Desabafo de uma qawwi, Dia a dia de uma qawwi, Dicas, Opiniões

#23|Destino versus livre arbítrio: será que as nossas escolhas e decisões são controladas pelo universo?

mulher.jpg

Imagem: a mente maravilhosa

“Isso é coisa do destino”, dizem os humanos amiúde. Então pergunto agora aos meus amigos: será que eu podia ter evitado que a cerimónia do meu casamento terminasse com o rapto da minha filha? Ou isso estava fora do meu controle? Coloco outra questão: terá a França ganho o último campeonato mundial de futebol porque jogou bem, ou porque estava destinada a ganhar? E você desse lado? Tivesse feito as coisas de forma diferente, estaria noutra situação? Podia ter feito outras escolhas e por exemplo, estar noutro emprego, noutra casa? Em outras palavras: está nas suas mãos transformar-se na próxima estrela do futebol como Cristiano Ronaldo, ou isso depende do destino?

Vejamos, alguns humanos adoptam a filosofia de que eles, e somente eles, estão em controlo das suas vidas. Este tipo de pessoas está mais propensa a sofrer abalos, quando contrariadas pelas forças do universo. Outro grupo, contrariamente, toma uma posição passiva (mais conformista, assim digamos), e acredita que não adianta fazer esforços nem lutar, pois tudo na vida já está predestinado. Estes acabam por ficar parados na estrada da caminhada.

Ora bem, os conceitos de “livre arbítrio” e “determinismo” (este último é o tal destino, se assim preferirem) têm sido objecto de estudo há milhares de anos. Cientistas, filósofos e religiosos debateram acirradamente a questão. Jean Paul Satre, por exemplo, foi bastante claro: o homem está condenado a ser livre e tão logo é atirado ao mundo, torna-se responsável pelo que faz.

Mas, se de facto somos seres livres, onde cabe então a filosofia do “maktub” (palavra árabe que significa “já estava escrito”)?

Analisemos uma recente e interessante descoberta científica:

Um estudo mostrou que, talvez o livre arbítrio humano não nos pertença de todo. Neste teste, os pesquisadores deram ao participante dois botões, um na mão direita, outro na esquerda, enquanto o seu cérebro era scanado. O participante tinha de fazer uma decisão aleatória e pressionar um dos botões. Os resultados foram surpreendentes, pois o sistema foi capaz de determinar, correctamente, qual seria a escolha do individuo, 6 segundos antes que ele próprio estivesse consciente da decisão que ia fazer. In QuoraBrainmagazine.

O que significa isso? Significa que são os nossos neurónios (e não nós), os responsáveis pelas escolhas e decisões que fazemos? E nesse caso, o que faz os nossos neurónios dispararem numa e não noutra direcção? A força motriz que os concebeu? Seja como for, para mim, isso não diminui o livre arbítrio humano. Você, por exemplo, tem o poder de decidir, se continua a ler este texto, ou simplesmente se sai da página agora mesmo, não é verdade? Portanto, as nossas escolhas podem ser mudadas a todo o momento, e com isso, podemos mudar a nossa história. Seja lá qual for a força que impulsiona isso.

Entretanto, o ser humano, como qualquer outra criatura neste universo, é apenas uma manifestação fenomenológica de existência, numa série continua de criação cósmica que acontece neste planeta, tudo resultado de um universo em desenvolvimento. O que significa que você, amigo humano, é uma pequena entidade que ocupa a terra, nesse processo de evolução. In Physcology today.

Desta forma, é compreensível que a vida seja “predeterminada” por certos factores externos, como o ambiente, a nossa genética, o lugar onde nascemos, a forma como respondemos a esses factores, entre outros aspectos. Assim, o nosso livre arbítrio acaba sendo limitado pelas circunstâncias à nossa volta.

Voltando agora à pergunta que coloquei no princípio: está nas suas mãos transformar-se no próximo Cristiano Ronaldo, ou isso depende do destino? Oxalá tivesse uma resposta clara para esta questão, mas o certo é que, nesta equação, não cabe a exclusão de um ou de outro factor. A matemática só funciona quando juntamos os dois: o livre arbítrio e o destino. Ambos no mesmo saco. Ou seja: todas as escolhas e decisões que dependam exclusivamente do ser humano enquanto entidade única, formam uma estrada que conduzem a um certo resultado. Assim funciona o nosso livre arbítrio. Este resultado, entretanto, apesar de ser atribuído à responsabilidade do autor do livre arbítrio, pode não ser aquele que foi previsto, pois está condicionado por circunstâncias externas que não dependem apenas da pessoa como entidade única. É nesse resultado e nas circunstâncias, onde escondem-se as artimanhas do imprevisível “destino”, controlado por forças maiores que nós.

Assim, os humanos podem, e devem, tomar as rédeas do seu destino. Para o efeito, é preciso manter-se em constante movimento, fazendo sempre escolhas e decisões, até chegar ao resultado. Pode dar certo, pode não dar. E se não der certo, não era para ser.