Outras maravilhas humanas, Resenhas

Maravilhas Humanas| Artistas inspiradores: Calema, a importância da originalidade

Calema-0A8A4616-860x507-1547220429.jpg

Imagem fonte: RTP

Ondas. Elas podem ser calmas, melódicas, propícias a embalar. Ou furiosas, absorventes, rápidas a arrasar. Os Calema são uma mistura de ambas as facetas. Talvez por essa razão a dupla de irmãos tenha escolhido este nome, que tão bem os representa. Calema significa isso mesmo “Ondas”. O mais velho chama-se Fradique. É 5 anos mais velho que o outro, António. Nasceram em São Tomé e Príncipe, descendem de cabo-verdianos, portugueses e angolares. Nutriam desde novos uma forte paixão pela música e lançaram o primeiro álbum em 2010. Actualmente são uma das grandes referências e um dos maiores fenómenos musicais em Portugal.

Enquanto António tende a liderar os vocais, ocupando-se do microfone que não deixa antever uma certa sombra de timidez, Fradique interage com o público, lançando toneladas do seu carisma. Ambos têm vozes vibrantes, são humildes, e juntos deixam-nos abismados pelo infinito talento. Mas mais do que talento, na resenha de hoje, um tanto pessoal, gostaria de relembrar o que aprendemos com os Calema. Uma premissa fundamental para o nosso dia a dia: quem define o que somos, somos nós.

Nos concertos a abarrotar por milhares de fãs, Fradique e António fazem a questão de frisar: “a probabilidade de falharmos era de 99%. Mas foi ao 1% de chance que nos agarráramos”.

É verdade. Antes de triunfarem e transformarem o seu conto de fadas em realidade, eles tiveram muitos percalços e alguns nãos. Duros nãos. Em 2013, por exemplo, altura em que ainda não eram tão conhecidos como hoje, subiram ao palco do programa The Voice na França, com os olhos brilhantes de esperança. Cantaram um tema do brasileiro Gustavo Lima. Aliás, a influência da música brasileira no trabalho dos Calema é notável, especialmente em alguns temas dos primeiros dois álbuns (Ni Mondja Anguené e Bomu Kêlê). Há quem diga que foi por terem escolhido a música errada. Seja como for, a verdade é que o jurado do The Voice não apertou o botão. Nenhum deles virou a bendita cadeira. E isso deve ter sido difícil para a dupla. Era como se naquela noite lhes dissessem que não eram bons o suficiente. Sem falar das adversidades que são naturalmente expectáveis para quem escolhe este tipo de percurso.

Mas os irmãos não baixaram a cabeça. E ainda bem que o jurado do The Voice não apertou o botão! As forças do Universo tinham outros planos para os dois rapazes. Eles estavam destinados a fazer algo que mais ninguém no mundo havia feito.

Em 2015, lançavam o segundo álbum Bomu Kêlê. Em português significa Vamos Acreditar. Foi então que começaram a ganhar mais notoriedade. E foi por acaso, nessa altura, que os ouvi pela primeira vez, na rádio. Julguei que fossem bem mais crescidos, por tanta carga emocional e experiência que imprimiam nas suas cancões. Comprei o álbum e de pronto tornei-me fã. Amole Mu tonrou-se tema de inspiração. Sentia um contentamento melancólico ao escutar Coro Coço, dançava (e farto-me de dançar) ao som de Mama Ê, divertia-me com Qual será, e ai de mim não poder assobiar com o Vou viajar. Decidi escrever à dupla, nas redes sociais, contando que tinham uma grande fã em Moçambique. Pela resposta, pareceram positivamente surpresos. Disseram que adoravam o povo moçambicano, agradeceram por acreditar neles e pediram que continuasse a divulgar o seu trabalho junto aos meus amigos, para que mais depressa pudessem vir a Moçambique. Teria o feito na altura (o que agora faço), mas a verdade é que não foi preciso. Depressa os Calema já dominavam as rádios, as colunas das discos e das farras por todo o país. Ficamos a saber que tinham vencido o STP Music Awards de 2015 (gala de música da República de São Tomé e Príncipe) em quatro das cinco categorias.

Bomu Kele album

E que deleite foi poder vê-los em 2017, a actuar na discoteca do Main.

O tempo passou e os Calema continuaram a trabalhar. Veio o álbum A nossa Vez (A.N.V) com temas ligeiramente diferentes dos anteriores, e que depressa tornaram-se espantosamente populares como o Vai, Ciúme, e o próprio A Nossa Vez. O álbum foi certificado com o disco de ouro. E adivinhem o que é que hoje em dia se canta nos palcos dos “the voice” da vida? As músicas dos Calema!

A nossa vez calema

Em Dezembro de 2019, a dupla anunciou o lançamento do seu mais recente trabalho: Yellow. Um dos temas (intitulado “abraços”) já está disponível no youtube (será que se inspiraram na campanha australiana dos abraços?). Mal posso esperar para conhecer este novo trabalho e claro, fazer uma resenha sobre o mesmo. Todavia, é mesmo Bomu Kêlê que ficou no coração e sobre o qual gostaria de repisar. Afinal de contas, sempre que penso em desistir dos meu próprios sonhos, tento lembrar-me destes meninos, que transformaram os nãos que ouviram em alavanca para o seu sonho. O que muito brilhou e os tornou especiais? Julgo que algo um tanto pessoal, frágil, que uns têm, e outros não: a originalidade. Em Bomu Kêlê, os dois irmãos tiveram participação em tudo, desde a composição de todas as músicas, até a produção. “Sinceramente achamos que os são-tomenses e não só, vão adorar. Porque fizemos os possíveis de cantar para o mundo sem no entanto, perdermos a nossa identidade, ou seja a nossa cultura. Nós acreditamos que a música são-tomense bem produzida tanto na vertente letra como também na melodia pode ter sucesso em todo o mundo” (FNAC) disseram eles na altura. Amém à isso.

É fácil vermos artistas, em todas as vertentes, perderem a sua originalidade. Nas demandas do mercado, entram numa louca e desvairada corrida, seja nos palcos, nos meandros literários, na TV ou ou passerelles, para adaptarem-se a um conteúdo mais comercial, mais “trending”, ou mais de acordo com os “standards” de quem os gere. E lá se vai a tal originalidade, sem a qual, o artista passa a ser apenas mais um número popular.

Quando vi o cantor brasileiro Zezé Di Camargo (certamente mais entendido que eu na matéria) partilhando o mesmo palco com os Calema e a pedir-lhes que cantassem o tema coro coço, por ser uma das coisas mais lindas que ele já ouvira até hoje, soube que era infalível. Há alguma magia nesta originalidade a que me refiro e que deve ser preservada.

Que os Calema (e todos artistas no geral) continuem a conquistar o mundo, sem nunca perderem o toque de magia que os impulsiona. E que voltem, muito em breve, aos palcos de Moçambique.

Por Virgília Ferrão

(Da tripulação da Qawwi)

Resenhas

7 passos para superar o fim do relacionamento através da música

O fim ou a perda de qualquer relacionamento humano (amizade, namoro, rompimento familiar) é doloroso. Especialmente quando a pessoa com quem rompemos é importante para nós. Por isso os psicólogos equiparam à uma perda física. É dito, inclusive, que os 5 estágios da perda (negação, negociação, ira, depressão e aceitação) também aplicam-se a um rompimento.

Há quem atravessa esses estágios de uma vez. Há quem o faça aos poucos. Há quem não segue a sequência, e há os mais fortes, que dispensam algumas ou todas essas etapas.

Onde entra a música aqui?

Bom, canções não servem somente para entreter. Elas têm um impacto mais profundo no nosso consciente. Assim é, que na psicologia desenvolveu-se a corrente da musicoterapia.

A resenha de hoje traz temas musicais, que podem servir de terapia no processo do rompimento, caso o seu coração esteja a atravessar uma fase mais cinzenta. Vamos a isso?

Fase 1 – Em buscas de respostas

anxiety-in-teens-300x200.jpg

A fase mais melancólica e dramática. Não importa se você é homem ou mulher, se foi obrigado(a) a terminar, ou se foi você o largado(a). Nessa altura, é normal buscar-se respostas.  Questionar o porquê do fim. Afinal, a repentina ausência daquela pessoa, dói. Aproveite para escutar as músicas nesta secção. Sinta-se à vontade para gemer na almofada, pois não há vergonha nenhuma nisso. Faz parte do processo.

Where did we go wrong – Toni Braxton e Babyface

Onde é que falhamos? Será que é tudo culpa minha?”

Ilegal – Shakira

Desde que foste embora, ando a roer as unhas. E a fazer-me as mesmas perguntas, de novo e de novo

Fase 2 – Negação

5a0da6c2ec1ade789555ae4f-750-500.jpg

Imagem: Shutterstock / Antonio Guillem

Claro, tem aqueles momentos em que simplesmente nos recusamos a aceitar que acabou. E agimos como verdadeiros tolos. É normal. E há quem está pior que nós. Escute:

Impossível acreditar que perdi você – Toni Platão

Não, eu não consigo acreditar no que aconteceu. É um sonho meu, nada se acabou. É impossível, não consigo viver sem você. Volte, venha ver, tudo em mim mudou

Fase 3 – Negociação

begging-not-to-leave-young-women-crying-standing-knees-her-leaving-husband-embracing-him-124156524.jpg

E então, caímos na asneira de implorar e tentar negociar. Dizemos que vamos melhorar os nossos defeitos, que vamos abandonar certos hábitos (ao estilo super dramático de Leonardo). Não faça nada disso. O amor não se mendiga. Ninguém muda nem dá nada, se não quiser fazê-lo por iniciativa própria. Portanto, Se for negociar, inspire-se na música abaixo, só e somente se achar que de facto vale a pena lutar por esse amor.

If you leave me now – Chicago

Se me deixares agora, levarás grande parte de mim. Por favor, não vás. Quero que fiques. Um amor como o nosso é difícil de encontrar

Fase 4 – Recaída

A certa altura, um dos dois vai ficar tentado a voltar atrás. Nem que seja apenas para relembrar os velhos tempos. Nesse momento, entra-se numa espécie de limbo. Afinal de contas, a relação terminou, mas vocês continuam a ver-se. Lembre-se apenas de uma coisa: você não nasceu para ser joguete. Grandes são as chances de as coisas continuarem onde estão, ou seja, no término. Para o seu próprio bem, evite as recaídas. Vá mas é sair com amigos, curta aquele futebol, aquele cineminha e quando sentir-se prestes a cair em tentação, dance ao som destas canções:

Dance you off – Benjamim Ingrosso

Quero apenas dançar até esquecer-te. Quero sentir este momento com qualquer outra pessoa, menos tu. E vou conseguir

Call me when you’re sober – Evanescence

Não chores para mim, se me amasses, estarias aqui comigo. Se me queres, vem encontrar-me. Decide-te

Fase 5 – Ira

05e9e0fdb59a4f2c813abab48346348c2018293204523970

O fim de um relacionamento, principalmente se repentino e “injusto”, pode deixar-nos irados. Por tudo o que sofremos, temos todo o direito de nos sentirmos zangados. Liberte a fúria, e grite ao som destas músicas:

Love yourself – Justin Bibier

Tenho estado tão concentrado no trabalho que nem me apercebi do que estava a acontecer. A verdade é que durmo melhor sozinho

Irreplaceable – Beyoncé

Não vou derramar uma lágrima por ti. Nem perder uma sequer noite. Porque na verdade o que impora é que substituir-te é muito fácil

Never ever – Taylor Swift

Nós nunca, nunca, jamais, voltaremos a estar juntos

Enquanto eu brindo cê chora – Bruno e Marrone

Enquanto eu brindo ‘cê chora. Porquê não levanta da mesa tem táxi lá fora? Você se achava perfeita, insubstituível. Te ver desse jeito chorando era tão previsível

Fase 6 – Aceitação

untitled

Source: Image Source/Dan Bannister / Getty

Depois do momento da ira, começamos a aceitar a realidade. Acabou. É normal sentir saudades. Ainda assim, somos capazes de compreender que a dor aos poucos passará. Há que ter paciência e ser gentis connosco mesmos.

 Better in time – Leona Lewis

Com o tempo, vai melhorar

Sleeping with a broke heart – Alicia Keys

Esta noite vou encontrar uma forma de seguir sem ti

Fase 7 – caminho da esperança e rumo ao futuro

Benefits-of-Traveling-Alone-as-a-Solo-Female-Traveler-Breathe-Travel-1.png

Imagem: Pinterest – in Breath Travel

E então, chega a fase em que você volta a sentir-se forte, de bem com a vida, cheio(a) de esperança. Celebre a vitória do coração sarado ao som destas músicas:

Survivor – Destiny Child

“Sou uma sobrevivente, não vou desistir, continuarei a sobreviver”

I’m still standing – Elton John

“Continuo em pé. Bem melhor que antes”

I’m still breating – Toni Braxton

“Achaste que o meu mundo ia acabar, no momento em que saíste por aquela porta? Não, não eu. Ainda estou a respirar”

A canção campeã…

Afinal de contas, o mais importante, antes de tudo e de qualquer coisa, é sabermos ser felizes, perfeitamente sós. Procede?

Perfeclty lonely – John Mayer

Nada por fazer. Ninguém senão eu próprio. E é tudo o que eu preciso. Estou perfeitamente só. E é desse jeito que quero estar

Outras dicas:

Quando estiver triste por causa de um rompimento, tente fazer coisas que o animem. Não remoa o assunto. Foque-se em si, viaje bastante, esteja com amigos(as), divirta-se, e sobretudo, ame-se muito. Não se agarre ao passado, nem se deixe levar pelo pensamento de que você fez algo de errado. Se terminou, talvez, simplesmente, não fosse para ser.

Desabafo de uma qawwi

#19|Músicas para o casamento: as 30 melhores escolhas dignas do grande dia

#tumblr_om9ycln8FG1qdt9vpo2_500

Imagem (GIF): TVD – do canal CW

Não imaginei que houvesse tanto para pensar e organizar em torno de um casamento. Desde a escolha dos padrinhos, a etiqueta, o orçamento, a roupa, o menú de copo de água, até a música de ambientação. Felizmente para mim e para Will, muitos destes aspectos são simples de resolver, já que optamos por uma cerimónia discreta, com apenas uma dúzia de convidados. Neste exacto momento, depois de ter experimentado o meu vestido de noiva, coloco headphones nos ouvidos para escutar a playlist organizada pelo meu noivo. Já escolhemos as músicas que não queremos para esse dia. Agora é chegada a hora de seleccionar aquelas canções que sussuram directo aos nossos corações.

A playlist de um casamento deve ser equilibrada para agradar tanto os convidados como os apaixonados. Para os momentos mais solenes, normalmente são escolhidas músicas pessoais, que têm uma história para o casal, ou que mostram a sua personalidade / o seu estilo. Na ausência de uma música pessoal, existem temas clássicos que de igual forma desempenham, e maravilhosamente bem, o mesmo papel. É como se estas músicas tivessem sido escritas especialmente para você, e para todos que estarão consigo neste grande dia. E no geral, são músicas agradáveis para qualquer ouvido.

Vamos escolher juntos?

PARTE 1 – ENTRADA OU ABERTURA DE SALA – PADRINHOS

  1. Unforgatable – Nat King Cole

Conforme o próprio título, este elegante clássico é inesquecivel e encata até os dias de hoje. Escute

2. At last – versão de Beyónce (original Etta James)

Esta canção carrega classe. Não foi por acaso que o ex-presidente dos EUA Barack Obama e a esposa Michelle, abriram a sala no dia da tomada de posse ao som desta melodia, na interpretação de Beyoncé. Escute

PARTE 2 – ENTRADA OU ABERTURA DE SALA – PAIS

3. Criação divina – Paula Fernandes e Zezé Di Camargo

Canção que fala universalmente do amor. Escute

4. To make you feel my love – versão de Adele

Na melodia e na voz de Adele, esta música derrete o mais frio dos corações. Escute

PARTE 3 – ENTRADA DOS NOIVOS NA IGREJA, NO REGISTO E NA RECEPÇÃO

Os tradicionais

Bride walking down aisle with father

Crédito foto: Zigy Kaluzny-CharlesThatcher/The Image Bank/Getty Images

5. Marcha Nupcial

Para os mais tradicionais, a entrada pode ser feita ao som da marcha nupcial neste belo arranjo. Escute

Os modernos

dance-vid590x041611

Crédito foto: Wedding Frog

Hoje em dia pode inovar-se nestas “entradas triunfantes”. A T-Mobile inclusive idealizou numa campanha, como seria uma animada entrada da família real do Reino Unido no casamento de Kate & William (veja aqui o vídeo da dança do casamento real que na altura tornou-se viral).

Assim sendo, os mais ousados que se sentem inclinados a entrar em ambiente de farra num beat mais uplifting, numa coreografia sensual ou engraçada, podem optar por um destes temas:

6. You’re the first, the last, my everything – Barry White – Escute

7. Shape of you – Ed SheeranEscute

8. I got a feeling – Black Eyed PeasEscute

9. Happy – PharellEscute

10. Just the two of us – Bill WhitersEscute

Já os mais românticos, podem entrar com temas como estes, que são verdadeiras e emocionantes declarações de amor de quem e para quem, está a subir no altar.

11. Porque queremos ver-nos – Vanesa Martin feat Matias Damásio – Escute

12. Beautiful in white – Westlife – Escute

13. Marry me – Train – Escute

14. From this moment on – Shania Twain – Escute

15. Thousand years – Cristina Perry – Escute

16. Amole Mu – Calema – Escute

PARTE 4 – ABERTURA DE SALA

dancing

O momento mais especial para os apaixonados noivos merece uma música a altura. Qualquer um dos temas abaixo dignifica o momento:

17. De Janeiro e Janeiro – Roberta Campos e Nando Reis – Escute

18. I finally found someone – Bryan Adams feat Barbra Streisand – Escute

19. Soul on Soul – Rod Stewart – Escute

20. For the first time – Rod Stewart – Escute

21. Heaven sent – Keyshia Cole – Escute

22. Loucos – Matias Damásio – Escute

23. Para tu amor – Juanes – Escute

PARTE 5 – ATIRAR O BOUQUET DA NOIVA / LEILÃO DA GRAVATA DO NOIVO (OU OUTRAS BRINCADEIRAS/ TRADIÇÕES TOLAS)

why%20do%20brides%20toss%20the%20bouquet.jpg

Foto crédito: Instagram: @wife_and_husband_247

Este são momentos de diversão e alegria. E já que a ideia é dar sorte aos solteiros, ninguém vai ficar parado se o DJ soltar uma destas animadas e vibrantes músicas.

Noivas:

24. Walking on sunshine – Katrina & the Waves – Escute 

25. Single ladies – Beyonce – Escute

Noivos:

26. Marry you – Bruno Mars – Escute

27. Number one – Mr. Bow & Liloca – Escute

PARTE 6 – CORTEJO DE SAÍDA

183_1Petal_grand_exit(PatriciaSuzanne.com).jpg

Foto crédito: DJ Plus

E que tal sair da cerimónia em grande estilo, ao ritmo destas fabulosas músicas? Palmas, flores, fogos de artifício, bolhas de sabão, balões… tudo será bem vindo. Afinal, é uma nova vida que começa.

28. Time of my life – Bill Medley & Jennifer Warnes – Escute

29. Save the last dance for me – Michael Buble – Escute

30. Wedding Day – Brenda Fassie – Escute

*************************************************************************************

E porque tem uma história e significado especial para nós, Will e eu escolhemos para entrada na recepção a música Just the two of us, e para a nossa dança especial, a música de Janeiro e Janeiro.

Outras maravilhas humanas

Moçambique Top 8: se ainda não ouviu – vale a pena ouvir

Aquando da compilação de algumas curiosidades sobre Moçambique (veja aqui 12 Factos que você desconhece sobre Moçambique) o primeiro país onde aterrou a nossa qawwi, muitos leitores trouxeram à nossa atenção um aspecto que ficou por ser ressaltado: a qualidade e as circunstâncias de algumas músicas que prestigiam o país.

Com efeito, os leitores relembraram-nos que Moçambique serviu de inspiração para músicos como Bob Dylan, com o tema que leva o mesmo nome e que pode considerar-se uma serenata ao país (álbum Desire – 1976):

Mile Davis, que criou “Catembe” para o álbum Amandla, de 1989:

https://www.youtube.com/watch?v=c8hqk2zF2G4

Bob James e David Sanborn, que fizeram o tema “Maputo”, para o seu álbum “Double Vision”, lançado em 1986:

Avante.

No post de hoje, iremos partilhar alguns temas produzidos por artistas do país, contemporâneos, alguns não tão conhecidos como os acima mencionados, mas igualmente fabulosos. Ou seja, se por alguma estranha razão cósmica você ainda não os conhece, prossiga com a leitura para matar a curiosidade.

Continuando: problemas cósmicos a parte e sujeito à apreciação subjectiva de cada um de vocês, acreditamos que os temas abaixo compilados, também exaltam a qualidade musical e de facto, valem a pena ser escutados.

Vamos conferir?

  1. Wene – Banda Kakana

A banda Kakana há muito que conquistou os corações dos moçambicanos. Temas como “Xiluva” e “Serenata” tornaram-se hinos de referência. A música “Wene”, um pouco mais recente que estas outras, continua a espelhar-se no estilo que cativou os apreciadores da banda. Confira:

  1. Apelamos a paz – Ronny Felipe

Para além do facto de ter um vídeo clip bastante emotivo, ressalta neste tema a relevância do apelo que não deve ser esquecido e a linda guitarra acústica. Confira:

https://www.youtube.com/watch?v=-4b8MPDL0N8

  1. Te Kizombar – Dom Kevin

Relativamente novo no espaço musical, Dom Kevin já promete arrancar suspiros dos amantes deste género. Confira:

  1. Mozambique – Selma Uamusse

A voz maravilhosa desta artista e a intensidade dos instrumentos nesta contagiante música, não permite nenhum coração ficar parado. Toca a vibrar o som do belo Moçambique.

https://www.youtube.com/watch?v=pvFk6l-TK6A

  1. Egumi Yah África – Emerson Ft Mazu

Poesia e reflexão, rimas e contrastes, são os pontos que convergem nesta agradável melodia com forte presença de instrumentos locais. O tema é interpretado pelo advogado e cantor EmerSOM, em colaboração com Mazu. Confira:

  1. Wansati – Rodhália Silvestre

Não é por acaso que a cantora venceu há pouco o prémio de melhor voz no festival Ngoma Moçambique 2018. É uma voz para lá de potente! Confira:

  1. Without you – Betto Jason

É difícil não nos apaixonarmos pelo saxofone neste tema. Para não falar do subtil, mas intenso coro de apoio. “Without you” é óptima para ouvir num momento mais descontraído, de preferência com um copo de vinho ao lado. Definitivamente das nossas preferidas. Ouça:

  1. Moya – Isabel Novella

Com a carreira lançada a nível nacional e internacional, Isabel Novella tem uma das vozes mais doces do país. A mistura de estilos e de línguas neste que é um dos seus primeiros temas, confere-lhe bastante originalidade. Nunca cansa. Ouça:

Gostou das nossas sugestões? Deixe os seus comentários e não se esqueça de subscrever ao blog ou de seguir-nos via facebook para acompanhar as novidades: https://www.facebook.com/qawwi.reviews