Resenhas

Cinema | The Good Place (“O Bom Lugar”) Série |– Opinião

Premissa

Eleanor Shellstrop desperta numa sala estranha, e para a sua surpresa, descobre que morreu. Em seguida, num encontro com o seu mentor Michael, é informada que, por ter sido uma boa pessoa, ela está no “bom lugar” (um versão de paraíso). Não tarda, porém, para Eleanor perceber que houve um erro, e ela foi lá parar por engano. Presa num mundo onde todos são bons, excepto ela, Eleanor encontra-se no dilema entre merecer ficar nesse lugar ou ir para o “mau lugar”.

Opinião

O que dizer sobre esta sitcom? Começamos a assisti-la sem grande compromisso ou expectativa, mas a jornada de Eleonor a tentar esconder que foi para o “bom lugar” por engano, é hilariante. Que enredo tão bem conseguido!

Sentimo-nos um bocado sobrecarregados pela tremenda reviravolta do final da 1ª temporada. Surpreendente, mas quase forçada. Chegamos a pensar em desistir, mas ainda bem que não! No todo, a série superou as expectativas. Michael Schur esmerou-se nesta produção, profundamente humana. Os protagonistas são todos carismáticos e os actores estiveram à altura.

Há muita discussão em torno da ética, com apresentação de pensamentos de vários filósofos, com principal enfoque para Immanuel Kant. São exploradas doutrinas desde o contratualismo social, o utilitarismo, o particularismo moral, e tantas outras teorias, que nos levam a reflectir sobre a moral e a vida no geral.

Já imaginaram se o universo de facto funciona assim? E se existir vida após a morte, e um bom lugar para onde ir, dependendo das nossas acções na terra? E se não existir esse bom lugar? Vale a pena sermos boas pessoas? A série mexe bastante connosco. No seu tom colorido, humor leve e estrondosamente brilhante, a trama traz uma mensagem bem mais profunda do que parece.

The-Good-Place-1170x658

Nós deste lado ficamos a pensar: como humanos, quem somos de verdade? Como as nossas acções afectam e afectarão, não só as pessoas à nossa volta, como o mudo? Mais importante ainda: somos capazes de melhorar e evoluir, todos os dias, certo? Ou não?

Ted Danson encarna um personagem adorável, a fotografia é óptima e o soundtrack também é espetacular. Cada episódio é curto (menos de vinte minutos) e as quatro temporadas são assistidas num ápice. É dessas séries breves, que ao chegarmos ao final, deixa-nos com uma sensação de abandon. Afinal, já nos apegamos aos personagens. Mas só assim, vale a pena, não é verdade?

Confira o trailer e não perca este série:

A nossa classificação: 5 de 5 estrelas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s