Desabafo de uma qawwi

#3| Os rapazes da fraternidade

A luz de um abajur perfurou-me a retina quando abri os olhos. Na cabeceira, a moldura de um retrato. Rolei pela cama, em busca de aconchego, e foi então que apanhei um susto de morte.

– Acordado, meu amor?

Pus-me em pé, num pulo. As pernas, de repente, estavam muito musculosas. Todavia, o mais preocupante era aquela situação. Uma humana, feminina, a chamar-me “meu amor”? O que diria o meu amado qawwi, se me visse agora, através de um satélite fónico? Para agravar os nervos, disparou pelo quarto uma ligeira e monocórdica melodia.

– Calma meu amor, é só o teu celular… atende.

Procurei o aparelho com urgência, como se dependesse do mesmo, a minha integridade. Encontrei-o encafuado entre as almofadas da cama.

– Alô?

– Até que enfim, Diego! Estavas a flutuar em cima de alguém, ou o quê?

– Hã? – o meu cérebro deu um nó – em cima? O que acontece com a gravidade?

Em resposta, gargalhadas.

– Deixa-te de tretas, bro! Já estamos perto daí. Podes descer?

A humana veio enroscar-se no meu pescoço, toda semi-nua. Tal obrigou-me a agarrar-me ao celular como se fosse uma bóia de salvação.

– Sim, estou a descer, até já! – vestida apenas da cintura para baixo, abandonei o quarto. A humana veio atrás, gritando-me coisas que não fiz questão de perceber.

– Vista mas é uma roupa, criatura! – implorei antes de embrenhar-me na fuga até alcançar a saída do edifício.

Na rua, um elegante jovem observou-me cima abaixo e gritou para quatro outros dentro de uma viatura:

– O nosso bro já está bem pedrado! Vens ou não?

Notei que os quatro dentro do carro, eram os mesmos da moldura na cabeceira. Decidi entrar e pedi-lhes que voássemos para longe, antes que a humana ressurgisse para capturar-me.

– A fugir da Vanessa, bro? – questionou um deles, engasgando-se de rir – ela é das moças mais cobiçadas pela nossa fraternidade, sabias? Hey Pete, passa lá um casaco antes que o nosso bro fique constipado.

Enquanto cobria o tronco, olhei-me num espelho. Afinal, eu também era um dos jovens da moldura! Era membro de uma “fraternidade”, e tinha Peter, Simon, Jamal e Noah, como “melhores amigos”.

Estacionamos num local escuro cheio de gente, poluído de luzes psicadélicas, e música muito alta. Havia tanta fumaça, que era quase impossível respirar. Um copo cheio de álcool na mão, parecia naquele ambiente, uma questão de sobrevivência.

– Olá, trago aqui uma preciosidade – disse-me alguém, cutucando-me nas costas – Só 50.

Pronto, lá estava a linguagem dos números.

– 50? Você está a tentar vender-me algo?

– É coisa das boas! Uma pedrinha, por exemplo, e garanto-te que terás a melhor experiência da tua vida!

Curiosa, tentei desvendar a oferta, mas não foi preciso nem sequer experimentar, para o meu radar de qawwi detectar o perigo. Aquilo iria causar-me um severo dano ao corpo. Experiência maravilhosa? No meu planeta experiência maravilhosa é saltar galáxias. Que raio de boa experiência é essa, que promove a automutilação? Mas afinal, o que se passa neste planeta?

– Diga-me algo, senhor, você já experimentou essa tal maravilha? – o silêncio dele confirmou o que eu temia: o sujeito estava a vender-me um mundo, que nem ele próprio tinha.

Entretanto, Simon chegou e aceitou a oferta.

– Não te armes, bro! – resmungou, enrolando o conteúdo num curioso aparato, que produzia fumo expelido pelas vias respiratórias – Estou a divertir-me, como todos os outros!

Fiquei especado, o choque assombrando-me o rosto.

– Bro – continuou Simon, expelindo mais fumo das narinas – conheço-te desde criança, muito antes da fraternidade. És um chato de nascença, nem sei como és o meu melhor bro, mas hoje, tu não estás em ti! Conta lá, o que é que se passa?

Fomos interrompidos por repentinos gritos, seguidos de total algazarra. Polícias terráqueos haviam invadido o recinto. Embora eu desconhecesse o crime que tinha cometido, percebi que estava em sérios apuros, e nem sequer podia teletransportar-me, já que estava fora do meu corpo de qawwi.

– Bro, bro fica tranquilo, vai dar tudo certo – murmurou Simon assustado, quando a polícia começou a revistar-nos. Tentou desculpar-se, porém, os homens da lei não ficaram satisfeitos com o que encontraram nos seus bolsos.

– Membros da fraternidade ómega à direita, hein? Vocês podiam ter um futuro brilhante, sabiam? Mas talvez as barras da cela ajudem a dar uma refrescada nestes cérebros, não é? Rob, recolhe todos eles!

– Sr. agente, ele não. – suplicou Simon debatendo-se quando um policial capturou-me – O Diego não fez nada, é um palerma, mas é bom rapaz. Não há nada com ele, podem ver, deixem-no ir, por favor!

Depois de uma forte revistadela e talvez convencidos pelo apelo de Simon, eles largaram-me.

– Fica tranquilo bro, eu eide safar-me! E sei que tu estás comigo, bro! – balbuciava Simon, enquanto era conduzido para onde a liberdade passaria a ser uma quimera. Havia algo no olhar de Simon, além do medo, disfarçado de coragem. Acabei por experimentar uma esquisita melancolia, pois o último acto de Simon colhera-me de supresa. Ele gostava de mim. Aquilo que eu vislumbrara nos olhos dele, era o verdadeiro sentido da “fraternidade”. Afinal, havia um sentimento tão bonito como aquele entre os humanos?

– Estou contigo, bro! – devolvi, sentindo umas gotas quentes entre as pálpebras. – estou contigo e vou ajudar-te!

Linan

prep-boys-on-a-mission-streetstyle-2.jpg

Crédito imagem: http://blog.trashness.com/prep-boys-on-a-mission

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s