Outras maravilhas humanas

LET’S DO IT MOÇAMBIQUE – UMA NOVA CONSCIÊNCIA

“O Let´s do It é um movimento cívico, pacifico e não político, baseado na cooperação entre povos, comunidades, organizações e indivíduos de todo o planeta, através do exercício de cidadania activa. Com origem na Estónia, em 2008, e cerca de 50 mil voluntários, espera-se que 150 países participem no Dia Mundial da Limpeza. Na África Austral dezenas de países, incluindo Moçambique, estão a organizar mobilizações massivas contra os focos de lixo.” – In Jornal Notícias – Março de 2018.

O evento mencionado no texto acima aconteceu no sábado passado, dia 15 de Setembro de 2018. Tinha feito planos para acordar cedo, mas como humana cheia de pecados que sou, falhei por completo e quando saí de casa o sol já se ria de mim, demasiado malvado para perdoar o atraso. À medida que avançava pela estrada, via-os surgirem como pipocas por todos os lados: estudantes, amigos, pais, filhos, membros de organizações e entusiastas, todos envergando t-shirts “world clean up day”. Estavam unidos, pela mesma causa. À mim, tinham sugerido aderir à frente Miramar, mas como estava perdida, arrisquei-me a infiltrar-me no primeiro grupo que encontrei: a frente Polana – da União Europeia. Exaustos, mas animados, deram-me as boas vindas. Afinal, o que queriam de verdade era ajuda para o que realmente importava: limpar e tornar a cidade mais respirável, viesse de onde viesse o voluntário. Luvas e sacos pelas mãos, a minha irmã e eu descemos pela área da praia onde ainda estava a cartar-se lixo. Já muito tinha sido tirado, mas restavam coisas fora do lugar, como beatas de cigarro, tampinhas de garrafas e plásticos.

“E como vai ser amanhã? É triste pensar que virão outras pessoas sujar tudo de novo” – comentou a minha irmã, depois de aceitar apoio de um jovem para carregar um saco de lixo cujo peso astronómico mal cabia nos seus bracinhos.

Sim, uma legítima preocupação. Iniciativas deste tipo normalmente têm um cunho mais simbólico e não pretendem ser pílulas milagrosas. Mas podemos pensar nelas como uma terapia, ou melhor, como aquele anjinho que nos cai nos ombros para soprar na consciência. E foi esse véu que o evento descortinou, com toda uma arrebatadora circunstância: a chegada de uma épica consciencialização. As crianças que fizeram parte à escala mundial, têm agora tatuada na consciência a ideia de que tal como a casa, as ruas, as cidades e o planeta, só valem a pena quando limpos. E quanto a nós adultos, apesar de não vivermos em cavernas, nunca é demais termos um motivo para repensar e mudar de atitude, toda a vez que nos virmos tentados a derrubar um lixo fora do lugar. E para facilitar, claro, são sempre precisas boas infra-estruturas para acompanhar esses esforços. Por estas razões, o diário de uma qawwi dá aqui os parabéns a todas as pessoas e organizações que fizeram o evento acontecer.

Foto tirada ao grupo da frente Miramar. “por um planeta mais limpo” era o que gritavam no momento do registo.

(Por VF – da tripulação)

Livros

Literatura|”A triste história de Barcolino” – Lucílio Manjate|- Opinião

IMG_7438

Edição: 2018; Editora: Cavalo do Mar

Sinopse:

“A triste história de Barcolino, o homem que não sabia morrer, é uma novela sobre um pescador que desaparece nas águas do Índico e retorna, inesperadamente, à sua comunidade, assombrando a todos. Ninguém sabe se ele é um morto disfarçado de vivo ou um vivo que se faz de morto.”

Opinião:

A capa e a diagramação do livro (Ed. Cavalo do Mar) estão impecáveis e tornam a leitura prazerosa. A propósito disto, uma pausa para estender uma saudação à Editora Cavalo do Mar pela qualidade no acabamento dos livros que tem estado a produzir. Voltando ao tema, a novela é ambientada na praia da costa do sol e no bairro dos pescadores, transformados num mundo fantástico, onde se reúnem os personagens (os vivos, os mortos e claro, os indecisos). Nesta obra, Lucílio Manjate retrata a morte, a dor e os mitos à volta do mar. Há uma trágica beleza, talvez até cómica, nas reflexões do narrador. Eis algumas passagens:

“Naquela noite levei Barcolino à minha casa. É óbvio que estava com medo. Como se hospeda um morto? Mas aquele não era um morto qualquer, não era um morto desconhecido. Era o tio Barcolino.”

“A paixão é uma ilusão, mas a única que nos concede o direito de sermos autênticos.”

A escrita de Lucílio não só é original, como também inundada de alma. O único senão desta obra, a meu ver, é a sua brevidade. Entendo que esta seja uma característica das novelas, mas neste caso, a história de algumas personagens (todas elas caricatas e complexas) podia ter sido um pouco mais aprofundada. Como leitora gostaria de ter conhecido melhor, por exemplo, o próprio narrador, personagem que deixou-me curiosa. Fiquei também numa espécie de limbo com relação a situação do protagonista Barcolino, mas creio que tudo isso tenha sido propositado pelo autor, que quer fazer-nos reflectir sobre alguma coisa. Em resumo, é um óptimo livro, leve, por isso recomendo-o.

Sobre o autor: Lucílio Manjate tem uma vasta obra em prosa, ensaios e infanto-juvenil, com destaque para “Rabhia” (Edições Esgotadas, 2017 e Prémio Literário Eduardo White), “A Legítima Dor da Dona Sebastião” (Alcance Editores, 2013), “Os Silêncios do Narrador” (AEMO, 2010 e Prémio Literário 10 de Novembro), entre outros títulos.

A nossa pontuação: 4 em 5 estrelas.

(por VF – da tripulação)

Livros

Literatura |”Mundo Grave” – Pedro Pereira Lopes – Opinião

IMG_7422.jpg

Edição: Março de 2018
Editora: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, S.A

“As férias do inspetor especial, Costley Liyongo, decorriam serenamente na cidade de Inhambane, quando um telefonema do diretor da polícia de investigação criminal lhe deixa claro que, devido a uma emergência, era forçosa a sua comparência no serviço.
Num velho prédio, outrora uma espécie de hotel barroco, uma prostituta tinha sido assassinada. Este será o ponto de partida para uma investigação que se irá adensando à medida que os homicídios se sucedem e ganham contornos fantásticos”.

“Ao ler este livro impôs-se-me a pergunta: como é que um praticante de haikus produz esta narrativa crua, de uma pulsão declarativa, implacável como o gume isento de vergonha do sangue que fez correr?” – António Cabrita – in contracapa de mundo grave.

Com uma trama muito bem interconectada, este livro é indispensável para o leitor amante de um romance policial. O mistério submerso entre as páginas é electrizante e o autor tem uma habilidade ímpar de criar personagens complexos. Vamos rir, ficar perplexos e por fim ter pena de Azevedo Marroquim. Por outro lado, o protagonista da trama, Costley Liyongo, é uma peripécia de investigador, ferido por um passado trágico, e cheio de falhas. Mas assim também são os humanos da vida, umas vezes repletos de luz e outras de escuridão. Os temas sobrenaturais e alguns assassinatos durante a trajectória da história, são tão intensos que em ocasiões lembram as cenas de terror de Stephen King. Poderão assustar um bocado, mas a descrição e a escrita de Lopes são tão elegantes e arrebatadoras, que valem a pena o susto. A leitura é dinâmica e flui depressa. Comecei o livro numa manhã de viagem e só parei quando o terminei, no dia seguinte. O desfecho é um tantinho previsível, mas nada que tire o estupendo mérito da obra.

Vale ressaltar que este livro foi vencedor da 1ª edição do prémio literário Imprensa Nacional – Casa da Moeda (INCM)/Eugénio Lisboa.

Sobre o autor: Pedro Pereira Lopes nasceu na Zambézia, em Moçambique, em 1987, é contador de histórias e poeta, fundou a revista digital de literatura Lidilisha e o “Projecto Ler para Ser” e é vencedor de diversos prémios literários.

A nossa pontuação: 5 em 5 estrelas.

(por VF – da tripulação)