braço

– Mãe… o pai está a chamar-te. Ele está muito esquisito…

Segui Érica até à cozinha.

Havia desordem, ferramentas espalhadas por todo o lado, pegadas de lama pelo chão. Ao pé da bancada, Will segurava uma grande faca, as mãos cobertas de fuligem.

– Will? Onde é que estavas, o que é isso…?

Ele pestanejou.

– Will?

Então, a faca caiu. Ele voltou a cabeça para baixo, admirado com o cenário, com o seu aspecto.

– Will?

Seus olhos brilharam de medo.

– Preciso estar só.

– Will, vá lá, fala comigo…

Mas ele fechou-se no quarto durante um bom par de horas. Se eu fosse inteiramente humana, certamente também ficaria assustada com o facto de, de repente, não ter controle sobre os meus neurónios. Will estava apavorado, acreditando que os repentinos ataques de pânico, os lapsos de memória, podiam colocar-nos em perigo. Quantas vezes a noite caiu, e a cabeça Will voou para rondar solitária o seu mundo isolado, entretendo-se com a ideia do amanhã e dos medos que o cercavam? Não é possível dividir a vida dessa forma, viver com um pé no presente e outro futuro. Viver assim, é ter metade do coração no ritmo, e outra metade parada. Eu percebia, e lamentava que ele optasse por encerrar tanto peso dentro de si.

Quando finalmente o futuro bateu-nos à porta, entendi os porquês. Honestamente, era burrice que eu não tivesse percebido antes. Mas era tarde demais.

– Respira, meu amor, respira – pedia Will carregando-me ao colo. – Ajuda a mãe minha filha, ajeita a cabeça dela…

Colocaram-me no carro e apesar das lancinantes dores, sentia-me orgulhosa da bravura da minha filha, verdadeiramente mocinha, que firme permanecia ao meu lado.

– Mãe, estamos quase, fica tranquila, mãe, fica acordada…!

Segurei a mão da minha filha.

E por mais que Will tivesse se esforçado para levar-me ao hospital e manter-me salva, não foi possível manobrar nas rodas da viatura a tinta indelével que ditaria outra coisa.

O céu incendiou-se e desabou por cima de mim, como a cortina do palco que desce no último acto de um actor. Um camião sem freio esmagou o lado esquerdo da viatura, exactamente onde eu estava, arrancando-me, assim, a minha última respiração na terra.

Livros, Resenhas

Literatura| O regresso do descontente, de Teresa Taímo|Opinião

6f0b1703-abdc-4e9a-aacd-14251cf5dfff

Sinopse

“O regresso do descontente é uma obra de caris multicultural, que tem como pano de fundo a área militar, e retrata a vida de dois jovens de regiões, culturas e posições sociais diversas de Moçambique. Eles veem-se na contingência de partilhar hábitos, costumes e crenças de ambos, influenciando-se entre si e conciliando o seu modo de vida no ambiente em que se inserem. Nesta convivência, encontra-se, por um lado, Pedro Costa, filho de Ministro, jovem mimado e abastado, que nasceu e cresceu na cidade capital e nunca teve contacto directo com a cultura dos seus ancestrais. Por outro, Murimane Mavile, descendente de camponeses, de origem bastante humilde, cujo o passado se resumiu ao trabalho em prol dos seus ascendentes. Conhecedor da tradição do seu povo como ninguém, acumulou experiências que o tornam ancião em corpo jovem. Os dois jovens destacam-se como protagonistas desta estória que cruza classes sociais e revela claramente as consequências que podem adir da estabilidade financeira ou da sua carência nesta faixa etária. As tradições conjugadas, os tabus e mitos da vida militar que o tempo não conseguiu apagar, fazem entre as linhas sagradas deste romance que em muito nos irá identificar”

Opinião

Trata-se do livro de estreia de Teresa Taímo e saí pela chancela da Editora TPC. A narrativa que nos é aqui proposta, é conduzida de forma bastante segura e prende de imediato a atenção do leitor. A autora cria um universo onde explora de forma bastante vívida o ambiente da vida militar, os laços que se podem formar neste contexto. Em forma quase que de ironia, o livro nos remete à reflexão sobre como as nossas escolhas e respectivas consequências podem marcar irreversivelmente as nossas vidas. O realismo e a fantasia também cruzam-se nesta novela, da qual ilustramos a seguinte passagem:

Ao som dos tambores da comunidade e aos gritos dos soldados do quartel que comemoravam a chegada dos mancebos. Iniciava o ritual, segundo o qual, em fila indiana, os mancebos caminhavam sobre a ponte, enquanto os crocodilos circulavam atentos e ávidos para retirarem da ponte todos impuros. Nos dias da realização deste ritual, o dia virava noite, ventos fortes acompanhados por chuvas e relâmpagos inquietos à mistura com a batida de tambores, e canções dos curandeiros, faziam o terror dos mancebos, que enquanto caminhavam sobre a ponte colocada no rio, os crocodilos tiravam quantos quisessem a título de inaptidão.

Tanto quanto dramática, quanto bem humorada, o livro traz diálogos e personagens memoráveis. A determinada altura, a história de amizade de Pedro Costa e Mavile, foco principal, parece passar para um segundo plano. Isto acontece porque a cena inteira é roubada pelo diabólico “fantasma”, a verdadeira estrela, que une os pontos e os dois universos explorados na novela.

A escolha da capa é adequada, pese embora pudesse ter sido um pouco mais trabalhada a nível gráfico. A diagramação é igualmente satisfatória.

A Autora de “o regresso do descontente” é extremamente talentosa, e veio enriquecer as vozes da literatura moçambicana. Recomendamos a leitura.

Sobre a Autora:

Teresa José Taímo nasceu no Distrito de Chibuto, na Província de Gaza aos 21 de Fevereiro de 1992. Durante a sua infância foi presidente do Parlamento infantil a nível da Província de Gaza e membro da comissão permanente no parlamento nacional. Pertenceu à vários grupos e movimentos artísticos culturais e sociais e é licenciada em Gestão e Estudos Culturais. Teresa é actualmente membro da FADM, sócia fundadora da “Iniciativa Teresa Taímo e amigos”, activista social e pesquisadora cultural. Esta é oficialmente a sua primeira viagem literária.

A nossa pontuação: 4 de 5 estrelas

Lançamentos!, Livros

Lançamentos e Novidades # Editora Trinta Zero Nove

Olá amigos planetários,

Foram lançadas ontem, 30 de Setembro (dia internacional da tradução), pela Editora Trinta Zero Nove, três obras traduzidas de diversas línguas para português: Eu não tenho medo, romance de Niccoló Ammaniti (Itália); No oco do mundo, colecção de contos traduzidos no Concurso de Tradução Literária 2015 – 2018; e A perseverança, poesia de Raymond Antrobus (Reino Unido).

A Editora Trinta Zero Nove é a primeira Editora vocacionada para publicação de tradução literária em Moçambique e foi vencedora do 2º Prémio da Incubadora CREATEC (Indústria Criativa e Negócios Digitais) em 2019.

Apelando a leitura global e inclusiva, as obras são acompanhadas por audio books em CD. Mas os livros não são apenas abrangentes. Eles presentam-se num acabamento refinado e elegante, a um preço acessível.

A cerimónia aconteceu na sede do BCI, em Maputo, com diversos momentos culturais (incluindo uma peça teatral do grupo Inversos), tendo inclusive sido feita a entrega dos prémios aos vencedores da 5ª edição do concurso de tradução literária.

Confira aqui no site da editora as obras lançadas:

156286451961562864207

Acesse e compre aqui

Lançamentos!, Livros, Resenhas

Lançamentos e novidades: novas vozes femininas na escrita moçambicana

Olá amigos planetários,

Hoje vamos partilhar novidades em torno de alguns novos livros e vozes jovens femininas que surgem no panorama da escrita moçambicana. Algumas das obras que iremos mencionar, poderão ser adiquiridas no dia 28 de Setembro de 2019, na exposição de venda de livros, obras escritas estritamente por escritoras moçambicanas, na FEIMA. Para além das novas autoras, a feira terá obras de outros nomes como Emmy Xyx, Rinkel, Melita Matsinhe e Hirondina Joshua.

Esta accão enquadra-se no projecto Mulher e Letras que tem como objectivo promover e enaltecer o trabalho da mulher ligada à actividade literária como parte integrante do universo moçambicano de letras.

Boas novidades ou boas novidades?

Vamos conferir:

  1. Teresa Taimo – O Regresso do descontente (prosa)

6f0b1703-abdc-4e9a-aacd-14251cf5dfff

Teresa Taimo publicou a sua primeira obra literária “o regresso do descontente” em Maputo, no passado dia 17 de Setembro, numa cerimónia militar. Abaixo segue uma apresentação da obra, cortesia da autora:

“O regresso do descontente é uma obra de caris multicultural, que tem como pano de fundo a área militar, e retrata a vida de dois jovens de regiões, culturas e posições sociais diversas de Moçambique. Eles veem-se na contingência de partilhar hábitos, costumes e crenças de ambos, influenciando-se entre si e conciliando o seu modo de vida no ambiente em que se inserem. Nesta convivência, encontra-se, por um lado, Pedro Costa, filho de Ministro, jovem mimado e abastado, que nasceu e cresceu na cidade capital e nunca teve contacto directo com a cultura dos seus ancestrais. Por outro, Murimane Mavile, descendente de camponeses, de origem bastante humilde, cujo o passado se resumiu ao trabalho em prol dos seus ascendentes. Conhecedor da tradição do seu povo como ninguém, acumulou experiências que o tornam ancião em corpo jovem.

Os dois jovens destacam-se como protagonistas desta estória que cruza classes sociais e revela claramente as consequências que podem adir da estabilidade financeira ou da sua carência nesta faixa etária. As tradições conjugadas, os tabus e mitos da vida militar que o tempo não conseguiu apagar, fazem entre as linhas sagradas deste romance que em muito nos irá identificar.”

2. Sadya Bulha – Um pé de amarílis (prosa)

Sadya Bulha vai lançar a sua primeira obra, intitulada “um pé de amarílis” no decurso da semana de 24 de Setembro de 2019, em Chimoio. O livro em breve andará pelas livrarias, então, fique atento.

3. Karina Jamal – Meu chefe, meu pecado (prosa)

566a7c56-0000-49db-be87-8517c2fbb4d6

Karina Kamal tem duas obras publicadas: uma em poesia (bipolaridade do amor) e outra em prosa (meu chefe, meu pecado). A última foi lançada este ano (2019).

4. Cláudia Chatonda Elija – A almadia de remos negros (poesia)

capa_ebook_448

Cláudia Chatonda Elija é natural do Songo (Tete) e identifica-se com Florbela Espanca. Estreia-se na poesia com “A almadia de remos negros”, livro que sai com a chancela da Chiado Editores, lançado há cerca de três meses (Junho de 2019).

Leia e compre aqui

Alguém aqui curioso para ler algumas das obras acima? Vai ter resenha aqui a bordo? Sim, muitas 😊

Outras maravilhas humanas

Concursos Literários – Língua Portuguesa

5f341d9c57984ec951a7942f5890e79b.jpg

Caros escritores e amantes da escrita,

Sobre as maravilhas humanas, hoje escolhemos falar de alguns concursos literários (língua portuguesa) com inscrições ainda abertas. Concursos deste género são boas plataformas para alavancar a carreira de um escritor, sem falar do enorme prestígio que dos mesmos advém, não é verdade? Além do mais, através de um concurso literário é sempre mais fácil:

  • Finalizar uma obra (nada mais motivador do que o prazo de um concurso para terminarmos aquele projecto, certo?)
  • Melhorar pela crítica construtiva (alguns júris de concursos dão feedback e é sempre bom usar esta crítica para melhorar o nosso trabalho)
  • Tornar-se um melhor escritor (através da prática constante da escrita)

Dito isto, vamos olhar para alguns concursos literários abertos à inscrição?

  1. Prémio Literário UCCLA (5ª edição)

Promotor: Editora A Bela e o Monstro, Movimento 2014, Câmara Municipal de Lisboa.

Modalidade: Prosa de ficção (romance, novela, conto e crónica)

Elegibilidade: pessoas singulares, de qualquer nacionalidade, fluentes na língua portuguesa.

Prémio: o autor vencedor será convidado a participar no Encontro de Escritores de Língua Portuguesa (EELP), promovido pela UCCLA, com oferta de todas as despesas relacionadas com a deslocação e alojamento durante o mencionado Encontro.

Prazo de submissão: até o dia 31 de Janeiro de 2020, por correio electrónico, para o endereço premioliterario@uccla.pt

Prazo de divulgação de resultados (ou entrega de prémio): 5 de Maio de 2020

Consulte o regulamento em:

https://www.uccla.pt/sites/default/files/regulamento_premio_literario_2019_2020.pdf

2. Prémio Eugénio Lisboa 2019 (3ª Edição)

Promotor: Imprensa Nacional – Casa da Moeda

Modalidade: Prosa

Elegibilidade: todos cidadãos moçambicanos (a residir em Moçambique ou no estrangeiro) ou estrangeiros residentes em Moçambique há pelo menos 10 anos.

Prémio: edição da obra e 5.000 Euros

Prazo de submissão: Entre 1 de Agosto e 27 de Setembro de 2019

Prazo de divulgação de resultados (ou entrega de prémio): 30 de Novembro de 2019

Consulte o regulamento em: https://www.incm.pt/portal/arquivo/el/regulamento.pdf

3. Prémio Literário Fundação Fernando Leite Couto – 2019

Promotor: Fundação Fernando Leite Couto

Modalidade: Poesia

Elegibilidade: autores moçambicanos sem obra publicada ou com apenas uma obra publicada no espaço de dois anos até à data de abertura desta edição do Prémio Literário Fernando Leite Couto

Prémio: edição da obra e 150.000 MT

Prazo de submissão : Entre 20 de Maio a 31 de Agosto de 2019

Prazo de divulgação de resultados (ou entrega de prémio): Dezembro de 2019

Consulte o regulamento em:

http://fflc.org.mz/index.php/por/Destaques/2019/Maio/Premio-Literario-Fernando-Leite-Couto

4. Prémio 10 de Novembro – 2019

Promotor: Conselho Municipal da cidade de Maputo e AEMO

Modalidade: Prosa

Elegibilidade: escritores moçambicanos residentes na cidade de Maputo

Prémio: 100.000 MT

Prazo de submissão : Até 20 de Outubro de 2019

Prazo de divulgação de resultados (ou entrega de prémio): 10 de Novembro de 2019

5. 5ª Edição do Concurso de Tradução Literária (Alusivo ao Dia Internacional da Tradução)

Promotor: Editora Trinta Zero Nove

Modalidade: Traduções de obras literárias (romance, conto, poesia)

Prémio: edição da tradução na coletânea “No Oco do Mundo”; certificado e valores monetários

Prazo de submissão : Entre 29 de Julho a 30 de Agosto de 2019

Prazo de divulgação de resultados (entrega de prémio): 30 de Setembro de2019

Consulte o regulamento em: https://www.facebook.com/editoratrintazeronove/?epa=SEARCH_BOX

6. Edição Do Njinguiritane – Prémio Literário De Contos Infantis (1a Edição)

Promotor: AEMO, Fundação Fé e Cooperação (FEC, INGD) e União Europeia

Modalidade: contos infantis inéditos em língua portuguesa

Elegibilidade: autores com idade entre 10 e 17 anos, em singulares ou grupo de até três

Prémio: livros didácticos e de ficção para os vencedores, no valor monetário equivalente a 21.000,00 MTN (Vinte e um mil meticais),

Prazo de submissão: Entre 6 de Agosto e 26 de Setembro de 2019

 

Leia com atenção os regulamentos e muito boa sorte!

Resenhas

Literatura | O homem que comeu o hospital, de Edmilson Mavie

IMG_8978.JPG

Autor: Edmilson Mavie

Editora: Fundação Fernando Leite Couto

Onde comprar: Fundação Fernando Leite Couto

Opinião

Confesso que demorei um pouco para ler este livro. Há obras que em certos momentos não se coadunam com o nosso estado espírito (ou vice-versa), e foi o que aconteceu com esta, a primeira vez que abri e explorei os primeiros dois contos.

Recentemente retornei à leitura. Desta feita, ela ocorreu num piscar de olhos. O escritor, tão naturalmente explorador do universo moçambicano onde se inspira para criar as suas histórias, transparece um contacto íntimo com a realidade à sua volta. Talvez, quem sabe, pela sua profissão. Ou por simplesmente ser um bom contador de histórias.

O vazio causado pela morte, a sede pelo poder, a ausência de uma mão mais provedora do sistema, as relações interpessoais, e por fim, o lado mais místico, e às vezes sinistro do próprio ser humano, são os elementos que compõem e ligam os cerca de 14 contos presentes nesta colectânea.

Contos como “o prognóstico”, “vencidos pela natureza” e “a fatalidade”, contam infortúnios comuns e visíveis na nossa sociedade, mas também desvelam-se como metáforas sobre questões mais complexas. O que seria um sistema médico incapaz de produzir um diagnóstico, ou então um mal-entendido onde um polícia acaba matando uma criança, senão uma conjuntura deficiente, onde todos nós acabamos por ser responsáveis pela tragédia?

Eis uma passagem do conto “a fatalidade”:

“o menino em mínimo movimento, rosto pálido e cianótico, estendeu o braço e abriu a mão com as moedas cintilando. E arrastando a voz em derradeiro momento lançou o mormente olhar à mãe e disse: – desculpa, mamã… é a polícia que só tem balas de matar”.

Relativamente a escrita de Edmilson, achamo-la elegante, acessível e poética. O autor conduz a sua narrativa de forma inteligente, pois consegue trazer um desfecho de certa forma inesperado a cada um dos seus contos. Vale ressaltar, entretanto, que logo no início percebe-se o tom das histórias a que se propõem contar. Outro aspecto interessante do livro, é a abertura de cada conto, que inicia com uma citação ou provérbio, para ambientar o texto.

A partir da segunda metade do livro, a escrita de Edimilson torna-se mais densa. Mais comovente, se nos permitirem. O conto que afigura-se mais colorido é o que dá título a obra. Aliás, o título nos parece ser exactamente o que sugere: uma provocação. Uma alusão aos nossos devaneios internos. E quem não os tem?

A capa e o título são sem dúvida impressionantes. Impossível não despertar a curiosidade para o que guarda o restante. A diagramação do livro é boa. A revisão, contudo, poderia ter sido um pouco mais atenta. Nada, entretanto, que retire o mérito da obra.

É uma leitura definitivamente recomendável.

A nossa pontuação: 4 em 5 estrelas

(Por VF da tripulação)