Desabafo de uma qawwi

#25|Infinitamente humana

lonely-sad-girl-images-750x500.jpg

Imagem: Chobir Doka. Fonte

O comboio estava em movimento há mais de três horas. E eu verificava cada minuto. Logo eu, que o tempo nunca precisei controlar. O que passei a ser, senão um ser reduzido àquela tragédia? Estava severamente limitada pelo tempo. Pelo espaço. Pelo meu próprio corpo. Corpo este vulnerável, cheio de cortes e de feridas que demoravam cicatrizar. Havia tanto em mim, naquela nova condição de humana, que ainda não compreendia.

A assistente de bordo trouxe o almoço, acompanhado de um cálice de vinho. A cabine era confortável. Estava ambientada ao som de Beethoven e exalava a morango. Tossi e apertei os punhos. Tudo aquilo incomodava-me. Os aromas, a música, a raiva misturavam-se nas minhas veias, realçando o que corria dentro de mim. Só que a corrida era em queda livre. O meu peito tornara-se um poço sem fim. Batia três vezes mais rápido.

– Com licença – murmurou um homem alto que passava pelo corredor, fumando um charuto. Já ia à distancia, mas mesmo assim, as minhas narinas continuaram a captar o tabaco. Quase vomitei. O motor do comboio soava tão alto, que parecia estar dentro do meu estômago. O simples som do cálice assentando na mesinha dobrável, assemelhava-se ao estrondo de uma bomba.

Transpirei. 20 graus neste corpo em transformação, parecia a temperatura de uma sauna. Tudo. Absolutamente tudo estava amplificado dentro de mim. Os sons, os cheiros, a energia, os meus medos. Quis fugir deste destino, mas agora estava acorrentada. Até o dia em que finalmente morresse. Talvez sem deixar um legado ou uma herança. Que conceito melancólico era esse, da herança. Viver e construir para um momento em que não existiremos. Que lógica havia nisso? Aliás, a minha vida inteira parecia ter perdido o sentido. Olhar para o almoço pousado à minha frente, deixava-me deprimida. Comer já não era uma opção. Era um ultimato.

Em suma, eu havia trocado a possibilidade de voltar para as galáxias, por um assento de comboio. Uma vida plena, por um estômago constantemente faminto. Seria capaz de conviver com isso?

Uma mão pousou no ombro. Virei-me para o lado esquerdo e dei de caras com uma mão estendida para mim, segurando um copo de água. Os músculos do rosto do jovem estavam contritos. Ele continuou calado, oferecendo-me o copo.

– Desculpe – consegui murmurar depois de engolir um gole de água. – tive um momento, mas já passou – tentei justificar-me, limpando as ousadas lágrimas que haviam vencido. É isto que acontece com os humanos quando confrontados com as suas limitações. Esta triste manifestação que arrebata como um inevitável ciclone. É isto… que é ser humano.

– Seja o que for, moça – balbuciou o jovem com cautela – vais ficar bem. No fim, vais ficar bem.

Observei-o. Os olhos cheios de luz, que rondavam-me preocupados a tentar dizer “estou aqui para qualquer coisa”, e o sorriso desajeitado, lembraram-me Will. A lembrança foi como um leve alvorecer. Uma esperança que brotava do vácuo e começava a alçar o meu peito à vida.

Will, Érica. A minha família. Sinónimo de amor. O derradeiro privilégio de se ser humano.

– Também acredito que vai ficar tudo bem, obrigada.

E agarrei-me ao pensamento. À minha família. Aos meus amigos. Eles esperavam por mim, tanto quanto eu por eles. Eles é que tornariam a minha jornada como humana mais leve. É assim que os humanos aguentam a sua condição. Com amizade e com amor.

Will e Érica não suspeitavam que era hoje, dois anos depois, que voltaríamos a estar juntos. Quando eu chegasse em casa, a luz a escuridão, os beijos e as lágrimas seriam um só. Morreríamos de amor, para tornar a viver. Este pensamento manteve-me acordada durante a viagem inteira. E foi ele o motor para o meu corpo fraco, correr sem cansar-se. Não dava para esperar.

Quando cheguei ao pé da varanda, senti-me estupidamente viva. O meu rosto, os meus lábios, devagarinho abriram-se num longo esgar. Acho que estava a sorrir. Era a primeira vez que o fazia desde que havia perdido os meus poderes.

Pelas cortinas, vi-os na sala. E o peito vibrou com estertor.

Will colocava um bule na mesa, onde Érica concentrava-se a volta de cadernos. Como a minha filha tinha crescido!

Mas o meu sorriso, depressa marmorizou-se, nos lábios subitamente frios. Uma mulher apareceu na sala e meteu os braços a volta de Will. Parecia ser a minha amiga Fatinha. Will voltou-se de costas, e ela, tão depressa, beijou-o nos lábios.

Nesse instante, Will levantou os olhos e viu-me pela janela. O copo que segurava tombou e estilhaçou-se.

O meu primeiro instinto foi desaparecer, como tantas vezes fiz quando era qawwi. Mas permaneci ali. Não conseguia teletransportar-me, tão pouco impedir aquela dor, aquela perplexidade, de dominarem o meu corpo. Era tudo o que restava-me. A amarga admiração, e o corpo forasteiro, coberto de pânico, atarracado ao pé daquela janela, de olhos muito abertos, sem poder mexer-se. Deparava-me com a minha nova realidade. Infinitamente humana.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s