Livros

Literatura|”A triste história de Barcolino” – Lucílio Manjate|- Opinião

IMG_7438

Edição: 2018; Editora: Cavalo do Mar

Sinopse:

“A triste história de Barcolino, o homem que não sabia morrer, é uma novela sobre um pescador que desaparece nas águas do Índico e retorna, inesperadamente, à sua comunidade, assombrando a todos. Ninguém sabe se ele é um morto disfarçado de vivo ou um vivo que se faz de morto.”

Opinião:

A capa e a diagramação do livro (Ed. Cavalo do Mar) estão impecáveis e tornam a leitura prazerosa. A propósito disto, uma pausa para estender uma saudação à Editora Cavalo do Mar pela qualidade no acabamento dos livros que tem estado a produzir. Voltando ao tema, a novela é ambientada na praia da costa do sol e no bairro dos pescadores, transformados num mundo fantástico, onde se reúnem os personagens (os vivos, os mortos e claro, os indecisos). Nesta obra, Lucílio Manjate retrata a morte, a dor e os mitos à volta do mar. Há uma trágica beleza, talvez até cómica, nas reflexões do narrador. Eis algumas passagens:

“Naquela noite levei Barcolino à minha casa. É óbvio que estava com medo. Como se hospeda um morto? Mas aquele não era um morto qualquer, não era um morto desconhecido. Era o tio Barcolino.”

“A paixão é uma ilusão, mas a única que nos concede o direito de sermos autênticos.”

A escrita de Lucílio não só é original, como também inundada de alma. O único senão desta obra, a meu ver, é a sua brevidade. Entendo que esta seja uma característica das novelas, mas neste caso, a história de algumas personagens (todas elas caricatas e complexas) podia ter sido um pouco mais aprofundada. Como leitora gostaria de ter conhecido melhor, por exemplo, o próprio narrador, personagem que deixou-me curiosa. Fiquei também numa espécie de limbo com relação a situação do protagonista Barcolino, mas creio que tudo isso tenha sido propositado pelo autor, que quer fazer-nos reflectir sobre alguma coisa. Em resumo, é um óptimo livro, leve, por isso recomendo-o.

Sobre o autor: Lucílio Manjate tem uma vasta obra em prosa, ensaios e infanto-juvenil, com destaque para “Rabhia” (Edições Esgotadas, 2017 e Prémio Literário Eduardo White), “A Legítima Dor da Dona Sebastião” (Alcance Editores, 2013), “Os Silêncios do Narrador” (AEMO, 2010 e Prémio Literário 10 de Novembro), entre outros títulos.

A nossa pontuação: 4 em 5 estrelas.

(por VF – da tripulação)