Desabafo de uma qawwi

#20|Soneto de fidelidade – Meu casamento, meu pesadelo

É a minha pequena Érica quem lidera o cortejo. Entusiasmada com a tarefa, ela saltita pela trilha de areia, cercada de candeeiros e velas. As suas mãos vão largando pétalas vermelhas. A ínfima quantidade que os seus dedinhos conseguem tirar do cestinho.

Sigo atrás dela, acompanhada pelo pai de Will. Os meus pés descalços estão cobertos pelo longo cetim do vestido cor da lua. O mar e as estrelas, quietos, tentam disfarçar os risos, mas certamente estão espantados. Afinal, conheço Will há quê…? Três anos do planeta terra? Todavia, vendo-o ali, parado, trémulo, sorridente, pronto para jurar-me amor eterno num altar coberto de flores e de sonhos, fico com a impressão de que é a primeira vez que o vejo. E é uma visão que deixa-me muda. Inunda-me os olhos. Quando Will toma-me pela mão, o meu peito transborda. De infinito contentamento.

Caríssimos irmãos – inicia o tal “padre”. O ritual é bastante estranho. Mas na sua estranheza, sinto as palavras tornarem-se uma ponte de cristal, a reflectir a verdade que arde dentro de mim, quando chega a vez de dizer os votos:

– Will: contigo aprendi o que há de melhor nos seres humanos. Aprendi que amar é ter no outro o nosso lar, a nossa alma. Que o verdadeiro amor não vê diferenças, mesmo num universo vasto como este. Eu prometo, perante todos, que vou amar-te com força maior que a da gravidade. Cada segundo em que viver neste planeta.

Will mantém o seu olhar fixo no meu, deixa escapar um leve suspiro, e revela:

– Linan: até há algum tempo atrás, precisamente há três anos, o que eu queria era desaparecer. Despedir-me e esquecer-me de tudo. Mas acabei encontrando-te à ti, e contigo não há despedidas. Agradeço-te, infinitamente, por existires. Sobre o meu amor por ti, confesso com a ajuda de Vinícius de Moraes:

Quero vivê-lo em cada vão momento

E em louvor hei de espalhar meu canto

E rir meu riso e derramar meu pranto

Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure

Quem sabe a morte, angústia de quem vive

Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):

Que não seja imortal, posto que é chama

Mas que seja infinito enquanto dure.

O jantar no restaurante da praia parece estar ao agrado dos 12 convidados. Isso tranquiliza-me. Enquanto dançámos ao som de “Janeiro à Janeiro”, sinto uma mãozinha puxar a cauda do meu vestido.

– Mãe… a tia Fatinha não deixa-me comer o bolo!

Carrego-a ao colo e dou-lhe um leve beijo.

– Daqui a pouco a tia Fatinha deixa, tens de ter paciência, está bem?

Para a minha surpresa, já que é uma criança persistente, Érica acena, desce do colo, e volta a estar com Fatinha, a minha grande amiga, agora também madrinha.

Will encosta a sua testa a minha. Parece esbaforido quando sussurra:

– Se pudesse, casava-me contigo todos os dias, Linan.

Uma falha na corrente eléctrica não permite que responda ao comentário. No minuto a seguir, a escuridão impera. E o meu coração acelera como um raio.

– Érica – é tudo o que consigo murmurar.

– O quê?

– Ele está lá fora. Vallen. Com ela!

A corrente é restabelecida mas eu já lancei-me à porta, sem nem perceber que Will corria na direcção oposta. Lá fora, uma brisa sopra na minha direcção, trazendo a visão que veste a forma do meu pior pesadelo: Vallen. Segurando Érica ao colo. A minha filha está dominada pela influência do poder de um qawwi.

– Linan, Linan… falta de educação não convidar os amigos ao casamento, não achas?

Levanto as mãos e faço emergir várias camadas de energia. Mas preciso encontrar a melhor de atacar, sem ferir Érica. É nesse momento que Will junta-se a mim. Para o meu espanto, vem munido de um arco e de flechas quentes.

Ergue uma das flechas:

– Larga a minha filha!

As sombras de Vallen curvam-se:

– A sério Linan? Tiveste o atrevimento de ensinar um humano a usar as nossas armas?

– Por favor – decido que não quero arriscar a vida de Érica – é a mim que queres, deixa a menina ir.

– Com certeza, Linan – Vallen agarra-se mais à Erica – Podes vir buscá-la quando quiseres. Localizei o qlub da esperança. Saberás muito bem onde encontrar-nos.

E em menos de segundos, tanto ele como a minha filha tinham desaparecido. Vallen acabara de fazer algo que poucos qawwis conseguem: teletransportar-se com um humano.

Os olhos de Will toldam-se de sombras. Ele está lívido. Nunca o vi tão transfigurado. O seu rosto é a moldura acesa do desespero. Da dor, e da fúria. É como se o amor e a vida tivessem secado naqueles poucos segundos.

– Não… eu não posso perder a minha filha!

– A nossa filha, Will. – corrijo com pesar – A nossa filha. Vou trazê-la de volta.

Ele encara-me, rígido.

– Leva-me contigo. Temos de ajudar a nossa filha… leva-me contigo!

Então, uma lágrima cai no meu rosto. Quem me dera ter a capacidade de teletransportar-me para tão longe, levando-o comigo. Mas não posso. Mesmo que pudesse, seria o equivalente a assinar a sua sentença de morte.

– Prometo que a terás de volta, sã e salva. Tão breve, meu amor. Confia em mim.

Fatinha, apercebendo-se do movimento, viera atrás de nós. Ela despe a camisola que traz e coloca-a sobre os meus ombros. Não percebe nada, mas de alguma pressente o terrível destino que me espera. A busca por Érica será longa. E o meu vestido de cetim, não é necessariamente o melhor traje para uma viagem destas.

Despeço-me deles. E dos dias de calor e de amor que tanto ansiamos mas que agora serão substituídas por noites geladas, numa estrada solitária. Olho para as estrelas, em busca de força.

– Linan – Will parece derradeiramente assustado quando segura-me pelo braço – não posso perder ambas. imploro.

Devolvo o olhar. Vejo os aneis nos nossos dedos. E com isso, teletransporto-me.

tenor-3

Imagem: TVD – do canal CW

Desabafo de uma qawwi, Dicas

#18| Imploramos: jamais toque estas músicas no dia do seu casamento

A música é das melhores criações do ser humano. Ela revela os vários sentimentos que trazemos dentro de nós. O meu noivo Will disse-me que num casamento, as músicas tocadas, especialmente as para os momentos mais solenes, definem o tom do próprio casamento. Por essa razão, eu e ele estamos a escolher com rigor os temas que vão ambientar a nossa cerimónia. Segundo o meu noivo, existem músicas que são bastante inapropriadas para este tipo de evento, mas que por serem tão populares (e de facto muito boas) ou por terem um caris (aparentemente) romântico, acabam por entrar no repertório e até são dançadas, sem nos apercebermos de que na verdade trazem uma mensagem oposta daquilo que sentimos ou que gostaríamos de partilhar. Nesta lista, Will e eu seleccionámos algumas músicas que não queremos, de jeito nenhum, no dia do nosso casamento. E partilhamos para que você também implore ao seu DJ para jamais tocar na sua cerimónia.

  1. O grande amor da minha vida – Vavá

Não deixe-se levar pelo título desta música. Você não vai querer dar a entender que está a casar-se mas que o grande amor da sua vida é outra pessoa. Portanto, mate o DJ se ele colocar esta música durante a cerimónia.

  1. When I was your Man – Bruno Mars

Por muito bonita e romântica que seja esta balada, a mensagem é simplesmente lamentável para um casamento.

  1. Suspicious Mind – Elvis Presley

Will e eu adoramos esta música, mas para um casamento a mensagem é inapropriada. Se decidimos casar, com certeza que não estamos presos numa armadilha, nem desconfiados um do outro.

  1. Gold Digger – Kenny Waste

Por acaso o(a) seu(sua) amado(a) é um(a) gold digger? Cremos que não, então, por amor do Deus, não toquemos esta música.

  1. To all the girls I loved before – Julio Iglesias e Willie Nelson

Clássico apelativo, mas totalmente fora do contexto. O dia é dedicado ao amor da sua vida, e não aos amores do seu passado.

  1. A outra – Matias Damásio

De facto, muito popular. Mas dá para um casamento? Escute e tire as suas próprias conclusões.

  1. Its over – Rod Stewart

Apesar de metade desta balada dedicar-se a descrever aquilo que foi um casamento bonito, a música fala de um divórcio sangrento. Risque do repertório

7 – Take a picture of this – Don Henley

A música (tradução) diz algo mais ou menos assim: “no dia do nosso casamento, todos os nossos amigos regressaram para dar os parabéns. Criamos a nossa família, fomos tão felizes. Mas agora essas crianças cresceram e seguiram em frente. Isto é uma mala. Já não há razão para ficar. Passaste toda a tua vida a olhar para fotos do passado. Aqui está mais uma para o álbum. Tira uma foto disto. Eu a ir embora. Tira uma foto disto. Eu a partir.”

  1. Send my love – Adele

Adele é das melhores artistas do planeta, mas sinceramente, é melhor evitar fomentar recadinhos de ex companheiros(as) no casamento. O mesmo aplica-se a outras músicas da Adele, como “somenone like you” e “hello”. Inconvenientes e constrangedoras, no mínimo.

  1. Everybreath you take – the Police

Começamos a entrar em território cada vez mais perigoso. Este maravilhoso clássico dos the Police, a primeira vista parece ser uma declaração de amor, mas não é. Trata-se de alguém com comportamento doentio, de “stalker” (perseguidor). Você não é um “stalker” na vida do(a) seu(sua) amado(a), pois não?

  1. Love Hurts – Nazareth

O amor não dói, nem é espinhoso para quem está a casar. Ou é?

  1. Highway to Hell – ACDC

Dá muita vontade de cantar e seguir o coro deste tema. De preferência usando uns óculos escuros, como nos filmes. 5 será que o altar é uma auto estrada para o inferno? Cremos que não.

  1. End of the Road – Boys II Men

Quantas pessoas já não abriram a sala ao som desta bonita balada? Entretanto, esta música fala de um casal que chegou ao fim da linha no seu relacionamento. Exactamente o oposto do que está a acontecer neste dia tão especial. Nao aposte neste tema para o seu casamento.

  1. You’re beautiful – James Blunt

Esta popular canção já foi muitas vezes escolhida para cortejar a entrada dos noivos na cerimónia. Não é para menos, pois é bastante romântica e de facto, teria tudo para ser perfeita para esta ocasião. Entretanto, o tema narra a história de um homem que lamenta o facto de o seu amor estar longe do seu alcance, ao lado de outro homem. E se prestarem atenção, o final (I will never be with you) não é nada feliz.

Desabafo de uma qawwi

#17| Dúvidas de uma qawwi: qual regime escolher no casamento?

O que é que se espera de uma mulher, uma humana normal, na sociedade terráquea? Que cresça, estude, arranje um trabalho de sucesso, case, e por fim tenha filhos. Esta é a ordem das coisas. Mas eu, pobre de mim, sou uma criatura a parte. Nem mulher, nem humana. Não tenho um emprego convencional e vivo à toa pelo planeta terra em busca de uma missão cada vez mais dúbia. E como um carangeujo, os meus passos foram na retaguarda. “Solteira”, se assim quiserem chamar, ao aceitar ficar com Will, ganhei uma menina que agora é minha filha. E então, depois de ganhar uma filha, aceitei o tal casamento.

As pessoas que desconhecem a minha história acreditam que fiz as coisas de forma errada. Têm pena de mim, consideram-me a “desgraçada que aceitou criar a filha do outro, sem sequer casar”.

Será que elas têm noção do que estão a dizer? Sabem a minha trajectória (como vocês sabem)? Claro que não. O mundo de fora julga-nos, alheio às nossas razões, aos nossos caminhos, e à nossa história. O universo supera comandos sociais. E embora estes tenham a sua razão de ser, não podemos esquecer que o universo concebeu cada um de nós com fórmulas únicas. Não adianta quereremos seguir o mesmo caminho. Caranguejos e cavalos, todos têm a sua corrida. É apenas uma questão de tempo.

Pois bem. Eis-me aqui, num novo caminho. Antes de vir a este planeta, desconhecia por completo a noção de “casamento”. Fiquei com medo. Daí a inicial reluctância em aceitar. Mas Will é persistente. A esta altura ele já devia saber que um papel assinado não vai assegurar, mais do que o meu abraço, que o amarei por toda a minha vida. Facto é, entretanto, que para ele e para os humanos no geral, esta oficialização é importante. E eu respeito isso. Respeito, acima de tudo, o humano que o meu coração escolheu. E estou contente em poder planear com ele todos os detalhes da cerimónia. Este mês vai ser muito agitado! O tal “casamento”, nas suas várias formas pelo mundo, costuma ser um evento assinalado com muita pompa e circunstância. O nosso não será necessariamente assim. Will teve que ceder e contentar-se com uma cerimónia bastante restrita.

Iremos fazer o enlace numa praia (oh mar, a mais bela das coisas da terra!) num lugar que é especial para mim: Moçambique. Depois dos últimos eventos, decidimos buscar refúgio nesta terra, por uns tempos. Na cerimónia, seremos nós dois, a nossa filha Érica, os pais de Will e a minha amiga Fatinha. Talvez mais alguns amigos comuns. Não mais de doze pessoas.

Há, entretanto, alguns aspectos do casamento, em toda a sua natureza e propósito, que são de difícil compreensão para uma qawwi como eu: o registo civil. O que será que isto implica? Embora para mim seja, sinceramente, despropositado, entendo e reconheço que pela condição humana e o meio em que esta espécie vive, seja de vital importância. Andei a estudar a questão e descobri algumas informações que podem ser úteis, não só para mim, mas para quem também estiver a organizar o seu casamento. O regime de bens a adoptar. Vamos analisar juntos?

Convenção antenupcial

acordo nupc

O casal pode optar, ou não, por um documento chamado “convenção antenupcial”. Se os noivos optarem por fazer uma convenção antenupcial, poderão escolher o regime que querem que se aplique na gestão dos bens do casamento. Entre outras matérias, podem também definir neste documento, como como será, por exemplo, a guarda dos filhos em caso de divórcio.

Estranho, não é? Mas para vocês humanos, talvez faça todo o sentido.

Comunhão de bens adquiridos

sharing 2

Na falta da tal convenção antenupcial, o casamento considera-se celebrado sob o regime de bens adquiridos. O que significa que todos os bens adquiridos pelo casal depois do casamento, são de ambos (excepto bens que recebam como doação ou herança, ou material de trabalho de cada um).

Regime da comunhão geral de bens

Se o casal adoptar este regime, significa que o património comum é constituído por todos os bens presentes e futuros do casal. Ou seja, todas as coisas serão nossas.

Regime da separação de bens

imagesX7KXRHQQ

Se o casal adoptar este regime, cada um deles conservará o domínio de todos os bens futuros e presentes, podendo dispor livremente desses bens. Ou seja, o que é meu, é meu, o que é dele, é dele.

Espero que para vocês humanos a informação seja útil e faça sentido. Quanto a mim, completamente sem ideias. Algum conselho?