Lançamentos!, Livros, Resenhas

Lançamentos e novidades: novas vozes femininas na escrita moçambicana

Olá amigos planetários,

Hoje vamos partilhar novidades em torno de alguns novos livros e vozes jovens femininas que surgem no panorama da escrita moçambicana. Algumas das obras que iremos mencionar, poderão ser adiquiridas no dia 28 de Setembro de 2019, na exposição de venda de livros, obras escritas estritamente por escritoras moçambicanas, na FEIMA. Para além das novas autoras, a feira terá obras de outros nomes como Emmy Xyx, Rinkel, Melita Matsinhe e Hirondina Joshua.

Esta accão enquadra-se no projecto Mulher e Letras que tem como objectivo promover e enaltecer o trabalho da mulher ligada à actividade literária como parte integrante do universo moçambicano de letras.

Boas novidades ou boas novidades?

Vamos conferir:

  1. Teresa Taimo – O Regresso do descontente (prosa)

6f0b1703-abdc-4e9a-aacd-14251cf5dfff

Teresa Taimo publicou a sua primeira obra literária “o regresso do descontente” em Maputo, no passado dia 17 de Setembro, numa cerimónia militar. Abaixo segue uma apresentação da obra, cortesia da autora:

“O regresso do descontente é uma obra de caris multicultural, que tem como pano de fundo a área militar, e retrata a vida de dois jovens de regiões, culturas e posições sociais diversas de Moçambique. Eles veem-se na contingência de partilhar hábitos, costumes e crenças de ambos, influenciando-se entre si e conciliando o seu modo de vida no ambiente em que se inserem. Nesta convivência, encontra-se, por um lado, Pedro Costa, filho de Ministro, jovem mimado e abastado, que nasceu e cresceu na cidade capital e nunca teve contacto directo com a cultura dos seus ancestrais. Por outro, Murimane Mavile, descendente de camponeses, de origem bastante humilde, cujo o passado se resumiu ao trabalho em prol dos seus ascendentes. Conhecedor da tradição do seu povo como ninguém, acumulou experiências que o tornam ancião em corpo jovem.

Os dois jovens destacam-se como protagonistas desta estória que cruza classes sociais e revela claramente as consequências que podem adir da estabilidade financeira ou da sua carência nesta faixa etária. As tradições conjugadas, os tabus e mitos da vida militar que o tempo não conseguiu apagar, fazem entre as linhas sagradas deste romance que em muito nos irá identificar.”

2. Sadya Bulha – Um pé de amarílis (prosa)

Sadya Bulha vai lançar a sua primeira obra, intitulada “um pé de amarílis” no decurso da semana de 24 de Setembro de 2019, em Chimoio. O livro em breve andará pelas livrarias, então, fique atento.

3. Karina Jamal – Meu chefe, meu pecado (prosa)

566a7c56-0000-49db-be87-8517c2fbb4d6

Karina Kamal tem duas obras publicadas: uma em poesia (bipolaridade do amor) e outra em prosa (meu chefe, meu pecado). A última foi lançada este ano (2019).

4. Cláudia Chatonda Elija – A almadia de remos negros (poesia)

capa_ebook_448

Cláudia Chatonda Elija é natural do Songo (Tete) e identifica-se com Florbela Espanca. Estreia-se na poesia com “A almadia de remos negros”, livro que sai com a chancela da Chiado Editores, lançado há cerca de três meses (Junho de 2019).

Leia e compre aqui

Alguém aqui curioso para ler algumas das obras acima? Vai ter resenha aqui a bordo? Sim, muitas 😊

Lançamentos!, Livros, Opiniões

Meu chefe, meu pecado

6e3bc5a3-c8dd-476c-842f-99d476f6c0d9

Autora: Karina Jamal

Edição: 2018

Real Design

 

 

 

 

O convite para o lançamento desta obra circulou muito nas redes sociais. Tanto, que acabou atraindo a nossa atenção, pese embora nunca tivéssemos ouvido falar da autora. Para começar, gostaríamos de dar os parabens a Karina Jamal, por escolher, entre tantos hobbies e desafios, este que é dos mais exigentes e só persiste por genuína paixão: a escrita. Felicitamos a autora não só por escrever, mas também pela coragem de lançar a obra de forma independente, num mercado editorial de natureza complexo (mas também, o que é que não é complexo?). Para nós do diário de uma qawwi, todos que trilham por este caminho merecem a nossa atenção e admiração.

Com relação ao livro: o romance é ambientado em Maputo e traz a história de uma jovem secretária que apaixona-se pelo chefe e envolve-se com este, num relacionamento secreto e um pouco, digamos, desiquilibrado. O título, típico das fan fictions abundantes no Wattpad e outras plataformas do género, já dava esses indícios. Por falar em fan fiction, é mesmo essa impressão que dá meu chefe meu pecado: de estar na trilha de 50 sombras de Grey. Não lemos o Grey. Mas sabemos que a legião de fãs discute alguns valores morais na referida obra. De igual forma, nós também questionamos a protagonista que Karina oferece, a qual desconstrói a noção de independência emocional da mulher. Ou do ser humano no geral, se assim quiserem. Por outro lado, encontramos no par da protagonista, um protótipo cada vez mais típico na sociedade masculina, pelo que, é um tipo de personagem facilmente de reconhecer entre nós. Seja como for, há muitos apreciadores deste gênero, razão pela qual, esta obra, poderia, por ventura, encontrar um apreciável nicho no mercado.

Todavia, não é só de história que vive a narrativa. Se a autora trouxe uma história de pecados no ofício, nesta resenha gostaríamos de falar de alguns pecados na escrita.

O mercado editorial de hoje tem outra face. Aspirantes a escritores já não precisam de levar com portas na cara, de editoras que só apostam em autores que enquadram-se nas suas directrizes. A possibilidade da auto publicação nunca esteve tão mais disponível quanto na actualidade. Grandes autores, como John Grisham, por exemplo, começaram assim a sua carreira.

É certo, porém, que o escritor que sai pela chancela de uma editora tem mais ajuda e facilidade para fazer chegar um maior número de obras ao público, e consequentemente, estar mais propenso a atingir o sucesso. O que não significa que um autor independente não possa igualar.

O que há então de comum entre estes escritores? Ambos seguem algumas regras básicas. Leitura como ferramenta de trabalho diária, e revisão na construção do texto. Por melhor que o escritor seja, é aconselhável solicitar, sempre, a revisão de um terceiro. Reparem que, mesmo após muita revisão, escapa sempre um ou outro erro. Que dirá na total ausência? A autora de meu chefe meu pecado, desculpou-se na nota, pelos eventuais erros de revisão, visto que ela própria encarregou-se desta actividade. Efectivamente, os olhos de um escritor estão tão habituados à sua obra, que não detectam as falhas, as quais podem, por fim, comprometer bastante a leitura.

A capa é sugestiva, mas a diagramação e a paginação podiam ser melhores. Fora isto, temos fé que a manter-se a paixão de Karina, e se ela aplicar melhor as ferramentas apropriadas, poderá vir a contribuir para este género no mercado editorial.